Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

07
Fev17

Ladinices 11

Jorge

- Tó, vai à janela e conta-me o que vês.

- Há pessoas com ar de quem vai fazer alguma démarche para os patrão e/ou chefe e outras que vão às compras.

- E que mais, que mais?

- Como referido anteriormente, chefe, há pessoas com ares com maneiras de se deslocarem para as compras, outras passeiam e poucas conversam.

- Tó, tens a certeza que não estás a mirar a televisão, olha que não te pago para isso, que andes a passear pela Net, vá lá, vá lá?!

- Penhoradamente garanto-lhe que não estou a olhar para a televisão, chefe!

- Então, conta mais coisas da rua, Tó, vamos a isso!

- Como tinha acabado de afirmar, há pessoas que conversam, umas sobre política, outras sobre futebol e outras sobre affaires.

- Brincamos, estás a fazer uso de binóculos, mandaste instalar aparelhos de escuta na rua, ou tiraste algum curso de leitura oro facial?!

- Receio não ter entendido, chefe...

- Tó, estava a perguntar-te se tens dotes de super-homem, ou se andaste a aprender leitura dos lábios, sem que eu para tal tenha sido alertado?!

- De modo algum, não disponho doutros meios senão da leitura gestual, chefe!

- Ena, pá, que não paras de tirar especializações, estás cada vez mais prendado, Tó!

- Para melhor o servir, chefe!

- Então, conta-me mais coisas, que mais vês na rua, Tó?

- Com todo o gosto, chefe! Como ficou dito anteriormente, há pessoas que conversam sobre affaires, o que é revelado pelas expressividade emotiva dos gestos, enquanto outras passeiam animais de estimação, havendo também quem se limite a olhar para o boneco.

- Muito me contas, Tó, tudo decorre como deus quer, verdade, Tó?!

 - Como já ficou expresso acima, há quem olhe para o boneco e depois vê-se turistas aos molhos, chefe.

- Boas notícias, Tó, haja quem não nos desampare a loja e dê uma mãozinha no pagamento dos juros das dívidas.

- Eu não diria melhor, chefe, muito embora o turismo já nos motive, há muito...

- Terei percebido nas tuas palavras, algum reproche, Tó?

- De forma alguma, chefe, o que é bom para a economia é bom para mim!...

- Ora isso é que é falar! Já agora não notas mais nada, assim a modos de ajuntamentos de peticionários, de grevistas, de manifestantes do contra, ou a favor, nada disso, Tó?

- O chefe não para de me surpreender! Mas, vá por mim, se há desestabilização, logo surgem os média a querer tirar nabos da púcara, são lançadas suspeitas, os juros do serviço da dívida disparam, potenciais investidores dão o fora e ficamos feitos num molho de brócolos, se me é permitida a gíria, chefe...

- Há muito que és meu amigo e sei que falas bem e me alegras, muitas vezes, mas, insisto, temos ou não manifestadores à porta?

- Não confirmo, nem desminto! Como deixei claro, nota-se a presença de turistas e há ali uma malta junta, mas parece que estará a discutir as últimas da bola, chefe, tal o fervor posto na argumentação. De resto, chefe, acho que daqui a pouco vão à sua vida.

- Desde os Reis que ninguém nos bate à porta, Tó!...

- Permita-me que lhe recorde que essas pessoas que lhe cantaram à porta nos Reis vieram por bem, chefe.

- Tó, não é bem assim, quem bate à porta, fá-lo por bem. As pessoas chegam zangadas? Proponho, em tom falgoseiro, que abanquem e se sirvam de chazinho e bolos, que, depois, por faz e nefas, logo se encontra uma boa solução, a aplicar a breve, médio, ou longo prazo... Deixem lá vir a mim os diletantes, seus mauzões, que me fazem falta blandícias e benquerenças! A propósito, assegura-te que há provisões frescas!

(Tó ficou varado, de gestos perdidos, durante largos minutos. Quando retomou a sua postura habitual, ia a cumprir a ordem recebida, mas antes entregou-se a outra démarche: lançou mão lesta ao telemóvel secretamente consignado a ocasiões destas e similares. De conversa com um devotado amigalhaço, ficou combinado que, o mais tardar dentro de 3 dias, estaria à porta, nas boas, um séquito encabeçado por condutores de veículos acionados à mão ou ao pé, descontentes com o estado atual da profissão que continua a desvalorizar-se, a olhos vistos. Na oportunidade, Tó não resistiu a dar dicas e palpites sobre cartazes e memorandos. Não queria que nada faltasse ao chefe!...)

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2010
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2009
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub