Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

09
Jun12

Fatualidades

Jorge

I – Empresas que comercializam bebidas de renome alteram a composição dos sucos, por receio de indução de doenças incuráveis, prolongadas e carreadoras de dolorosos impactos nas vidas de quem as herdou. Tem sido muito comentada esta opção administrativa, sobretudo por organizações filantropistas, ecologistas e do comércio justo. Houve quem sugerisse estoutra opção: bastaria apor nas embalagens mensagens avisadas do estilo «pode provocar a morte», «pode provocar o cancro» e outros arremedos no género.

II - «Senhor presidente ajude-nos, pelo amor de deus» dizia uma pancarta exibida por 4 vestais que não se imaginavam a viver sem que o suor lhes escorresse pelo rosto. O presidente, coração de pomba, estancou a passada viva, inquiriu e pranteou em uníssono com elas. As circunstâncias urgiam: tornou-as suas assessoras, com acesso às programadas mordomias para quem aconselha quem decide nos gabinetes. Um ano transcorrido sai, em boletim da especialidade, em letras magras, estilo contrato com entidades bancárias ou para bancárias, a decisão da demissão compulsiva das ex-assessoras. Provou-se que tinham invocado o nome de deus em vão.

III - «O amor é coisa de pobres» - opinou, sem pestanejar, o mecenas que criou na net um nicho para apadrinhamento de moçoilas de poucas posses monetárias, mas que comprovadamente nada ficaram a dever à beleza. Em poucos dias eram mais os benfeitores que as beneficiadas, um caso de sucesso inesperado, dadas as variáveis sociais e as premissas antropológicas envolvidas. As altas esferas pediram que se retratasse e não fez questão em aparecer num retrato com todos os participantes numa conferência internacional, sob o lema «A verdade acima de tudo», realizada num hotel de 8 estrelas, de sua pertença. Aproveitou a oportunidade para inscrever a ilustre massa pensante anonimamente naquele sítio que criara na net. 

IV - Os homens ganham mais que as mulheres, neste mundo e arredores, uma discriminação que tarda em ser abolida, numa época de práticas laborais sustentadas e sustentáveis. Após a realização de meetings, conferências, workshops e espetáculos de rua incontáveis, em países e cidades socialmente empenhadas, passou-se à fase das manifestações de repúdio, onde invariavelmente eram queimados exemplares da «Classificação Nacional das Profissões».

V - O clube A acusou fãs do clube B de atitudes racistas. O clube B negou e mostrou-se indignado: a malta de 2 claques suas quis ensaiar, na ocasião, uma nova modinha, para xingar o adversário seguinte que equipava de negro, mas só tinha jogadores branquelos. O comité das decisões breves, reuniu-se 3 semanas depois e sentenciou que os próximos 10 jogos  do clube A fossem disputados  à porta fechada e sem intromissão dos media.

VI -E dizia aquele jornalista, todo indignado perante a perspetiva do alargamento a 50 clubes do campeonato de chinquilho: isto é imoral, digno de pessoas pouco sérias. Pouco antes, amigos de Peniche viram-no crivar de balas o único exemplar, da sua tese de doutoramento  «Os efeitos dos abacaxis nos resultados desportivos».

VII – O éforo andava mesmo desencantado com a vida, bem como os seus fiéis servos. Todos os dias havia mais reformados, o que contendia com o seu zelo de bem-fazer à coisa pública. Isso explicava aos súbditos que o seguiam para todo o lado, hipnotizados comos os peixes de S. António, ao que eles diziam amém, estamos nessa, não o deixaremos cair no precipício. Foi então que se lembraram da recolha, à porta dos botequins, de toda a parafernália que tivesse valor: psichés, bricabraques, placas dentárias, champôs de rejuvenescer, antiguidades, pratas, ouros, platinas e mais coisas valoradas ou a valorizar. Entregue  a coleta, os mandantes depositavam-na nas goelas do monstro insaciável que se instalara na única porta de saída do reino. Um dia, embuçado e pela calada da noite, de silêncios propositados habitada, o dono da besta de tiro, consumido pela paisagem diluviana, levantou arraiais e, sem ponta de comiseração, foi pregar para outra freguesia. Uma vez de regressado ao ramerrão dos dias e noites, o pagode constatou que até os dedos tinham levado sumiço.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub