Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

oitentaeoitosim

01
Mai12

Pardacenta

Jorge

    Pardacenta era aldeia alvacenta. Delambido o Sol, derretia-lhe geadas, dispersava neblinas e evaporava águas supérfluas, ao primeiro raio. O chilre da passarada, a cantarola do vento, o sussurro dos regatos marcavam a compasso certo o ritmo da vida que brotava em borbotões do verde omnipresente.

   Pardacenta esparramava-se por múltiplas lombadas matizadas, num trecho fértil daquele trato de quietude, por onde gizavam por junto as juntas de bestas que, a um tempo, estrumavam e amanhavam terras, sob a comandita dos tratadores. Todos os vizinhos dispunham de uma leiva, de um pasto e de um arroio. Os desamparados contavam com a ajuda operativa dos mais afortunados. Os pimpolhos aprendiam as primeiras letras na escola primária, gerida por uma balzaquiana de nota avaliativa máxima. Os enfermiços recebiam toda a atenção de parabolanos e galenos dedicados, na casa do povo, dia-sim dia-não. Pelos domingos e feriados a capela acotovelavam-se crentes, temerosos descrentes das espúrias benesses da vida terrena. Na mercearia/botequim central atascavam-se os devotos da boa pinga e do bom falatório. Ao regedor poucas queixas foram ouvidas, a não ser queixumes derivados do reumático. O senhor Aguiar, fazendo jus ao apelido, calcorreava montes e vales e fazia ali escala por conta da produção biológica do sítio e para dar a conhecer as «coisas usadas pelos senhores e senhoras da vila». Aos fins-de-semana havia ainda tempo para ensaiar modinhas à moda da terra, de autoria de um taxista que correra mundo e que delineou também as fatiotas dos pares saltimbancos.

Um a um, os vizinhos de Pardacenta descobriram que havia telefones, televisões e carros a dar com um pau na aldeia global. Alguns vizinhos magicaram na abalada pela calada da noite e não hesitaram. Outros partiram pela clara luz da jornada, em busca de jornas mais reconfortantes. Os putos em idade escolar foram transferidos para estabelecimentos polivalentes, a muitas pernadas dali, o que promoveu o arrasto dos entes, mesmo dos mais renitentes. O prior, queixoso da escassez de óbolos e de coro afinado, foi pregar para outra paróquia. O regedor abandonou a farpela e atavios do ofício à naftalina, posto que, face ao absentismo reinante nos fogos e leiras, pressentia já não reunir condições para o mando. O dono do tasco carregou os proventos para o banco do município e pôs-se a viver de juros e alcavalas regimentais. Na casa do povo, um retirado funcionário despachava assuntos correntes até ver. O posto de correios, há muito, tinha servido de pasto à voragem da formiga-branca. O rancho folclórico aderiu aos cantos de sereia. O senhor Aguiar quedara-se nas suas tamanquinhas, a rogo de João Semana. Os anciãos resistentes feneceram ou cederam às solicitações da terra prometida. O último a sair, desligou o interruptor.    

 

  Uma comunidade esotérica alienígena acaba de aterrar em Pardacenta. Dos objetivos para a próxima época consta a proclamação da independência.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub