Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

10
Nov12

Florilégios - Pérolas (mais ou menos fidedignas), à pala do OE 2013, com comentários

Jorge

 1º cônsul

. Não se pode inventar um contexto internacional mirífico (mas há povos miríficos…);

. Não nos interessa fugas para a frente (para os lados, ou para trás, ainda vá que não vá!)

. Um governo responsável não embarca em aventuras (a passagem da dívida pública de 90 e tal do PIB para 117% ou coisa que o valha é exceção);

. A solução dos problemas não passa pelo abandono da União e do euro, a maioria não quer (não sai quem quer, só se houver alguém a empurrar, como no sumo…)

. O OE 2013 pede imensos sacrifícios (os melhores povos, por vezes, são masoquistas, força!)

   Falou em maturidades mais longas (a) e nas grandes performances das finanças domésticas (b), sendo que a e b se destinam a impressionar impróvidos.

. É preciso pensar na reforma estrutural do Estado, na refundação do programa de ajustamento. O Estado que temos é o melhor? Não! (refundição soaria melhor e não era tão ofensivo para Afonso Henriques);

. Vamos combater a evasão fiscal (neste século?)

. Nenhum membro do governo é insensível às dificuldades (são muitas as lágrimas de crocodilo vertidas diariamente nos gabinetes ministeriais, consta);

. Queremos solidariedade dos países europeus, mas temos de arrumar a nossa casa antes (arrumar o quê, vassouras, baldes, mochos, panos, sapatos? Para tanto basta uma arrecadação…)

 1º tribuno

. O senhor (1º cônsul) falhou em toda a linha (mas deu o seu melhor);

. O senhor e o seu governo seguem por um caminho sem futuro para todos nós (então a solução passa por reparações nos caminhos, no governo, ou no país, verdade?)

. Não conte com uma revisão constitucional que derrube o Estado Social (há «n» maneiras de matar moscas)

2º tribuno

. O país está em crise, por causa da bancada do lado (afinal, os responsáveis estão identificados e não se põem a ferros?)

. O despesismo é pai da austeridade (a facilidade de acesso ao crédito, ou os subsídios a fundo perdido, qual deles terá sido a mãe?)

. As medidas que propomos, para contornar as presentes dificuldades baseiam-se na equidade e na justiça social (e no amor ao próximo e na promoção da paz no mundo).

3º tribuno

. A popularidade em política é efémera (é lindo, quando a alma lhes trasborda!)

4º tribuno

. Esta proposta de OE é uma afronta a quem vive do trabalho (será o trabalho uma afronta?);

. O seu governo (1º cônsul) prossegue uma política de terra queimada (já tinha cheirado a isso, a guerra; os capitães limitam-se a obedecer às ordens…)

. Qual reavaliação, qual carapuça! (este nível de linguagem só pode vir de alguém de fora do arco da governabilidade).

5º tribuno

. O senhor veio despachar o OE 2013, não discuti-lo (é apenas suspeita, ou, na 4ª à tarde, não vai haver prolongamento da discussão?)

. A Banca financia-se a juros de 0,75% junto do BCE e compra dívida pública da gente a juros altíssimos (os amigos são para as ocasiões);

. O governo tem um plano B e já negoceia um 2º resgate (premonição e divinação ficam bem a quem o poder detém; já fervilham boatos sobre os futuros planos C e D e os 3º e 4º resgates!)

6º tribuno

. O melhor povo do mundo merecia um melhor OE 2013 (não se pode ter tudo);

. O aumento do IVA na restauração trouxe mais desemprego, mais encerramentos e menos cobrança de impostos (e preços mais altos para os clientes, já agora!);

. Reformados roubados, desempregados e doentes vão contribuir para o reajustamento da Banca (mas ficam com lugar marcada no céu, não vão ter que passar pelo buraco de uma agulha qualquer).

1º cônsul

. Nós estamos a cumprir com o plano de reajustamento, tal qual foi assinado pelo seu partido, senhor chefe da oposição, (ora venha lá o primeiro que me diga que «quem conta um conto acrescenta um ponto»…)

. A reforma do Estado é necessária e espero que o senhor se junte a nós (o menino dança?)

. Não é verdade que seja minha preocupação primeira salvar a Banca, mas há um Fundo que só pode ser usado pelos bancos, por determinação de quem de direito (que sorte a da Banca, ela pode dar-se ao luxo de ver preservados os seus direitos adquiridos!)

1º tribuno

. Os cidadãos cumpriram com a sua parte, o senhor não, a sua receita falhou (pois, pois, bem me pareceu que a receita falava em lume brando, não lume máximo);

. É preciso dar prioridade ao investimento (não seria melhor pôr cobro, em primeiro lugar às práticas de branqueamento?);

. Este governo não tem solução possível, nós saberemos assumir as nossas responsabilidades (ó senhor doutor, parece que eles não querem sair, só daqui a 2 anos e picos…)

7º tribuno

. A troika sempre fez avaliações positivas (observações destas elevam a autoestima dum povo, mesmo o melhor do mundo!)

. Este orçamento é amigo das empresas e do euro (e do ambiente e da onça também).

8º tribuno

. O Estado fica melhor servido com o ensino privado (ao estado que o ensino público chegou!).

9º tribuno

. Este é o OE do caos (a teoria do mesmo nome atualmente merece muito respeito da comunidade científica);

. As previsões da recessão e da inflação para o próximo ano não batem certo (ora bate, bate cantava o grilinho no seu buraquinho, cri, cri!)

10º tribuno

. O Estado não está gordo, a dívida sim (não vale fazer remoques a uma dama de tão provecta idade…).

. O senhor não tem legitimidade para dar cabo do Estado Social (tem para o reduzir à expressão mais simples, ou não?)

1ª tribuna

. Refundação não, o que o senhor (1º cônsul) deseja é a liquidação (pelo caminho que isto leva, o pessoal fica refundido de todo!)

1º cônsul

. O governo não quer um 2º resgate (para quem não quer há muito);

. Ó senhor (10º tribuno), então as dívidas não derivam das despesas? (correligionários riem a bandeiras despregadas, o que faz prova provada que nem sempre muito riso seja indicativo de pouco siso);

. Se não pagar, o país desce a um estatuto de menoridade (ele já é tão pequenino!)

. A escola pública pode fazer melhor (querem ver que o homem se prepara para acabar com os conselhos gerais, com a avaliação docente indecente, com as turmas de 28 alunos, com os mega agrupamentos, com as intromissões abusivas, com o desemprego?!…)

. Se for preciso acorrer as despesas não previstas, vou recorrer a medidas suplementares (fica-lhe bem a coerência, Catilina!)

11º tribuno

. Era desejável que o fundo de recapitalização dos bancos tivesse outros usos (alto aí, cada galo no seu poleiro!…)

12º tribuno

Xingou que se fartou a bancada do lado (mas pediu batatinhas).

. Não está prevista a criação de um banco de investimento? (Um apenas?)

13º tribuno

. Este governo só trouxe fome e miséria (mas é praticante sério das obras de caridade, assim salva-se!)

. A greve geral vos mostrará como têm andado errados (desta feita será por tempo indeterminado?).

2ª tribuna

. O senhor (1º cônsul) não gerou o problema, piorou-o (pra melhor está bem, está bem, pra pior já bastava assim…)

. O senhor (idem) não tem pinga de vergonha (tem cá uma lata!).

14º tribuno

. O país está a ficar com uma dívida à italiana, um desemprego à espanhola e uma crise social à grega (a ideia é um dia viver à grande e à francesa, ou à alemã).

15º tribuno

. O Este governo é reconhecido na Europa (assim podem fugir-lhe, quando está por perto).

16º tribuno

.  Agora o governo fala por fábulas, como a do carro usado e a do maratonista (esqueceu-se a da cigarra e da formiga);

. Vai o governo devolver fundos do QREN? (que remédio, se Bruxelas e Berlim exigirem de volta o vil metal!)

. O IVA de caixa é uma fraude, porque foram redefinidas as «pequenas empresas» (isto serve para protelar a entrega do IVA para as calendas gregas?)

1º cônsul

. O senhor (11º tribuno) está equivocado, não posso desviar as verbas do fundo dos bancos, não mo deixam fazer (na melhor das hipóteses batem-me, na pior abatem-me!)

. A demagogia tem limites (desde quando o mundo é mundo, ela é inesgotável…)

. O governo não fugirá às suas responsabilidades (mas, quais responsabilidades, a culpa não é toda da bancada do lado?)

. Temos credibilidade na Europa (não será antes cadastro?);

. Vamos pedir sacrifícios, mas é para bem de todos (já viram que vamos gastar menos tempo a comer, a ir às compras, ao cinema, é só poupança e nela está o ganho!)

 Há aqui um lapso quanto a uma intervenção de fundo do 1º tribuno que parece ter declarado, entre outras coisas, que o 1º cônsul costuma entrar mudo e sair calado nas reuniões por essa Europa fora, o que provocou um mal-entendido com a defesa da honra do 1º cônsul.

3º tribuno

. O sufoco social é culpa da bancada aqui do lado, que está sempre do lado do problema (a culpa continua a morrer solteira, chamem a polícia);

. Este OE tem sensibilidade social (ora bem, se não a tivesse haveria muita mais famílias insolventes, não é verdade?)

. Vamos cumprir a nossa missão (nem os kamikazes eram tão pintados!)

17º tribuno

. Os senhores (do governo) estão sempre a dizer mal da bancada do lado, mas viabilizaram os orçamentos dela (quando se trata de defender interesses de classe, não há abébias!)

18º tribuno

. Felicito-o (3º tribuno), mas na especialidade pode haver alterações, não é verdade? (lá fora a chuva cai novamente sobre um chão já empapado).

19º tribuno

. Gostava de ser esclarecido quanto ao contributo do montante da taxação do património e dos aforros, posto que os trabalhadores vão ter que arcar com a totalidade da importância a ser cobrada em 2013 (o homem é chato, é zero, claro…).

2º cônsul

. Queremos construir um país com igualdade de oportunidades, numa sociedade aberta e coesa (para uns os condomínios fechados, para outros a penitência aberta);

. O país está numa encruzilhada (atenção aos pactos com o diabo, é nas encruzilhadas que se fazem!)

. A recuperação no emprego chegará em 2014 (de promessas está o inferno cheio, não é?)

. Queremos que este país seja um caso de sucesso (querem ver que as Novas Oportunidades estão de volta?!)

  Vieram 2 tribunos, de sangue na guelra e desancaram o 2º cônsul, um deles apelidou-o de salazarento. Apiedado veio um outro, do mesmo lado da barricada, disse ser o 2º cônsul o maior, afirmação que deixou o visado nas nuvens, tendo baixado à terra minutos depois.

9º tribuno

. O senhor (2º cônsul) leu um manifesto contra o 25/4 e a constituição (a reação não passará!)

20º tribuno

  Falou, falou, galanteios para a direita e para o centro e também pediu qualquer alteracãozinha para o OE 2013, na especialidade (é sempre mais do mesmo com estes ajudantes).

2º cônsul

. A utilização do termo «salazarento» parece-me insultuosa (ora vejam a virgem ofendida!)

. 1976 foi o ano da aprovação da primeira constituição; de 1974 a 1976 houve totalitarismo (afinal ele gosta de cassetes, não de casse-têtes).

21º tribuno

. Mantenho o termo salazarento que usei (é de homem!)

     Uma terceira tribuna – recentemente chamada à ribalta -  bateu forte fortemente, mas ainda como quem não sabe bater, sem deixar mossa aparente no 2º cônsul e no OE 2013. Seguiram-se outros tribunos, alguns repetentes, do pró e do contra. O entronizado 2º cônsul passou ao lado dos reparos, eriçou as penas, compôs trinos e gorjeios crocitantes e foram todos às suas vidas.

   Na manhã seguinte, perante muitos lugares vazios, houve mais do mesmo ritual.

22º tribuno

. A bancada aqui do lado, faz-me lembrar aquele dito juvenil: «para evitar a ressaca que se continue a beber» (este rapaz parece falar com conhecimento de causa…)

23º tribuno

. O atual governo quer diminuir a pobreza (os trabalhos estavam chatos, era preciso pôr a malta a desopilar o fígado);

24º tribuno

. A coligação sofre de má-fé ou de esquizofrenia política, querem-nos a negociar, mas depois agridem-nos verbalmente (vocês têm é inveja do conforto dos nossos novos popós, tomem!)

25º tribuno

. O senhor (24º tribuno) é um deputado a fingir, num parlamento sério (o homem disse isto sem se desmanchar a rir).

24º tribuno

. Os senhores usam o tempo como vazio (tempos houve em que se afirmava que a natureza tinha horror ao vácuo, mas não há verdades imorredoiras, pelos vistos).

26º tribuno

. Um estadista não foge ao passado (com o olhar, tenta-se lobrigar um estadista nos passos perdidos).

3º cônsul

  Falou estremunhado e com ar de enfado das mil e uma maravilhas do seu magistério.O seu ego arrasta a própria sombra.

. O governo não esquece os que constroem a sociedade (e parece que se referia aos trabalhadores);

. Tivemos que negociar com os credores (então o chefe recusa-se a fazer o mesmo com os credores do país, este negoceia com os dele e não é corrido?).

4ª tribuna

. As pessoas não contam, o senhor (3º cônsul) cortou até dizer basta (quebrou a monotonia, pois o senhor é considerado um ás, não se faz!)

3º cônsul

. Os cuidados de saúde do país são do melhor que há no mundo (a humildade é apanágio dos humílimos)

   Houve mais intervenções ilustrativas e elucidativas. E depois o golpe de teatro: a senhora presidenta acha que há tempo para as declarações finais, ainda no período da manhã. Põe à votação se os trabalhos prosseguem ali mesmo, se na parte da tarde; ganha a primeira. Consciência pesada, sensibilidade aos gritos, receio de queda do poder nas ruas? A lição estava bem estudada e as voltas foram trocadas a protestos e protestantes (para grande gáudio, pretensamente esconso de bastantes. Tramas que o poder tece!) Nas considerações finais, um tribuno inflamado de fervor classista debita: seria antipatriótico não pedir sacrifícios aos trabalhadores, quando sabemos que muitos empresários estão aflitos; a classe média ficaria pior se o OE 2013 não fosse o que é. Na mouche! Outro, só para chatear, desfecha: «esta decisão envergonha esta casa, é degradante». Referia-se provavelmente à anulação da sessão da tarde («meramente indicativa», no dizer da presidenta). Ilustrativo! Dito!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub