Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

03
Ago13

Cenas do País Tetragonal (III)

Jorge

Beijos roubados

O dono de um banco pequenino disse de sua justiça, que a gerente da Fazenda Pública estava a tentar resolver a contento o problema de derivados. A senhoria mandou pagar as tornas dos swap (swap horses when crossing a stream, dizem os brichotes, referindo-se a préstimos de bons samaritanos que peitam a correnteza para disponibilizar cavalos frescos, estivessem ou não à pala, na margem certa), em boa hora, e ninguém perdeu a face.

Só que um punhado de menoscabadores tem montado um reality show impudico - comprovativo do miserabilismo ético dessa malta – visando o afastamento da madama, por razões mesquinhas. A visada e avisada dama contratou para a empresa pública que ajudava a administrar um empréstimo de tal quilate, há uns anos atrás. Onde está o mal, não me dirão? Foi para bem da empresa e garantia de serviço de populações, não se conseguia dinheiro doutra maneira… Nunca alinhou em cambões, cambalachos e moscambilhas, saiu virgem da aventura como havia entrado, o erário pagou um pouco mais que o costume, é normal nestas circunstâncias. Fosse o mundo habitado só por anjos e nenhum governo seria necessário…

 O possidente senhor falou em «incompetência», «folclore político», «demagogia», «crispação» dos candidatos a linchadores, que o «país está parado», enquanto responsáveis andam em regabofes atrabiliários, sem peias nem teias, contentinhos a discutir o sexo dos anjos (a querela está, há muito, esgotada, não é?) Tem lá algum interesse se a senhora não contou tudo o que sabia da marosca, a parte ou o todo? Com o futuro do país não se brinca, com os futuros talvez!…

E atirou 3 pérolas: as administrações das empresas públicas de então, mantidas no anonimato e no remanso dos seus lares nos tempos atuais, deveriam ter levado que contar (cuidado, olhe que pisa os calos à senhora!), mas deus não dorme, cá se fazem cá se pagam (com pigarro); falhou a supervisão (o quê?) das empresas contratantes, das juntas metropolitanas, das câmaras e dos ministérios (já está prevista a criação de um Missão de Supervisão conjunta); há contratos deste jaez com mais de uma centena de páginas (livra, papagaio!)

De repente fez-se luz, é inumano, para todos os efeitos, obrigar alguém, posto em sossego, a revisar tanta página e quem as escreveu sabe disso (a expertise sabe pôr-se do lado certo). Se o cenário das PPP e dos empréstimos à banca vão na peugada dos swaps, estamos feitos ao bife e bem conversados…

Um dia virá a público a estória daquele banco estrangeiro a quem o Estado meteu os dedos nos olhos. Ou a daquela empresa de que exigia pagamento a pronto ao Estado e que foi esbulhada em muitos teres e haveres e - last but not the least - obrigada a laborar aqui, quando a Indonésia profunda lhe abria as portas de par-em-par. Nem vão acreditar!...

(Depois desta lengalenga, não se arranja um swapezinho para o banco do rapaz?)

 

Pescadinha de rabo na boca

Velhusco, mirrado e completamente encanecido (ensandecido, não!), o geronte discorreu assim:

«O Estado pode continuar a sacar em impostos, a ratar mais nos salários, nas pensões, para equilíbrio das dívidas públicas? Não. O Estado tem mais privatizações para fazer? Não!»

A bem da verdade, a tirada é manca: o malbaratado ar pode ser vendido às botijas. As praias, os rios, os mares, as ilhas, os cerros, os promontórios, os cabos, os cabedelos, os «haff-deltas» podem ser transacionados ou alugados, sempre dá para chatinar mantimentos e apetrechos, no curto prazo (1 poço de ouro negro que fosse dava um jeitão). Combater a evasão fiscal, taxar os ganhos da jogatina bolseira, inculpar as falsas declarações de impostos, a falsa faturação, a falta de faturação, estão fora de questão, mas davam um jeitão. Esquivar-se às PPP, esquivar-se aos swaps, exigir a devolução do dinheiro empatado no salvamento de bancos relapsos, é muita areia para a camioneta da gente. Não é fácil ser prioste numa paróquia assim, quem manda tem canga, é o que é!

Se a dívida continua a aumentar, apesar dos avisados esforços das autoridades (os credores insistem no pagamento das dívida e juros de sangue; ao território, à paz, ao povo, ao orgulho de nascer aqui e à liberdade chamam-lhe um figo). Que fazer? Voltar à cirurgia do costume: prótese nos impostos, amputação nos salários, excisão nas pensões, cuidados aturados com a hipertensão dos sacripantas dos mercados.

(Assim não falou Zaratrusta, mas dá a entender o simpático ancião, algo zaranza, a tender para o zaruca. Entre outras pilhérias e remoques, contou aquela do amigo que jura a pés juntos ser um contrato a pensão de reforma. Como a propriedade, resulta de um contrato, social, não é? Fique sabendo, já agora, que, num certo país do centro da Europa candidato a dar cartas em todas as mesas de jogo, a pensão é tida por propriedade privada, inalienável. Conheço quem se tenha borrado a rir com a tirada do geronte, a propósito do último grande empréstimo, ocorrido há mais de um século, pelos vistos).

Então o leal conselheiro volta à carga, entredentes, com o querigma: só os salários, as pensões e os impostos dos que só recebem salários e pensões podem saciar a fome de justiça dos credores. Será mesmo injusto subtrair mais maquia a quem tem mais olhos que barriga? Dos fracos, sem carisma, não reza a história, resta-lhe ser sábio ou bondoso.

A fraqueza da força advém-lhe do facto de só acreditar na força.

(Os netinhos do matusalém aplaudem, delirantes a prestação do avô na tevê. É sempre assim, antes da deita, ficam excitados e é um caso sério para sossegarem.)

 

A quem quer mandar beijinhos na boca?

Veio um grande especialista da praça opinar que o imposto A deveria baixar. Logo outro se assomou à janela e disse que o imposto B deveria seguir as mesmas pisadas. Outro ainda que o prazo dos contratos temporários deveria ser alargado (antes assim que nada, como diria o Martim Neves, o puto-maravilha, do empreendedorismo). Para quê? Para promover o crescimento, as exportações, produzir cá dentro, para ser vendido lá fora (onde já vi este filme?)

Os magnates esgotaram, na ocasião, as garrafas de espumante da terra, não que celebrassem a excecionalidade da narrativa, mas para melhor saborear os miminhos alcançados. É que eles andam mesmo inebriados com a salvação nacional, a união nacional, a coesão nacional e a democracia («o voto torna todos iguais, bebo a isso, hic!»)

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub