Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

oitentaeoitosim

15
Jan12

Camisa de onze varas

Jorge

 

    Uns grandes crânios vivos rezam todos os dias às alminhas penadas e às do purgatório já mortas. Outros tentam entrevistas mediúnicas com os espíritos afamados e versados na ciência do deve e haver de afamados, letrados na arte de bem dissecar os tecidos cavernosos de défices e superavits. Smith, Max, Keynes, Galbraith, Hayek e Furtado - entre outros - são continuamente assediados, por dá cá esta palha. Têm conseguido furtar-se à abordagem, com sucesso, até hoje, à custa de audaciosos golpes de rins. Os atormentados espíritos terráqueos, ao verem o chão a sumir-se debaixo dos pés, é que não se rendem. Sem o seu precioso auxílio, continuam a bolsar justificações a pataco, servidas por pratos requentados, erigidos com muita perícia, mas pouca substância. Longe deles que a sua amada ciência caia na rua e vire segredo de polichinelo.

      Salvar o establisment das garras do consumismo, das cavilosas confrarias de corretagem, da bolsa predadora, da banca insaciável e mesmo das mafias internacionais visíveis e invisíveis, seria tão fácil, noutros tempos, como limpar cús a meninos. Atualmente, veem-se à brocha, balbuciando ninharias como infantes desdentados. Os arcanos também lhes fazem vista grossa  e ouvidos de mercador. Por isso a borrasca estará para breve, segundo todas as previsões. Enquanto o pau vai e vem, arranca-se cabelos, rói-se unhas até ao sabugo e, à sorrelfa, encomenda-se estudos sobre poções mágicas tipo druida Panomarix, sobre a localização do reino de Prestes João e mesmo sobre o Eldorado.

      De pouco tem valido: o vírus da crise, diabolizado por todos, teima em trautear o estribilho «daqui não saio, daqui ninguém me tira!». E continua a atacar pela calada, como a cáries os dentes, com pertinácia e perfídia.

   Os bolsos das formigas pobretanas estão a esvair-se de copeques, as carteiras repassadas bradam aos céus, os mealheiros jazem esventrados. Os bolsos das abastadas cigarras ameaçam implodir do alto do seu castelo: as ações, as obrigações, os títulos estão a sentir-se acossados. Resistem, irmanados no instinto da sobrevivência das imparidades.

    Fazem-se promessas a ser cumpridas no triângulo Fátima-Santiago de Compostela-Lourdes; outros itinerários alternativos estão a ser congeminados a outras sedes de imprecação, posto que, em tempo de guerra, não se limpa armas.

    Se a coisa não se compõe, teme-se que este clone do mostrengo do cabo das Tormentas continue a engordar e a crescer em todas as frentes.

    Num belo dia de inverno, repleto de neblina daquela que se entranha nos poros e vísceras, um guru, convidado de honra num dos mais lídimos areópagos, descobre a pólvora: a culpa é dos ingleses e seus abencerragens. Sim esses mesmos que são useiros e vezeiros em comer as papas na cabeça de toda a gente; esses mesmos que porfiam na toleima do uso de medidas escaganifobéticas; esses que teimam propagandear, no tempo e espaço, os seus complexos de superioridade ilhota (alguns miramolins da santa terrinha teimam em segui-lhes as pisadas). Os camones e seus séquitos espartilharam, em tempos idos, as costas e contracostas do globo, em nome de veneranda globalização; foram eles que, mais recentemente se estiveram nas tintas para o euro e se abstiveram de o salvar, quando seguia de cabeça perdida rumo às cascatas ignotas.

    Palavras não eram todas ditas, e já o togado, afinal um infiltrado duma associação secreta de renome, – como se apurou mais tarde - patenteia a sua receita para a crise: anule-se a semana-inglesa para toda a gente, todos, sem exceções, vão alombar pro bono, ao sábado de manhã, em prol da nação. Assim se mitigaria a mitológica calaceirice dos indígenas, ao mesmo tempo que se poria em sentido a malversação corsária.

    Em sede de concertação, está a ser ponderada a questão, não vá a diligente classe dirigente ficar cerceada nos seus direitos de descansar ao 7º dia. Que S. João Wall os acolha em seu beneplácito!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub