Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

08
Jul12

Craques 1 e 2

Jorge

1 – O mandante-sombra andou numa roda-viva, de seca para meca. Ora surgia no centro de festividades da seleção, augurando grandes gestas e grandes festas, assim que a taça desembarcasse no terminal vipe do aeródromo dos lançamentos especiais. Comprovadamente o orgulho nacional precisava de massagens, pois periclitava na corda bamba, empurrado que fora para o báratro, pelo potentado teutónico, a mando dos barão de Cifrões. Aquela equipa fora ungida para aplacar as iras do deus Pluto, pelos oráculos de Delfos e da tia Maria, uma bruxona encartada em Montalegre. Golo certeiro, orgulho inteiro, foi refrão para corações e bandeiras impantes e impactantes. Pôs-se numa fona o vizir, do palacete reinadio, para as cerimónias oficiais, daqui para o campo de treinos e para os colaus. Na antevéspera da partida para o campo de batalhas, gastou a saliva toda a produzir adjetivos, tal o afã posto na procura de epítetos para os guerreiros da távola retangular. Chamou-lhes de tudo, de heróis para cima. No dia seguinte já pisava o palco dos recontros, onde arremeteu contra os incréus detratores. Se nos jogos aplaudia, pulava e suava dos sovacos, no intervalo das vitórias dava o bacalhau, a torto e a direito. Um dia a seleção cai de pé e foi recambiada, rabinho entre as pernas e monco caído. Fez das tripas um coração destroçado, engoliu em seco saliva amarga e regressa à terra de foguetão, a tempo de receber os descoroçoados representantes, por procuração e proclamação populares. Abraçado aos heróis, puseram-se a chorar baba e ranho, pelo dia fora e noite dentro. Sentiu a falta dos braços de Morfeu, agarrado ao qual dormiu durante 2 dias e 2 noites, de estores corridos, pelo que falhou a chegada do apitador da única jogatina falhada pelos craques do povo. A bem da verdade o ajuizador apitou fora com tino, de cabo, a rabo, todos os recontros que lhe couberam na rifa, o que raras vezes sucedia dentro. Lamuriou-se que o mandante não lhe dedicasse um bocadinho do seu tempo, para o premiar, com um chupa-chupa, nada mais, ou uma festinha no toutiço. Quando desacordou, posto a par das lamúrias do silvador, o mandante não apreciou o tom de chafarica do brilhantinas. Que ninguém se preste a colher despojos, quando a pátria se consome em dores! Caiu bem e de pé, teve direito a 3 rabos e 4 orelhas e foi passeado em ombros na avenida da frivolidade.

 

2 - O clube enlaça um craque de um subcontinente, transferência a custo zero, viagem a preço de promoção, em classe executiva, roupa de marca e comidinha do bom e do melhor, enquanto durar o contrato. Metade do stafe da ilustre instituição acode ao aeródromo. Aguardam com paciência de padre eterno, esfregam as mãos contentes, querem agarrar a oportunidade; não há falta de ânimo, o tempo é que anda leviano. Sonham com aviões superlotados, com passageiros na disputa dos lugares disponíveis, a golpes de gatka, desvios de rotas e ameaças de invasão do espaço aéreo. Veem hotéis atulhados, praças públicas atestadas, restaurantes com clientes de fartura e feiras populares a deitar pelas costuras. A comenda virá por acréscimo, por inestimáveis serviços prestados, ao clube, ao bairro, à freguesia, ao concelho, ao distrito e à pátria. Recebido com beijinhos e atenções mil, o ás aterra num avião a meio gaz, mau prenúncio. Ali mesmo diz que veio para um grande clube, aquele o seu sonho desde pequenino, haveria de sobraçar um ror de troféus, embora se prestasse a ser apenas mais um do grupo de trabalho a tentar cumprir os objetivos. Ao cerimonial circense-pirotécnico da apresentação, segue-se o pré-estágio. Não é captado, nas redondezas, pelas potentes lentes dos binóculos infravermelhos dos dirigentes diligentes, qualquer conterrâneo do craque. Vem o estágio na estranja, que no terrunho os centros estavam todos tomados por clubes da estranja e o homem brilha a grande altura. Da pátria dele nem novas, nem mandados. É um artista consumado, driblador emérito, de grande poder de elevação, de voraz capacidade de ler o jogo na vertical e na diagonal e marca golões, na pré época. Prossegue a ausência de voos charter da pátria dele, nem comboios fretados, nenhum autocarro de excursão, ou caravanas de bicicletas, de patins em linha, seja o que seja. Começa a época regular e o artista arrasa os adversários e os corações, tamanho o talento, tamanhas as vezes que resolve, tamanhos os adversários que lhe caem em cima, quando pega no esférico. A inquietação apossa-se dos contratantes, à falta de fãs da terra dele. O jogador leva a equipa ao primeiro lugar da liga, torna-se no maior produtor de cuecas, marca golos de todos os ângulos e modos, nunca é substituído ou sequer admoestado. Os patrícios continuam arredios, nem vivalma, os cofres à míngua e a comenda entregue às miragens áridas. No dia da afirmação dos povos indígenas, uma data reconhecida pela organização das nações não filiadas na ONU, o campeão integra uma embaixada da nação colombina. Fez-se luz!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub