Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

19
Jun13

Ouvi ou li (IV)

Jorge

Sombras chinesas

As greves foram conquistadas por e para quem trabalha. Uma greve é aceite ou rejeitada pela maioria de uma minoria social, ou dos seus representantes. Uma greve é declarada e levada a cabo por uma minoria social, sem sombra de dúvidas. Quem por cima da burra olha para as greves não vai lá muito à bola com a democracia: só uma minoria de jóqueis monta o cavalo do poder, escudados numa maioria de votos e devotos. Lá dizia o Aristides: em poder e se abster é que está o poder.

 

Cavaleiro vilão

Aquele zeloso cavalariço era extremamente atencioso para com o cavalo. Sempre que podia limpava a cavalariça, não fossem os maus cheiros e as varejeiras empestarem mais e mais o ambiente. Escovava o alazão (a tender para o branco) sempre que se impunha, cuidava-lhe dos dentes, pois fora adquirido a peso de ouro, pousava-lhe a manta anti moscas, tratava de o refrescar e cuidar, trazia-o num brinquinho, está visto. - Que pena! – disse-lhe um dia o arraçado de puro-sangue, atazanado pelo mosquedo em dia de especial vibração - se de facto me desejasses ver em melhor forma, acariciavas-me menos e alimentavas-me mais. Durmo em pé, mas não na forma!

Ao olho treinado do equídeo não tinha escapado o desvio sistemático de parte da sua ração para o mercado negro, onde se trafica favores, pareceres, cobre, drogas e correlatos. É que não há mesmo cavalo sem tacha!

 

Arcaz

 Um senhor de provecta idade tinha em casa um arcaz, onde guardava tudo, a propósito e a despropósito, uma espécie de bolsa de mão feminil, de grande porte, doutro material. Um dia, enquanto almoçava, decide-se pôr ordem nos gavetões. Logo no primeiro, dá de caras com um livro de 40 folhas dedicado ao socialismo fabiano. Estava ele todo curioso a folhear o calhamaço, quando lhe batem à porta. Fechado de supetão o gavetão, entala-lhe o dedo indicador esquerdo; o dói-dói arranca-lhe um protesto e um palavrão. Fechada apressadamente a gaveta, dá de caras com uma encorpada comitiva, de muitos plumitivos. «Se tivessem chegado mais cedo, teriam almoçado comigo!» - disse todo esganiçado e alvoroçado. Todavia, não dão o tempo por perdido, ali mesmo organizam um jogo de uíste, muito regado a uísque. O tempo da razão vem com a estação!

 

Espuriedade

 As e-faturas são uma exigência dos tempos decorrentes também do fair trade. Passá-las, dá-las e pedi-las é dever e/ou direito constituinte (ou virá a sê-lo) de todo o cidadão que não foge às trocas e traz aos consumidores mais generosos regalias nunca dantes vistas, caso não se esqueça de as guardar em cofre-forte (pelo-sim-pelo-não aplique um formicida valentaço, antes). Por conta deste refinado serviço de inteligência, aprendizes de feiticeiro coscuvilharam entes, parentes, patentes, benemerentes e negócios do arco-da-velha: há por aí um número catita de empresas-fantasma, número de contribuinte-fantasma, etc… Dão-se alvíssaras a quem descobrir casas assombradas!

 

Atrás de tempos vêm tempos

 Celestino embezerrava com o meio-tintismo (o penálti cheiinho é que lhe enchia as medidas), fossem dos cenários macroeconómicos, fossem das estratégias do crescimento barra desenvolvimento. Quando ouve dizer que o tempo, o maior mestre de todos, se propõe voltar atrás, em busca de soluções retiradas ao baú, fulmina os tertulianos com esta tirada: «A diminuição do desemprego virá com o regresso das mulheres ao governo do lar, assim como a desindustrialização levará à purificação do ar e à diminuição da população absoluta humana mundial». A perspicácia do Celestino, traduzida nesta e noutras tiradas de olímpica sabença, foi compensada: multiplicou-se o número de cooperantes da tertúlia ao Dejejum com o Mata-Bicho. (Ainda não tinha dito que a alcunha do Celestino dá por Salomão?) A ilusão e a sabedoria são os encantos do mundo!

 

A trancos-barrancos

a) - A vida é uma sucessiva sucessão de sucessões que se sucedem sucessivamente, sem suceder o sucesso…

b) - O homem que fazia boa cara ao mau tempo chorou lágrimas de crocodilo, no dia em que voltou a chover no molhado.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub