Sábado, 16 de Abril de 2011

Peco 1 – Os bons técnicos, os bons comentadores e os políticos de bom escol do país, da união e do globo olharam à sua volta e viram a vidinha a andar para trás. O pessoal que tem a faca e o queijo na mão - vulgo mercados, agências de rating, bolsa e banca – asseverou que a árvore das patacas, guardada numa redoma, longe dos olhares dos ignaros pagantes, estava a definhar. Havia que submeter a paciente ao tratamento do costume. Cortava-se uns ramos, umas raízes, uns limbos, sobretudo os labiados, aplicava-se químicos, fungicidas, pesticidas e congéneres. Um homem bom disse que não concorda, escreveu que não concordava, jurou que nunca mais concordaria, mas fez uma genuflexão e corcovou-se ao interesse nacional, uma espécie de mezinha sem símplices que depura e saneia todas as maleitas e amarguras do foro fisiológico e psicológico. Mesmo assim se fez! Aguardou-se pelos resultados que foram vistos a escoarem-se pelo cano abaixo.

Peco 2 – Os técnicos bons, os comentadores bons e os políticos de escol do país, da união e do globo  olharam à sua volta e constataram que tristezas não pagam dívidas. Queriam andar contentes, como manda a sapatilha. Bateram à porta certa e souberam pelos gurus que o pessoal da faca e do queijo na mão - vulgo mercados, agências de rating, bolsa e banca – não estava satisfeito, pois a árvore das patacas continuava a definhar, embora estivesse agora guardada numa redoma dupla, longe dos olhares dos contribuintes ignorantes. Acabadinho de ser inventado, havia um tratamento por experimentar em primeira mão, era só comprar a patente. Cortava-se mais ramos, mais raízes, mais limbos, sobretudo os falciformes, aplicava-se novos químicos, fungicidas, pesticidas e correlativos. Um bom homem disse que não concorda, escreveu que não concordava, jurou que nunca mais concordaria, mas prostrou-e perante o interesse nacional, uma nova modalidade de placebo que sana todas as maleitas e amarguras de base fisiológica ou psicológica. Mesmo assim se fez! Aguardou-se pelos resultados que foram vistos a escoarem-se pelo cano abaixo.

Peco 3 - Os bons técnicos, os bons comentadores e os políticos de escol do país, da união e do globo olharam à sua volta e viram que a vidinha persistia em andar para trás. O pessoal da faca e queijo na mão - vulgo mercados, agências de rating, bolsa e banca – disse que o mal não estava debelado, tinha, pelo contrário, medrado, apesar de terem encafuada  a árvore das patacas numa redoma de vidros fumados, longe dos olhares de ignaros amadores pagantes. Era preciso submeter a doentinha a tratamentos de polé, ou vai ou racha! Estava mesmo ali à mão de semear um novo sinapismo, único nas suas virtualidades, vindo de ser aplicado em ratinhos de laboratório. Cortava-se mais ramos, mais raízes, mais limbos, sobretudo os rômbicos, aplicava-se novos fertilizantes, encomendados à multinacional mais especializada, outros herbicidas e insecticidas acabadinhos de dar à costa e correlatos. Um homem bom disse que não concorda, escreveu que não concordava, jurou que nunca mais concordaria, mas acabou por ceder ao interesse nacional, uma espécie em vias de extinção, mas que é panaceia para  maleitas e amarguras do foro fisiológico e psicológico. Mesmo assim se fez! Aguardou-se pelos resultados que foram vistos a escoarem-se pelo cano abaixo.

Peco 4- Desta vez foram os técnicos bons, os comentadores bons e os políticos de bom escol  do país, da união e do globo que olharam à sua volta e viram que as tristezas continuavam a não pagar dívidas. Queriam voltar a ser felizes, como manda a sapatilha. Foram pela porta do cavalo consultar o pessoal da faca e do queijo na mão - vulgo mercados, agências de rating, bolsa e banca –  que continuava insatisfeito, pois a árvore das patacas estiolava a olhos vistos, embora estivesse presentemente guardada numa redoma de chumbo duplo, longe dos olhares de ignaros amadores pagantes, com guardas munidos de taser à vista. Só o último tratamento de choque, acabadinho de ser produzido nos fornos das multinacionais associadas, seria capaz de incapacitar as sezões da pobrezinha. Cortava-se mais ramos, mais raízes, mais limbos, sobretudo os orbiculares, promovia-se a aplicação de desfolhantes fungicidas, herbicidas e semelhantes e estava o caso arrumado. Foi então que o bom do homem disse: «Alto e pára o baile!». A orquestra sossegou a contragosto, os pares de entendidos congelaram e não houve mais bebidas para ninguém. Zarparam todos de monco caído, jurando vinganças.

   Recentemente foi contratada uma equipa de experts  na recuperação de bonzais e de canos rotos. Dizem que não são nada pecos!

 

 



publicado por Jorge às 12:02
Sábado, 16 de Abril de 2011

   À hora da sesta de uma sexta modorrenta, o sátiro Fauno povoou os sonhos da mãe da nascitura Maragarete: vinha augurar-lhe que a filhota seria nascente de muitas alegrias, ao largo das noites e dos dias dias, capaz de desterrar embaraços estruturais ou conjunturais com momices, chocarrices, paródias, risos, sorrisos e correlativos. Os fados queriam-na como porta-estandarte da alegria e da felicidade, ad eternum, enquanto não chegava o elixir da eterna juventude, uma primícia das deidades, embora já tivesse metido mãos à obra e pés ao caminho. Pôs-se ao fresco e a muitas milhas, quando topou que a receptora – que não era flor que se cheirasse - se contorcia, disposta a encurtar a soneca. Foi em busca dum cigarro salvador e nunca mais ninguém lhe pôs as lentes em cima.

   Quando nasceu deram-lhe a tradicional palmada de boas vindas no rabiosque. Margarete riu a plenos pulmões. Persignaram-se em surdina os assistentes sorumbáticos, de credo na boca e mão no rosário. À beirinha da cama estava o genitor suspeitador que assistiu à saída de Margarete do ventre materno, depois de muito persistir na intenção contrária, até ao limite da sua argumentação escolástica. Achava um despropósito ter de comungar a nudez das partes pudibundas da consorte com outros; nunca alinhara em ménages a 3, a 4 ou mais, como vinha descrito nos cânones, que o seu limite era as práticas politicamente correctas. Alinhou na praxe, assim que lhe comprovaram por a+b que, caso se esquivasse ao ritual a puérpera, arcaria para todo o sempre com comportamentos, atitudes e competências desviantes. Aquela quebra protocolar da filha não augurava nada de bom. Pôs-se ao fresco e a milhas, quando lhe pediram que lhe desse colo. Foi em busca dum cigarro salvador e nunca mais ninguém lhe pôs as lentes em cima.

    Quando a levaram à escola pela primeira vez, brotaram por todo o lado os chorrilhos de risos, sorrisos e ademanes impregnados de boas vindas. Margarete riu a bandeiras despregadas, assim que pisou o ginásio do colégio cheio que nem um ovo de gritos lancinantes, uivos a condizer e olhares esbugalhados. Os colegas de admissão, os pais desconsolados e os instrutores ressabiados olhavam-na de viés e través. Mais tarde, um dos presentes,quando inquirido, por uma têvê regional, na rua da amásia, (em má hora já se vê!) sobre formas de vida para além da magnetosfera, respondeu que sim, que tinha estado na presença de um alienígena, na citada ocorrência. Contava já com 45 primaveras e 10 filhos e guardou na memória o episódio, não fosse a Alzheimer tramá-lo. Nenhum terráqueo se atreveria a tanto, pelo que só outro habitante de outra parte da Via Láctea se abalançaria a tal desplante. Sugeriu que procurassem a criatura e a exibissem numa galeria, de preferência, na baixa da cidade, uma forma de contribuir para a dinamização daquele espaço. Pôs-se ao fresco e a milhas, quando se apercebeu que era procurado pela legítima. Foi em busca dum cigarro salvador e nunca mais ninguém lhe pôs as lentes em cima.

     Quando a levaram ao primeiro dia de trabalho, Margarete chorou baba e ranho, não se lhe descortinou riso sardónico, sorriso amarelo ou ameaço de gargalhada. Sim, levaram-na em braços e de bruços ao seu posto na engrenagem, demonstraram que as máquinas não mordiam, muito menos o patrão e as chefias. De olhos esbugalhados, percebeu que lhe diziam que a higiene e a segurança eram máximas, a organização prodigiosa e até havia bocas-de-incêndio e caixinhas de primeiros socorros nos sítios certos. O chefe mais próximo prometeu logo à primeira melhoria substancial do soldo; o segundo chefe mais próximo reprometeu-lhe que não haveria assédio da parte dele; o terceiro triprometeu-lhe horário flexível. Em alta grita, reuniram-se à porta do promitente local de trabalho altos representantes da sociedade, do mundo do emprego e do trabalho. Davam testemunho que o trabalho dignifica, que se nasce para ter família, para sustentar a família e que fica mal não sustentar a família e proporcionar-lhe todos os miminhos indispensáveis. E exibiam tarjas, cartazes e palavras de ordem a condizer com o parlapié dos ofícios, dos ritos e dos rictos. Estudou o mapa que guardava numa mochila para emergências e fixou o rasto para as vilas de Diogo. Calçou os chanatos que trazia no mesmo xairel de emergências e deu-lhes corda. Pôs-se ao fresco e a milhas, quando se apercebeu que aquilo era o seu destino futuro e que este marca a hora. Foi em busca dum cigarro salvador e nunca mais ninguém lhe pôs as lentes em cima.

    Consta que o eco imita a gargalhada de desprezo de Margarete.



publicado por Jorge às 10:18
mais sobre mim
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO