Sexta-feira, 20 de Fevereiro de 2015

i - O Conselho Científico (CC) do Instituto de Avaliação Educativa, I.P., vulgo IAVE, num parecer emitido, há umas semanas valentes considerou que «nenhuma avaliação pontual, realizada através de uma prova escrita ‘de papel e lápis’ com a duração de duas horas, seja efetivamente válida e fiável se não for integrada numa estratégia global e contínua de formação e avaliação», pelo que a Prova de Avaliação de Capacidades e Conhecimentos, vulgo PACC, uma produção da sra. ministra Lurdes para o Estatuto da Carreira Docente, vulgo ECD, com a afadigada realização do Sr. ministro Crato, não avalia coisa nenhuma.

O CC é perentório, que nas condições em que se realiza, a PACC afigura-se «como uma iniciativa isolada, cujo propósito mais evidente parece ser o impedimento ou obstaculizar o acesso à carreira docente». Ou seja, a PACC destina-se a cortar nos benefícios dos profes, no cortar é que está o ganhar.

(Poucos cidadãos sabiam da existência de um CC do IAVE, mas muitos profissionais apreciaram que tenha desancado a PACC, porque a dita cuja é uma corrida de barreiras para atletas de fundo e meio-fundo, por isso descabida, humilhante e usurpadora de benefícios adquiridos. Mais se desconfia que o CC do IAVE foi remodelado de-alto-a-baixo, uns quantos fiéis foram chamados a abater os infiéis, salvo seja, ou o órgão corre riscos de passar à história.)

Depois veio o Conselho Diretivo (CD) do mesmo Instituto de Avaliação Educativa, I.P., vulgo IAVE e repôs as coisas não seu devido lugar. A realização da Prova de Avaliação de Capacidades e Conhecimentos, vulgo PACC, «visa assegurar mecanismos de regulação da qualidade do exercício de funções docentes, garantindo a comprovação de requisitos mínimos nos conhecimentos e capacidades transversais à lecionação de qualquer disciplina, área disciplinar ou nível de ensino, bem como o domínio dos conhecimentos e capacidades específicos essenciais para a docência em cada grupo de recrutamento». Ou seja, a PACC é virtuosa, põe a nu as virtudes dos bons e os defeitos dos maus docentes, ficando assim definitivamente provado que sabem doutros mesteres e ofícios, com os agradecimentos da economia pátria.

Poucos sabiam da existência de um CD do IAVE e muitos não-profissionais gostaram que defendesse a PACC, porque é a cereja no topo do bolo, porque presta um rico serviço ao país, engrandece os bons e posterga os maus, coisa nunca intentada no ensino, mas que ele andar a merecê-lo.

(Uma PACC foi feita em dezembro último; foram publicados os maus resultados da inaudita prova que foram glosados em variegados tons, reprovadores, maioritariamente. Ora bem, a escola quer-se aberta! Exposta também. Portanto, a santa prova de avaliação cumpriu a sua missão de mostrar que há muita gente que não detém méritos para ensinar, sabe-se lá para respirar!...missão cumprida. Vitória em toda a linha para o MEC Crato, até ver. O CD do IAVE por certo mantém funções, o que terá deixado desiludidos uns quantos fiéis que se achavam em melhores condições de levar a carta a Garcia, fica para a próxima.)

Um sábio um dia sinalizou assim uma sua convicção: o que mais me impressiona nos fracos é que eles precisam de humilhar os outros, para se sentirem fortes (e levarem a sua avante). Tenham pena…

 

ii - É dado adquirido que os salários dos juízes não ficarão de fora de futuros cortes impostos à administração pública. Dantes sim, ficavam de fora. Para compensar a exclusividade a que a função obriga, falou-se na atribuição de um bónus pela exclusividade. Esse é, pelo menos, o sentido da sugestão dada à Sra. ministra Paula, da Justiça, em documento apropriado para o efeito, por um grupo de missão. Este propôs a inclusão na próxima versão do Estatuto dos Magistrados Judiciais, vulgo EMJ, a atribuição aos magistrados judiciais de um subsídio extra, por não poderem exercer nenhuma outra atividade.

(A maioria das pessoas conhece a Sra. Ministra e as suas façanhas, de ginjeira. Muita pouca gente sabia que ela se tinha atrevido a nomear um grupo de missão com missão tão arriscada. Outros funcionários da Justiça - não obrigados à exclusividade, estão a ver?! – lembraram que também são filhos de um deus, maior ou menor - pouco importa -, o que se julga ter apanhado de surpresa a Sra. Ministra mailo seu grupo de missão.)

Um dia, um sábio disse: a justiça é o pão do povo que dela está sempre faminto. Quem fará justiça aos milhares de cidadãos que são desempregados, em regime de exclusividade, com muita pena deles?...)

 

iii – O Conselho Geral Independente, vulgo CGI,  da Rádio e Televisão de Portugal, vulgo RTP, não foi à bola com os negócios da bola feitos pelos gestores que já enfiaram a viola no saco,  à conta disso. O CGI anunciou que, "por decisão unânime", indigitou novos administradores para esta empresa pública. O CGI defende que a RTP «deverá funcionar num modelo de equilíbrio, assegurando que os seus custos operacionais se ajustam às receitas obtidas», que atualmente são a taxa para a contribuição audiovisual, vulgo CAV, paga por todos e as receitas comerciais que são inferiores às homólogas privadas, por opção.

(Pouca gente tinha ouvido falar do CA ed o CGI, mas sobreviviam a isso. Agora, com conhecimento de causa, muitos poucos achavam piada à CAV, uma coima tida por anacrónica, entre outras.)

O novo Conselho de Administração, vulgo CA, da Rádio e Televisão de Portugal, vulgo RTP, disse que vai poupar nos gastos, valorizar ao máximo o património e o know-how e que não embarcará em aventuras desnecessárias.

(Pouca gente conhece os elementos do novo CA da RTP, mas a sua consideração subiria aos píncaros da gratidão, caso prescindissem da CAV, probabilidade com hipótese nula de concretização.)

Sabe-se que sor Poiares, Ministro-Adjunto e do Desenvolvimento Regional, vulgo MADR, com a tutela da Comunicação Social, do Desenvolvimento Regional e das Autarquias Locais concordou com a sugestão, mas também acha que a anterior gestão é 5 estrelas.

(Pouca gente conhece o Sr. ministro e acha que, se ele tem assim tanto poder, deveria arrumar a CAV no sótão das antiguidades.)

O povo que é sábio diz: a corredor dado não se olha as pernas.

Pernas para que te quero…

download.jpg

- Quero que tenhas uma palavra a dizer nas decisões, Ruggles. Vá, atira a moedaa o ar!

 

 



publicado por Jorge às 11:02
Sexta-feira, 20 de Fevereiro de 2015

     Uma senhora que é líder de um partido disse alto e bom som que os juros da dívida soberana suportada de bom grado pelo Estado cada vez menos soberano equivalem todos os anos à verba orçamentada para a educação ensino e cultura cá da terra uma pipa de massa difícil de encher até porque o desemprego lavra os impostos subjugam a pobreza se impõe infelizmente.

   (Quem conta um conto acrescenta um conto não parece ser este o caso.)

  O governo da santa terrinha acha que se impõe pagar aos credores esfarrapa-se todo tadinho para conseguir tal feito mesmo não sabendo se vai morrer na praia o que já foi previsto por uma pitonisa de Delfos uma cividade de remota fama lá para as bandas da Grécia.

   A governança da santa terrinha fez do pagamento a qualquer custo uma cisma embora esteja na cara que a tarefa não é menos exigente que a carga de trabalhos enfrentados pelo Hércules o tal que deixou um mundo seguro para humanidade e para Grécia naturalmente e ver no que deu.

    Por acaso nenhum dos governantes da santa terrinha parece ter estaleca para tanta exigência mas nunca se sabe donde menos se cuida salta a lebre.  

   Também por acaso essa senhora que é líder anda encantada com outro grego o senhor Tsipras um herói em construção que quer atravessar o Rubicão a vau ela acha que o governo da santa terrinha deveria juntar-se à expedição mas não passou-se acintosamente de armas e bagagens para os troianos que querem o deles e querem o dito senhor pelas costas.

   Pelo andar da carroça qualquer dia a educação o ensino e a cultura passam para os privados talvez só as elites saberão o bê-á-bá  e chega acredita-se que jamais se ouvirá dizer que é uma seca estudar o diabo seja cego surdo e mudo.

    Mais na mesma ocasião essa senhora que chefia um partido caseiro proclamou que a dívida pública aumenta todos os anos uma porrada de massa na ordem do orçamento destinado à saúde do pessoal que sobrevive à custa do suor do seu rosto mais outra pipa de massa das grandes vai ser precisa para fazer face à despesa acrescentada o que não augura nada de bom antes pelo contrário mais furos no cinto mais desemprego mais expatriação e dívida até fartar infelizmente.

   (Quem conta um conto acrescenta um conto não parece ser este o caso.)  

    O governo da santa terrinha não vai em pieguices em lamúrias em renegociações é para pagar paga-se e de mãos para o céu participa na cruzada da restauração das fortunas dos bancos que apostaram em cavalos errados há uns tempo e na esperança que os donos do mundo se amerceiem aliás está previsto tal prodígio assim termine a revisão da doutrina que afiançava ser mais fácil é um camelo atravessar o buraco de uma agulha de coser que um rico entrar no céu já não é assim comprovadamente o seu reconhecimento é somente um pró-forma.

    O governo da santa terrinha arrenega do senhor Tsipras é Grécia a mais para a camioneta dele ele é bem capaz de pensar que mais vale ser dono de uma moeda do que escravo de duas temos o caldo entornado lá na terra dele há muita gente a pensar assim ainda-por-cima o gajo veste-se às 3 pancadas a modos de um abandalhado filho de Eva não usa gravata e tem um ajudante que anda com a camisa fora das calças e casaco emprestado podem espelhar glamour mas é um desplante quem está no poleiro tem protocolos a cumprir se até nos estádios de futebol e nos transportes nos diferenciamos assim não vá lá por isso os troianos são o lado certo da barricada e até se arreia um cavalo a preceito.  

   A senhora que é líder de um partido ao invés é toda fosquinhas para o marmanjão grego que pretende descontos uma esmolinha-pelo-amor-de-deus e uns adiamentos do pagamento dentro dos prazos da conta calada acumulada pelo país dele ora o bom senso aconselha a que o governo cá da terra se juntasse à contestação não se armasse em Martim Moniz de trazer por casa que percebesse que os troianos não interessam nem aos meninos do Jesus mas há pessoas que são mesmo assim quanto mais me bates mais gosto de ti tudo isto é triste tudo isto é fado e se eu deliro com o fado.

   Pelo andar da carroça qualquer dia a saúde é entregue de bandeja à privacidade dos privados que não têm legionelas bichas infeções e mortes nas urgências pelo menos ninguém põe a boca no trombone quem sabe há males que vêm por bem.

Já se sabia de longa data que matrimónio e senhorio não querem fuga nem brio sempre assim será infelizmente se muitos não se meterem em brios.

download.jpg

 



publicado por Jorge às 10:19
mais sobre mim
Fevereiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
21

22
23
24
25
26
27
28


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO