Quinta-feira, 03 de Setembro de 2009

 

   A dama fez a primeira tentativa. Soçobrava farta catrefada de A4s e falou ex cátedra, do alto do palanque feérico. Que os scores obtidos nos exames pelos discentes do rincão a língua mátria e a cálculo elementar iam de vento em popa. No último quinqénio, a tendência dos chumbos apontava para o zero ou para o infinitamente pequeno. Tinha ali, acabadinhos de sair do frigorífico, os dados que o atestavam. Os circunstantes sorriram prazenteiramente, tendo um deles apostrofado, nos média, a obra homérica do trio reinadio. Aqueles resultados eram fruto de uma gesta grandiloquente, pantagruélica, inédita. A senhora não se conteve, retocou o batom do cieiro, endireitou a saia que migrara para a anca, afivelou um riso de canto a canto da orelha, enquanto catava uma lêndea teimosa que se infiltrara numa das articulações imóveis. «Não, os mestres-escola também são co-fautores do sucesso» - diria mais tarde. Mal eram ditas tais palavras, pôs passo apressado, tropeçou nas sapatas e foi chamar o Gregório na comua, situada paredes-meias.
   A dama fez a segunda tentativa. Sobraçava farta catrefada de A4s e falou ex cátedra, do alto do palanque feérico Que os scores obtidos pelos discentes do rincão nos testes sumativos efectuados ao longo do 1º, 2º e 3º períodos a língua mátria e a cálculo elementar iam de vento em popa. No último quadriénio, a tendência de negas apontava para zero ou para o infinitamente pequeno. Tinha ali mesmo, acabadinhos de sair da arca frigorífica, os dados que asseveravam a sua asserção. Os circunstantes riram efusivamente, tendo 2 deles apostrofado a grande obra do trio reinadio. «É um feito digno dos ancestrais, dos Afonsinhos do Condado e dos vindouros » – disse um. O outro limitou-se a constatar que não havia nascido duende, mago, feiticeiro, bruxo, vidente, mestre, astrólogo, tarólogo ou fauno que fosse capaz de ombrear com o trio maravilha. A senhora não se conteve, arrotou, assoou-se, fungou de gozo e compôs a saia que migrara para os artelhos, afivelou um riso de canto a canto da orelha, enquanto catava um piolho caturra, logo ali calcado de forma ostensível. «Não, os mestres-escola também são co-fautores do sucesso» diria mais tarde. Mal eram ditas tais palavras, pôs passo apressado, tropeçou nas sapatas e foi chamar o Gregório na comua, situada paredes-meias.
   A dama fez a terceira tentativa. Sobraçava farta catrefada de A4s e falou ex cátedra, do alto do palanque feérico. Que os scores obtidos pelos discentes do rincão nas exercícios formativos efectuados ao longo do 1º, 2º e 3º períodos a língua mátria e a cálculo elementar iam de vento em popa. No último triénio, a tendência de negas tendia para zero ou para o infinitamente pequeno. Tinha ali mesmo, acabadinhos de sair do congelador, os dados que asseveravam a sua asserção. Os circunstantes riram a bandeiras despregadas, tanto que rebolaram de gozo por ali abaixo, até se perderem de vista. Decidiu que a falta de comentários valia por mil elogios. A senhora não foi de modas: inchou como as pipas, virou balão e subiu no espaço etéreo, acompanhada dos paus-mandados. Mas, ainda alguém lhe ouviu gritar: «Não, os mestres-escola também são co-fautores do sucesso». Depois o balão estoirou. Todos os dias continuam a chegar salpicos dos 3 estarolas. Teme-se pelo futuro da vida na Terra e em Plutão.
 
 


publicado por Jorge às 19:24
mais sobre mim
Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO