Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

oitentaeoitosim

24
Abr15

Contos de fados (XI)

Jorge

Josefino sempre se conheceu como indivíduo muito dedicado às causas ecológicas de massas; quando se arrimou ao poder pôs seus propósitos a render.

-Proíba-se a distribuição de sacos de plástico leves com alça!

(A proliferação de sacos com alça está a desgraçar o planeta, qualquer dia vão-se até os alces!)

Lojas de vizinhança, lojas pop-up, lojas outlet, lojas flasgship, mercados, minimercados, supermercados, hipermercados, casas ditas de restauração, de tatuagens, de limpezas, funerárias e animais de companhia deixam de oferecer sacos ou saquitéis à borla, nas caixas ou ao balcão (nas maçónicas não se sabe).

Muitos íncolas da parvónia não acham piada à decisão, pois já basta o que basta, os preços estão pela hora da morte, olha-me para eles armados em proibidores de oferta livre de saquinhos que tanta jeito fazem lá em casa, ainda por cima doados de boa vontade, é demais esta lixiviação dos bons sentimentos! Deveria ser proibido proibir...

Os protestos sobem de tom nas conversas de café, nas conversas de circunstância e nos serões familiares, passados à volta da tevê domesticada a que todos têm direito. E não passam daí, pode ser que algum mais destravado se passe dos carretos…

Josefino sempre se conheceu como indivíduo muito dedicado às causas ecológicas de massas; quando se arrimou ao poder pôs seus propósitos a render.

- Que toda a gente passe a pagar um preço pelos sacos de plástico leves com alça!

(Já que não se pode exterminar os sacos de plástico leves com alça, que contribuam, ao menos, para o esforço patriótico de libertação do jugo financeiro!)

Lojas de bairro, lojas de conveniência, lojecas, lojas pop-up, lojas outlet, lojas flasgship, as bancas de vendas em feiras ocasionais, em feiras de bagageiras, em feiras internacionais (supõe-se) juntam-se às lojas de mercado a retalho acima referidas e todas passam a cobrar a derrama estipulada, dá-los à socapa é a alternativa (mas não diga que vai daqui!), para manter certa a freguesia.

Muitos íncolas da parvónia passam a fazer-se acompanhar de sacos de plástico leves com alça – nunca se sabe quando surge o impulso de fazer compras -, na mão, na mala, no saco a tiracolo, nas bagageiras, chegam a levar o trólei de compras, o que é uma chatice à moda antiga. Consta que se dá um aumento em roubos de carrinhos de compras e acentuação na difusão de doenças propaladas por vírus e bactérias incrustados em tais artefactos semoventes.

Isto é tanga, não nos venham com cantigas, qual preservação do ambiente, qual carapuça, já chega de atirar areia aos olhos do Zé, isto é mais um imposto disfarçado, os plutocratas que paguem a crise! Saem outros mimos dos moldes donde saíram estes para a mesa do canto… Mas, o povo é sereno, a maioria silenciosa, até ao dia em que algum meco tome a iniciativa de dar o primeiro passo na ocupação das artérias públicas, aí haverá choro e ranger de dentes, verão!...

Josefino sempre se conheceu como indivíduo muito dedicado às causas ecológicas de massas; quando se arrimou ao poder pôs seus propósitos a render.

- Aumente-se o preço da água do litoral!

(A água é bem escasso, no poupar está o ganho, está baratinha, por isso merece participar no esforço de empobrecimento generalizado!)

Tudo o que é loja, lojeca e lojona começa a elucubrar promoções diretas ou em cartão, com descontos manhosos, ou que trazem água na boca. Uns empresários de nova fornada, empreendedores até dizer basta, congeminam trazer água do interior, à la carte, a preços mais convidativos, seja destilada, básica ou ácida, para gostos e necessidades. Santa paciência, não há maneira de fazer entrar nesta dança as águas minerais e as tónicas, por questões de delimitação de marcas.

Os íncolas da parvónia litorânea dizem que isto passa das marcas e preparam-se para cortar nos banhos, nas idas à sentina, nas lavagens da roupa, nas lavaduras da louça, no regadio das plantas da marquise e das sacadas, na mudança da água das piscinas e na água que vai para os tachos. Pelo-sim-pelo-não, os mais sortudos mandam construir açoteias, eirados, cisternas e tanques.

Andam a ferver em pouca água, que não há direito, que no litoral há mais gente, é aí onde chega mais água, onde se leva com água de menor qualidade, aqueles sacanas do interior são tratados como doutores, não pode ser, isto é mais uma desfeita, vamos fazer e acontecer e não acontece nada, se ninguém se põe à cabeça do protesto, a família não deixa…

Josefino sempre se conheceu como indivíduo muito dedicado às causas ecológicas de massas; quando se arrimou ao poder pôs seus propósitos a render.

- Que seja eliminados da circulação das nossas artérias rodoviárias, ferroviárias, marítimas e aéreas todos os veículos a combustível fóssil!

(Poluem pra burro, os veículos a combustível fóssil andam a gasear o pessoal, qualquer dia estamos todos tramados; ora toda a gente merece viver para gozar da excelência da proteção que temos dado ao ambiente destas paróquias!)

Os íncolas da parvónia ficam siderados de espanto, de medo e de torpor. Isto é pior que uma greve selvagem, pior que o lay-off, pior que os incêndios fatídicos da época de verão, pior que um cataclismo, pior que uma série de cataclismos! Andar a pé, é o fim da picada!...

Aí tomam a iniciativa de ulular nas ruas senhoras e senhores representantes da produção de carros, carrinhos e carrões, comboios, barcos, aviões e drones. Como previsto, o povinho pôs-se à janela a ver em que paravam as modas, aquilo é entre eles, eles que se matam… Ninguém levanta um dedo a salvar o homem entretanto caído em desgraça.

Feita a folha, fazem a cama ao canastrão.

Josefino vai bugiar para as Selvagens e depois instalam-no como provador-mor de carvoadas e churrascadas das espeluncas da parte oriental do país, o que lhe exige degustações quotidianas e trabalho de campo diário, a que nunca mais poderá eximir-se, o cargo é vitalício.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D