Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

05
Ago15

Ouvi ou li (XI)

Jorge

A notícia um reporta a recuperação de um banco vindo da penúria, mas que foi capaz de impor por fim uma estratégia de sucesso (impensável, há meses atrás). Os resultados estão à vista: mais de quatro centenas de milhões a locupletar os cofres da instituição. Mais corretas estratégias de mercado terão dado fruto, mas pelo-sim-pelo-não o banco lá abateu umas sucursais e pessoal ao rol. Há quem tenha jeito para cortar nas gorduras.

Outro bom sinal para a navegação (felizmente que outros têm sido apregoados, já não era sem tempo)! As contas da nação têm andado aos baldões, os macaréus puseram-se bravios, o barco quase naufragou, mas aguentou-se no balanço, aliás uma situação recorrente cá por casa. Com lucros pingues, isto vai! Venham mais cinco, mais dez, mais centenas de empresas que deem a volta ao texto e a recuperação será coisa de dias (senhores do olimpo, vocês deixam, não deixam?).

O banco fez um balúrdio, indicador que a felicidade- ela que convive paredes-meias com a fortuna - não se cansou deste rincão.

Com humildade, deve aceitar-se o bem conforme vem.

(Era patente o contentamento pelo conseguimento na fácies dos administradores da instituição – os trabalhadores terão também farrado a preceito - e no tom de admiração na voz-off da senhora jornalista.)

A notícia dois fala de um antigo banqueiro que anda a percorrer um calvário (impensável, há anos atrás!): terá metido água, terá feito más apostas e mais trinta-por-uma-linha. Chamado à pedra e aplicada uma resolução, enfrenta de peito feito uma travessia do deserto, provavelmente até ao gólgota (quem sabe?).

Um mau sinal para a navegação! O senhor foi um renomado benfeitor da nação e por aí deveria ter-se quedado. O banqueiro caído em desgraça, ainda não perdeu a face, mas para lá caminha; os indicadores conhecidos caraterizam mais um lázaro pestilento que um benfeitor renomado, uma queda espantosa. Ele tenta, quand même, resistir a multas, a processos e a inquirições, mas está difícil manter-se à tona da água.

O banqueiro terá derrubado o seu próprio império, facto que levou muito mal-estar a muitos lares. Ele perdeu um balúrdio, mas mantém que o apanharam à má fila, ao virar da esquina e não com as mãos na massa. Percebe-se, até lhe ficava mal que tal não dissesse: em terra em que a culpa morre solteira, zele-se os pergaminhos!

A quota de felicidade- vive paredes-meias com a prosápia social – a que tem direito estará um pouco desvalorizada, é certo, mas dela não prescinde o antigo banqueiro, tomem nota os conjurados e todos os mercados!

 (Percebe-se altivez e contenção na fácies do senhor que já deu de mamar e mudou os cueiros a muita gente importante da praça e ainda alguma mortificação na voz-off do jornalista.)

A notícia três refere de despejos, muitos despejos de pessoas com lágrimas que rumaram a casa de amigos, de familiares ou mesmo à rua, por não lhe sobrar guito com que se paga as rendas ou as mensalidades (impensável há muitos anos atrás!) e compra as melancias. Gente que tem vindo denodadamente a contribuir para que outros amassem grandes plutos. Curiosamente, para os deserdados a execução das sentenças não demora mais que um fósforo.

Que seja possível ter saúde, amor e algum dinheiro q.b. para levar uma vida que não envergonhe, parece ser o seu ideal de vida (pode ser?) para muitos que sofreram a dita ignomínia.  Gerir bancos ou fortunas, levar uma vida de lorde, nunca esteve nos planos dos atingidos pela crueldade, uma marca cada vez mais gritante da conjuntura atual e da estrutura reinventada, garantidamente. Não são competitivos. Ora assim se põem a jeito que o mal lhe entre porta adentro (ou fora?)

Este é um mau exemplo: não ser capaz de juntar bom dinheiro, embora não seja pecado, atrapalha a vida individual e coletiva. Se o empreendedorismo fosse a meta de todos, outro galo cantaria na pátria... 

Este é simultaneamente um caso exemplar: perceba-se que uma sociedade só funciona bem, quando há poucos a ter muito e muitos pouco!

(Os compêndios não são taxativos quanto a isto, são ilustrativos. A competição é inimiga das maiorias, que se lhe há de fazer...)

Bancos com lucros pingues poderão ter beneficiar destes despejos; antigos banqueiros caídos em desgraça também poderão ter colhido benefício de despejos de pessoas que não estão em primeiro plano. As pessoas abandonadas à misericórdia ficam embasbacadas com os números das fortunas, mas é bom para a pátria...

Em tempo de raiva, fajeca e penitência (outra troica), a misericórdia lidera, a justiça espera.

Muita cabecinha pensadora acha que a felicidade também é possível, se dela se prescinde, com alguma habilidade à mistura, ora bem!

(Percebe-se alguma mortificação na voz-off da senhora jornalista e do senhor jornalista que fizeram a locução em tandem. Os visados não dão a cara, ou as imagens são turvadas, porque chocam, não se sabem bem a quem.)

PS: As 3 notícias jorraram, por esta ordem, de um rosto enquadrado por todos os tiques da objetividade que já teve outra apresentação.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub