Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

oitentaeoitosim

15
Jul11

Vitórias improváveis

Jorge

1 - O vate Menipo, homem de voz tonitruante e obra sonante, quis para si o lugar de primeiro bonzo. Conhecidos e desconhecidos, amigos e confidentes irromperam de todos os rumos colaterais a prestar-lhe vassalagem e seus préstimos. Lançou mãos à obra, as sementes à terra, enquanto oferecia o seu manifesto às balas. Useiro e vezeiro em congregar moles imensas, quando saia à rua em busca de oferendas dos fiéis, encasquilhou a ideia que a vitória seria difícil, mas dele. Enganado estava, pois o milhão de votos dos devotos apenas lhe rendeu o segundo lugar, posição onde começam as derrotas, mas que nem as pitonisas mais pintadas se atreveram a arriscar. Destarte, impôs a si próprio o dever de voltar à carga. Por isso, ninguém se admirou, quando o souberam de novo candidato ao mesmo posto honorífico, um lustro volvido. Desta feita, conseguiu o apoio de duas associações de fortes tradições na sociedade civil. Fosse por pirraça dos fados, por macumba ou por demérito seu, ficou-se outra vez pelo segundo lugar, a milhas do marco milenário anteriormente estabelecido. Ficou a falar sozinho e mais tarde sobraçou a vida de samana, mas não soçobrou. Costuma fazer surtidas à cidade mais próxima, pela calada da noite, onde a sua efígie mascarra ainda os outdoors.

2 - O físico Faiçal também quis arrebatar o cargo de primeiro bonzo. Pachola arremelgado, havia palmilhado o mundo de Cristo, Mafoma, Gautama e Brama de lés a lés, a cumprir o ditame: «faz o bem, não olhes a quem (ou então usa óculos)». Conhecidos e desconhecidos, amigos e confidentes brotaram de todos os rumos cardeais a prestar-lhe vassalagem e seus préstimos. Cheio de nove horas, já se via dono do posto vacante, pois juntava assistências imensas, quando saia à rua em arruadas e arrecuas, tentando arrebanhar as intenções dos devotos, gentios ou pagãos. Encafuou a medalha de bronze, uma classificação que, nem as pitonisas mais sarapintadas se atreveram a professar. Ficou depositário de centenas de dezenas de milhares de razões para nova candidatura. Um ano volvido, volta à liça. Desta vez contentar-se-ia com o terceiro posto da hierarquia da bonzaria. Disseram-lhe que sim, mas na hora da verdade que não: contra fados, não há argumentos. Teve de ceder o assento a uma balzaquiana que lhe saiu no encalço. Fizeram-no sair de cena, pela porta pequena. Passou à clandestinidade, mas ameaça com o regresso, caso sinta a chamada dos seus egrégios avós.

3 – O operário Calino, expositor empedernido de esvásticas em recintos rocambolescos, predispôs-se a montar o cavalo do primeiro bonzo, feito que seria inigualável para um elemento da sua corporação. Conhecidos e desconhecidos, amigos e confidentes irromperam de poucos rumos intermédios a prestar-lhe vassalagem e seus préstimos. Do hábil manuseamento do boomerang em praças públicas, passou à produção, realização e montagem de espectáculos de pantomina, mimo e stand up comedy, sob o título genérico de «Varre, varre vassourinha, pela porta da cozinha». Neles implorava aos céus o amargedão, para depuração da santa terrinha das vicissitudes das corruptelas. Verborreico, nunca se descompôs com atoardas de plumitivos, deixando-os bastas vezes de cara à banda e aturdidos, às voltas com questões de semiótica. Dos devotos granjeou muitas oferendas e um honroso quinto lugar, uma classificação que, nem as pitonisas mais pintalgadas se atreveram a professar. Ficou depositário de preciosos milhares de razões para se apresentar em novas refregas. Por isso, nem o calendário tinha dado mais uma volta, quando um clube de fãs do mavioso canto das sereias o quis de novo na ribalta: convenceram-no a mudar de camisola, o que fez sem o mínimo recato, precato ou rebuço. Fosse por feitiçaria, por sortilégios de magia branca ou negra ou por falta de ensaios, sentou-se quedo e ledo na margem dextra da história. Tem tentado reagir à desdita, pelo que tem sido visto, nos últimos tempos, a espanejar rações a bisalhos, leporídeos e recos, nos intervalos do seu novo negócio de ichós. Nas horas de fulgores intelectuais, trabalha afanosamente na adaptação aos tablados da «Quinta dos animais».

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub