Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

26
Fev12

As ações ficam com quem as pratica

Jorge

1 – Artur queria trazer para a pátria sua amada o melhor jogador chinês, pois assim garantia a ocupação de muitas camas de hotel. Riram-se-lhe na cara, soltaram os cães nos mídia e quase o nomearam charlatão-mor de aquém e além-mar. Se tal não aconteceu, foi porque o júri empatava sempre na votação, pois havia um outro candidato forte à comenda, um beltrano que acreditava na honra do país e que a mesma se salvaria com numerário extirpado com suor e lágrimas aos plebeus. Transcorridas algumas luas, empresas mancomunadas com o estado sínico estabeleciam-se no território. E foi ele quem se pôs a rir. Artur gozou à fartazana com a vingança do chinês.

2 – Alexandrino, renomado distribuidor de pastéis de nata, a granel ou por atacado, era um brincalhão dos antigos. Numa das suas arremetidas, disse, zombeteiro, mas corando de pudicícia, que mais adorava a pátria do que a charmosa balzaquiana a quem sobrevinham requebros só de pensar no Ferrero Rocher. Houve quem ouvisse e registasse a tirada d’oiro. À conta disso, contou com muitos votantes, na hora da consagração do vulto mais amado do rincão. Já oficialmente, declarou à saída da melhor casa de pasto do país: «Não tentes saber o que o Estado pode fazer por ti, mostra que sabes que fazer-lhe». Lá dentro, muita gente,  impunemente ilustre, acabava de saborear nacos e postas  a propósito da imposição de medalhas aos colaboradores mais zelosos do terceiro vulto do país, os tais que trabalhavam 12 horas diárias pela paga de 7. Transcorridos alguns sóis, pôs a recato teres e haveres, num país que vive sempre com água pelas barbas. Assim mesmo, Alexandrino pôs literalmente as barbas de molho. Só os pastéis de nata se rebelaram.

3 – Originário de famílias de posses, Jacinto herdou grosso quinhão de terras de lavradio. Viu-se cumulado de capitosas benesses da união, para se desfazer do património, mas só se pôs a milhas, assim que o bmw topo de gama, ganho a expensas do absentismo, se desfez contra uns dioritos duros de roer da serra mais baixa da terra. De malas aviadas e sempre ataviadas, correu seca e meca, disfrutando da companhia falaz dos pecados capitais que, um dia, sonhava exorcizar. Decorrido lustro e meio, apenas sobraram uns tostões nos fundilhos duma lata de salsichas. No burgo de proximidade, instalou-se como comprador de ouro, prata, platina a quem o procurava sedento de uma bucha. Bafejado por Midas e sobraçando Pantagruel, Henry Miller e Sade, abalou para a cidade mais setentrional da nação, onde viveu à tripa forra no lustro e meio seguinte. Voltou à grande capital, quanto se esgotaram as tenças, tomado do propósito costumeiro de encher o saco com pouco dano da sua parte. Virou corretor, na sequência de um curso de formação para desenraizados sobre a nobre arte de dar pontos sem nós, ação orientada por um marinheiro sem saudades da maresia. Quando o quiseram meirinho e mais tarde regedor, desfez-se em desculpas e abalou uma vez mais, desta feita para os antípodas. De saco cheio de divisas conseguidas com vendas no momento certo, deu prosseguimento à vida de rimance e destemperança. Lustro e meio volvido sobre este fartar vilanagem, secou-se a fonte e veio nova abordagem. Na capital da união, fundou uma sociedade de consultadoria para provimento de países encalacrados. Terá contribuído para a resolução da situação de falência eminente das ilhas da Macarronésia, o que lhe valeu mais prebendas que as dádivas dos génios das lâmpadas, cada vez mais fuinhas nos tempos decorrentes. Abalou para os cús de Judas e meteu-se nos assados do costume. Na rodada seguinte, pôs de pé a fundação «nobre povo» que se propunha organizar a verdadeira viagem ao centro da Terra. Ainda de lá não voltou, após par e meio de lustros.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub