Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

12
Jun18

Diletantismo três

Jorge

Como culpar o vento pela desordem deixada, se fui eu que deixei a janela aberta?

Autor desconhecido

 

 

O senhor está, desde há 5 anos, na presidência dum clube (e da respetiva SAD) que integra o tridente dominador do futebol cá do burgo.

Nesse espaço de tempo, adregou muitas taças em competições de n modalidades, outrora tidas por amadoras, cá dentro e lá fora. Mas, para mal de seus pecados, apenas juntou no museu da agremiação 3 títulos secundárias na modalidade-rainha, o futebol (bola), pelo que a seca de glória continuou, quando ele fizera questão de proclamar o fim das vacas magras.

Assim sendo, e para mal dos pecados do promitente senhor, começaram consócios, adeptos e simpatizantes insatisfeitos a apontar dedos acusatórios na sua direção, outros a querer fazer-lhe a ficha (afinal, quem se lembrou dele para ocupar o cargo?). Aí o senhor deu início a um complicado período de transferência de culpas para atletas, para staff técnico, para antagonistas, para dirigentes da bola (verdade seja dita, sempre se mantiveram impávidos e serenos!), para órgãos do Estado, para desconhecidos, para entidades sobrenaturais possivelmente malévolas e para o diabo a 4.

O senhor é comummente tido por habilidoso estratega em delinear cruzadas desportivas virtuosas (ele está sempre do lado do bem), em conseguir boas contratações de atletas para a miríade de modalidades suas, em fechar operações financeiras favoráveis à coletividade, ou por aí. Por isso, muitos sócios, adeptos e simpatizantes da coletividade o têm na conta de salvador da pátria.

Para mágoa do senhor, opositores há que apontam aos altos salários, bem como a outros valiosos emolumentos e a outras mordomias disfrutados pelo senhor, para tão fraca obra. Mas, sem provas objetivas, a maioria silenciosa (e não só) vai ficando do seu lado e tanto lhe basta!

O senhor é bem-parecido (tem confiado a definição de um perfil sedutor a quem percebe do assunto), a que junta uma voz cava, bem treinada e que lhe vai a matar com o jeito mordaz de enfrentar os importunos e conquistar prosélitos para a sua causa.

Opositores bem podem alcunhá-lo de mauricinho, de casquilho, ou mesmo de canastrão, é para o lado que dorme melhor, tem a maioria silenciosa (e não só) do seu lado e tanto lhe basta!

O senhor safa-se muito bem em debates na língua de Shakespeare (coisa rara entre os seus pares), para além de dominar a preceito o dialeto mátrio e pátrio, verdade seja dita que costuma impressionar, quando participa em simpósios, em conferências, debates, sessões de esclarecimento realizados à porta de casa, ou mesmo na AR (os seus congéneres têm mais pilim que paleio).

No entanto, opositores há que do senhor o que Mafoma não se atreveu a dizer do toucinho, outros consideram-no um narcisista primário, enquanto outros os batizam de mitómano chapado. E ele, nas tintas, desde que a maioria silenciosa (e não só) esteja do lado dele, tanto lhe basta!

O senhor será o detentor do recorde individual (nacional, pelo menos) do tempo e espaço atribuído nas tevês a convidados estranhos à política profissional e ao mundo das artes e das letras (numa das suas melhores atuações, debitou palavradura, por mais de 2 horas, sem parar). De resto, qualquer suspiro do senhor sujeita-se a ser dado em direto, ou em diferido (as redes sociais também o cumulam de atenções).

Os opositores não estão com meias medidas: ele é dono dum ego maior que o país, duma cupidez maior que o continente e duma lata maior que o mundo. E ele não lhes liga meia, a maioria silenciosa (e não só) não o dispensa e tanto lhe basta!

O senhor diz que ama o seu clube, até ao delíquio – como se fora sua família, vê-se pela cara! - e, a quem não lhe dá crédito, trata abaixo de cão, clama pelos seus nomes na praça pública, enquanto os recobre de opróbrio, chegando ao ponto de pedir aos circunstantes que o agarrem, ou vai aos fagotes dos pretensiosos contestantes.

Por conta disso, opositores há que o apelidam de abominável homem das neves, de monstro de Loch Ness e de homem do saco, entre outros (não cabem aqui os epítetos e palavrões soltados na Net). Ora, passem bem, a maioria silenciosa (e não só) está com ele, tanto lhe basta!

Mais, o senhor confessa trabalhar 24 sobre 24 horas, para o sucesso da agremiação que chefia e que quer continuar a liderar, dê por onde der («daqui não saio, daqui ninguém me tira»!), que a consagração está aí à mão de semear (para grande cortação dos detratores)!

Opositores estão noutra: ele deixou empresas em escombros, postou muita literatura daninha para os interesses do clube e não se cansa de fazer o mal e a caramunha, em desfavor do clube. Que vão bugiar, a maioria silenciosa (e não só) está com ele e chega!

De momento, a presidência do senhor estará por um fio, mas ele vai-se aguentado ao mastro, a desejar que os maus ventos (também os semeou) não tragam piratas a bordo, ou golfinhos esfomeados!

É que vinha mesmo a jeito um título supremo, na bola; agora só para o ano...

bruno.jpg

Sempre que eu saio vencedora duma discussão, ele organiza uma cruzada para desopilar.

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub