Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

oitentaeoitosim

05
Abr13

Paladino de causas frustrantes

Jorge

O senho investigador Alexandre H Cristo fez publicar, na rubrica «Do teu ombro vejo o mundo», do jornal «i», do dia 1/4/2013 (é verdade!), um texto titulado «Um sistema que serve os alunos (e não os professores)», fugindo às regras do novo acordo ortográfico. Dele colhi alguns ensinamentos e outras dúvidas, a seguir delineadas:

1 – Que, «no início do ano de 2013», na Educação, os «habituais alarmistas quiseram gerir a expectativa da chamada refundação do Estado». Facilmente se percebe que os sindicatos dos profes e correlatos são os alarmistas e a Fenprof é recordista nacional de profecias falhadas (com que então a fazer sombra ao governo!). Por uma questão de precisão: há garantias governamentais que o alargamento do horário de trabalho dos professores está fora de causa, não? Sim?

2 – Que à instauração da mobilidade especial na Educação e à «reorganização das Zonas de Quadro Pedagógico - QZP (a bota não joga com a perdigota), a ameaça de uma greve de professores pairou de imediato», para castigo dos alunos. Até se percebe que essas 2 medidas do senhor ministro Crato obedeçam a critérios de correção bondadosos. Questão pertinente: desde quando as greves dos docentes são um castigo dos alunos?

3 – Que os professores não merecem tratamento preferencial, face aos restantes funcionários públicos, na questão da mobilidade especial; talvez só os «professores sem alunos não fiquem agradados com a novidade do ministério». Até se percebe isso: antes de serem integrados num quadro, seja definitivo, seja de zona, eles fartam-se de deambular pelo país. Questão pertinente: por que será que esta casta de funcionários públicos se rebela contra o ME, quando já lhe deram a provar do mesmo e nunca disseram que não gostaram? (rebeldes sem causa ou mistério?)

4 – Que não cabe na cabeça de ninguém que «o Estado mantenha, na sua folha de pagamentos, professores que não exercem funções lectivas, enquanto corta nas remunerações dos que a exercem». Até se percebe isso: se alguém está de braços cruzados numa escola, é lógico que vá bulir para outra, que o patrão é o mesmo, não há maneira de fugir à questão. Questão pertinente: os profes com zero horas de aulas (mas com outras tarefas, supõe-se) não fazem descontos?

5 – Que um professor que «não tem aulas para dar é um professor cuja saída do sistema educativo não prejudicará qualquer aluno». Não há volta a dar-lhe: quem nada faz, não deixa saudade em ninguém, seja nos alunos da sua escola ou da dos antípodas. Por uma questão de precisão: sempre é verdade que a ideia é mesmo correr com mais profes (em nome do vil metal, sem olhar a especificidades)?

6 – Que «o sistema educativo existe para servir os alunos, e não os professores». Até o sr. de La Palisse percebe a ideia. Por uma questão de precisão: os professores servem o sistema educativo, logo os alunos, ou será que antes se servem dos mesmos, com propósitos esconsos (amor discente não correspondido, será?)

7 – Que «em Portugal, a mudança é, por definição, polémica», mas «precisamos também de quebrar os consensos que nos conduziram à ruína», sobretudo na Educação. Dá para perceber: os profes terão de comer e calar, sempre e mais. Querem ver que foram também os professores a lançar propositadamente no desemprego a geração juvenil de mais ampla formação, nos braços do desemprego? (Eu sempre suspeitei, seus malandros!)

   Ponto de ordem à mesa: caro senhor Alexandre H Cristo, o seu artigo comprova – tão certo como 2+2=4 – a justeza da tese contida no título, que a mobilidade especial serve os alunos. Bem-haja! Oráculos destes já nem em Delfos (ai a crise!) se fabricam, mesmo em data de bom augúrio e com lua cheia.

 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub