Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

09
Mar13

Isto não dá para todos I

Jorge

. A regra de ouro dos orçamentos do Estado, imposta pela União, institui algumas regras que parecem réplica do código das falências das empresas: quando falhar o graveto, primeiro paga-se aos credores, depois, caso sobrem taeis e anéis, os salários e pensões. A crer na maioria dos votos a favor, trata-se de fomentar a solidariedade com as gerações de futuros portugueses (uma questão a rever essa questão da infalibilidade da naturalidade), situação inimaginável, aqui e agora. Cuidados e caldos de galinha não fazem mal a ninguém…

. Se for na rua e gritar «agarra, que é ladrão!», terá à sua volta muitas cabeças e muitos olhares compenetrados e compadecidos. Se, por puro acaso, a interjeição for ouvida por um polícia de giro, pode acontecer que o ladrão de estrada seja dominado, derribado e encafuado, se houver razões incriminatórias. Milhares de pessoas estão fartas de gritar que há por aí muito mariola a gamar as buchas e os cobres da malta; avançam-se provas, põem-lhes a cabeça a prémio, mas ninguém mexe um dedo para os porem a precato, de casa e pucarinho, na choldra (na cadeia e no hospital, vês quem te quer bem e quem te quer mal), a ver o sol aos quadradinhos. Os regulamentos são diferentes para quem tem maioria de votos e para quem, votando, não tem voto na matéria. Um país, 2 sistemas!...

 

. Um apresentador de notícias assiste a uma peça, em direto, em que são entrevistos e entrevistados velhotes a debitar figuras tristes, numa veneranda instituição, orientados por dedicados monitores e durante festividades carnavalescas. Tá visto, há gente com a diversão à flor da pele, mas não mora cá. Ser-se mãozinhas, desenrascado em pequenas operações e reparações provoca dissimulação, fuga à exposição pública. Malta expansiva, nestas condições, só de fabrico, ou com os púcaros. «Fantástico!» - comenta, enlevado, o pivot das notícias que é danado para a brincadeira.

. Um pequeno número de autarquias esmifra-se para dar livros, refeições, remédios e até pagamento de faturas a gente comprovadamente aflita e que se habilita. Bem hajam esses bravos que se condoem com a humilhação do próximo. Opróbrio que nunca atingiu os Catilinas, almas danadas do poder centralizado indígena, capazes de fazer omeletes sem ovos, para o que basta fazer estalar os dedos (sem os entalarem). E ficam à espera que os patrícios batam cabeça e 3 dedos, em agradecimento. Agiriam assim os «kapos»? Saúde-se os autarcas que não desmerecem de Sousa Mendes.

. Um comentador insinua que as medidas do resgate do país não passam pelos governantes daqui; quem mais ordena está sedeado lá fora. Atente-se em ilações. Primeira: os governantes de entre portas agem por imposição de figurões - passam a vida de faca e queijo na mão – que residem no Capitólio que não na rocha Tarpeia que fica aqui. Segunda: resulta de démarches de big bosses exógenos a cumulação de miminhos prodigalizada aos proprietários internos de grossos cabedais, enquanto a plebe se vê acorrentada ao absurdo da tarefa imposta a Sísifo. Terceira: de ententes e entidades exteriores depende a dieta, o emprego, as dívidas, as crenças do país. Quarta: os epígonos internos dos mandões externos não merecem enxovalhos, pelo que brandir punhos, verter choros, exibir maleitas, contar lamentações e trautear cantorias só em Berlim, Paris, Londres, ou mesmo em Beijing e Washington ficariam a matar. Moral da estória: sem chauvinismos, discuta-se o sexo dos anjos, mas comece-se o debate pela bondade dos ataques de lucidez.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub