Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

07
Set11

Questões em aberto

Jorge

A – Por que razão há países que não saem da cepa torta? Muitos tratados foram admiravelmente compostos sobre a temática. No fim, uns inclinam-se mais para variantes de insuficiências democráticas, outros para variedades de deficiência financeira, outros para matizes de défice de conhecimentos. Alguém não se quedou pelas meias-medidas e proclamou, alto e bom som: a culpa do subdesenvolvimento deve ser atribuída aos países ricos e um pouco menos aos países emergentes. Foi o bom e o bonito…

B – Por que razão certas e determinadas agremiações desportistas não empregam praticamente cidadãos nacionais nas suas equipas? A maioria das conjecturas aponta ou para a falta de oportunidades dos nativos, ou para a desvalorização das compras estrangeiras e a valorização das, ou para a falta de uma política patriótica do desporto (vulgo ppd), na esteira do que é nacional é bom. Alguém não se quedou pelas meias-medidas e proclamou, alto e bom som: a culpa é da globalização e um pouco menos da regionalização. Foi o bom e o bonito…

C – Por que razão uma atleta abandona o centro de estágio, de armas e bagagens, pela porta do cavalo? Fala-se de falta de respeito, de desconsideração ou mesmo de perrice, à boa maneira da malta do showbiz estadunidense que levanta o cu da cadeira, quando se sente provocada, em directo. Alguém não se quedou pelas meias-medidas e proclamou, alto e bom som: a culpa advém sobretudo do mercenarismo, da defecção, e um pouco menos da desertificação, podendo a solução estar no ponto médio das três variávei. Foi o bom e o bonito…

D – Por que razão o chefe se atira mais, como gato a bofe, à arrecadação de receitas e menos à contenção de despesa, quando se bateu pelo contraditório? Surgiram teorias belicistas, estilo «a dívida declarou guerra à gente»; despontaram também as de cariz gastronómico, estilo «não há almoços grátis»; outros peritos ainda deram paternidade a conjecturas de cariz social, estilo «não há nada para ninguém». Alguém sugeriu que se fizesse aparecer medidas legais contra corruptos e corruptelas. Foi o bom e o bonito…

E- Por que razão as depressões aumentam na ordem directa da diminuição das regalias sociais? Fala-se da redução da auto-estima, da propensão para as rixas e até há quem lembre a famosa teoria de «casa em que não há pão, todos ralham e ninguém tem razão». Alguém sugeriu que faz falta uma campanha nos mídia para levantar o moral das tropas, ou a realização de uma conferência internacional para a qual sejam convidadas apenas vítimas da crise. Foi o bom e o bonito…

F – Por que razão as sublevações encetadas em países da África branca e do Próximo e Médio Oriente são recebidas com expectativas reservadas no ocidente? As conjecturas não se têm alheado das teorias da conspiração basilares, tipo jogo de sombras, teatro de sombras chinesas e mesmo de ensombros com origem nos depósitos pós-diluvianos do ouro negro. Alguém preferiu ler nos acontecimentos a infalibilidade do avanço do ecumenismo, para mais tarde dar o dito pelo não dito, argumentando que aquela era mais uma manifestação que o fim do mundo chegará mesmo em 2012. Foi o bom e o bonito…

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub