Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

oitentaeoitosim

02
Fev13

O caso do midas que pede meças aos pelintras

Jorge

Um senhor bem-posto, de muito graveto, de muitas voltas ao mundo, de muitas casas espalhadas pelo mundo, de muitos serviçais à disposição nas diversas casas suas espalhadas pelo mundo, de muitas conquistas atendidas por serviçais ao dispor nas suas muitas casas espalhadas pelo seu mundo, diz, alto e bom som que os tansos andavam a aguentar a retranca, mas o melhor seria que se aguentassem à bronca, tal o vendaval que tomaria de assalto as suas vidas. O pessoal que se escuda nos direitos adquiridos não grama a tirada do protegido dos deuses e jura que a coisa po acabar em duelo.

   O senhor numulário é tido por exímio organizador de tainadas de estadão, a torto e a direito, no seu palacete requintado, sito em local estratégico, algures no coração do jet-set da santa terrinha. Os muitos amigos, admiradores, simpatizantes, conhecidos e penetras persistem em peregrinações regulares às instalações do filantropo, (alambazam-se à borleta). Uma companhia de garções serve invariavelmente montes de chamuças, croquetes, pastéis de bacalhau, carnes frias, carnes quentes, mariscos, cabidelas, caracóis, caldo verde, brunches, rodízios, picanhas, francesinhas, lasanhas, pizas, caviar, peixes fritos, peixes na brasa, saladas, doces monásticos, cheesecakes, queijos e frutas da época. Os manjares querem-se bem demolhados, pelo que outro corpo de prestadios distribui martinis, champanhes, vinhos verdes, vinhos maduros, vodkas, medronhos, bagaceiras, águas-pé, licores, vinhos de arroz, saquês, cervejas, águas básicas, águas ácidas e neutras, conhaques, kavas, nespressos, bicas de diversas bitolas, garotos, irish coffee e shots. Leão nos negócios, mas frugal nas vitualhas, a personificação de Apolo come como pisco ou santão indiano, bebe pela medida pequena, mas arria-lhe bem nos digestivos e fica contentinho da silva por estar rodeado de tanta malta. Do que ele gosta mesmo é de bate-papos, sermões da montanha, preleções e que os discípulos, os epígonos, os conversos levem os seus ensinamentos a todo o lado, amor com amor se paga, ora pois!... 

    Alguém traz à baila o aumento ciclópico de tenças. «Com o mal dos outros bem posso eu» - comenta o anfitrião. Abrem-se sorrisos larvares, boçais e outros de boca fechada. Um fuão menciona o declínio dos salários. «País virtuoso é aquele em que a maioria dos humanos não pode ter vícios» - exclama o dono do lar. Estralejam risotas. Estoutro afiança que o país está de pantanas. «Vai a meio da estrada por causa dos carros» - contradita o estalajadeiro. Estrondeia forte saraivada de risos de pouco siso. Fulano diz que o governo não faz mais do que lhe compete, exigir a quem leva uma vida de fraca responsabilidade. «Bem-aventurados os mansos, que possuirão a terra» - tartamudeia o imperador dos bitaites. Uma figura acaciana assevera que o bicho-careta se deveria sentir orgulhoso dos descontos e que não se deveria deitar à rua, assim de barato tanto sofrimento. «Esses, ao menos, não têm de comprar bulas, mandar construir ermidas e suportar os vícios dos abades!» - redargui o rei das boutades. Irrompem risadas e zombarias que fazem ressoar as paredes do palacete. Sicrano diz que o manda-chuva nº 1 se prepara para despedir muitos milhares de amanuenses, nem que seja à trolha, ou à lei da bala. «Quem vai à guerra dá e leva» - afiança. Risos estrídulos, gargalhadas esfusiantes ecoam nos arrabaldes. Beltrano assegura que o manda-chuva nº 2, amigo de infância, adolescência e adúltero, se prepara para cassar os ordenados e que as misericórdias façam o resto com as grossas maquias que recebem, só vai poupar as altas-esferas. «Quem tudo quer, tudo perde; quiseram conquistar os cornos da lua e agora amoucham!». Ouve-se risos intermináveis, à toa; estava-se neste entremez, quando vem a casa abaixo.

   Ainda se espera pelo suave milagre que possa valer aquela pobre gente.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub