Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

16
Out13

Agraz no olho

Jorge

(Pôr a cabeça em água aos sedutores, deixá-los arremelgados e deixar a concorrência à nora, é estro de quem acha que lhe está reservado o papel de chamariz, de caleidoscópio multicolor, de borboleta atraída pela luz e isso enche o ego.)

 

    Rita sai de casa, apressada, lavada, manicurada, pedicurada e maquilhada, muito bem-posta no seu vestido blouse-vintage, verde paisagístico, dando relevo às saliências, curvas e contracurvas do seu torso (decote generoso) e traseiro calipígio. Vai fermosa e segura, bolsa de ombro sem condizer com a cor dos sapatos, umas sabrinas que tomam boa conta do seu pé de boneca. Acarreja um currículo, irrepreensivelmente redigido, a caminho de uma entrevista de emprego. A conversa descamba em charla, os entrevistadores apoderam-se de conversa mole e convites para a retoiça, o que a fez ferver naquela água chilra. Chega-lhe a mostarda ao nariz e, antes que desatasse à tapona, deu aos calcantes, que o mundo está cheio de conversa fiada sobre igualdade de géneros e, bem vistas as coisas, aquele emprego não fazia o seu género. O lugar em disputa foi preenchido, na entrefala seguinte, por um catamito que se limitou a exigir o mínimo dos mínimos, o que encantou os porta-vozes do arrais do barco. Fica-lhe de escarmenta, da próxima não vai em cantigas, ou o anúncio é de confiança ou não põe lá os seus ricos pés.

    Rita sai de casa, apressada, lavada, manicurada, pedicurada e maquilhada, muito bem-posta e arriada no seu vestidinho chiffon vintage, verde-mar, dando relevo às saliências, curvas e contracurvas do seu torso (decote até ao umbigo) e traseiro calipígio, Vai fermosa e segura que agradará, bolsa a tiracolo, sem condizer com a cor dos sapatos, umas vírgulas que lhe vão a matar com a pequenez dos pés e a graciosidade dos artelhos. Decidiu corresponder a insistências de um amigo, pelo que é vista, em fim de tarde, numa festarola que prometia ser de estalo. A casa fervilha de gente, vitualhas e bebidas circulam generosamente e pululam casalinhos dispostos à curtição, na busca incessante de nichos esconsos, onde na falta de luz se ajeita os trejeitos. É solicitada ao consumo de estranhos pós, pastilhas e fluidos, de alta procura e oferta arriscada. E ela prá ali feita parva, sem jeito, sem alinhar no fandango, autêntico peixe fora de água, a ver navios. Os hospedeiros, gente calejada do milieu, querem-na interativa e nada, ela para ali resiliente. Aquelas cenas fazem-nas gente derrancada, predisposta a passar das marcas em causa própria, uma malta sem avoengas, uns mijas-mansinhos, que se atrevam aquele fadário à luz dos holofotes e da luz dos olhos dos ascendentes! Forrobodós, rapiocas assim não se ajeitam ao seu número de pé e adiante troca o passo. «Talvez seja preferível que vás pela sombra e não viste nada!» Nem toma balanço, bico calado, não precisa empurrar, que aqui me vou. Fica-lhe de escarmenta, da próxima vez que for tentada por um convite destes, manda-os dar uma volta…

    Rita sai de casa, apressada, lavada, manicurada, pedicurada, maquilhada, muito bem-posta, arriada e enfeitada no seu vestidinho de chita vintage, verde-chá, dando pouco relevo às saliências, curvas e contracurvas do seu torso (decote respeitoso) e traseiro calipígio. Vai fermosa q.b., carteirinha acolchoada ao ombro, sem condizer com a cor dos sapatos, uns sapatinhos de boneca que lhe ficam a matar nos pezinhos incólumes. Dirige os seus passos à missa, rito a que se eximia há uma década a esta parte, por causa das tosses e da falta de empatia com os devotos. Para mal dos seus pecados, as beatas respingam, as amigas olham-na de soslaio, pela calada atiram-lhe dichotes (ao jeito dos treinadores de futebol quando as coisas não correm bem às suas cores) e cora à conta do assédio em forma de piropos (parece uma boneca de trapos, olha, olha!). Dois fiéis quase chegam a apostar que o cura seria acometido de um qualquer faniquito, na hora de lhe ofertar a hóstia, mas uma alma caridosa deu ao leque, enquanto adiantou um copo de água e o embaraço finou-se por ali. Ficou-lhe de lição, passou a frequentar o templo de macacão.

Rita sai de casa, lavada, manicurada, pedicurada, maquilhada, muito bem-posta arriada, enfeitada e composta no seu vestidinho branco de organza, dando pouco relevo às suas saliências, curvas e contracurvas do torso (sem decotes) e traseiro calipígio, carteirinha clutch e luvas acima do cotovelo, a condizer com os sapatos stiletto brancos. Assim abaiucada, vai formosa e muito segura, amparada em quem lhe pediu a mão, tomada de amores, numa tarde tórrida digna de trópicos. A autoridade notarial dá ordem de soltura ao casal de pombinhos acaba de selar o nó: sacos de arroz alados, buquês voadores, pétalas esvoaçantes, confetes adejantes, fitas multicolores pairantes, xetas delicodoces e votos beatíficos de felicidade para mil e uma noites, há um pouco de tudo (não necessariamente por esta ordem). Um magazine garante o exclusivo da festança, que o nubente, um taçalhão deveras, é figura de proa da comunidade local. As festividades decorrem até-às-tantas: escorropicha-se copos mil, os pitéus, de tão bons, nem chegam a assentar (que bom que está este bolo-de-noiva!), os nubentes esvoaçam de mesa-em-mesa (que ricas prendas, obrigado!), os pares rodopiam, os brindes sucedem-se e os sorrisos esbranquiçados com caranço, também (não necessariamente por esta ordem). As grandes alegrias merecem partilha, aquilo sim é viver.

 

(Rita tomou-lhe o gosto, nunca mais arranjou emprego, nunca mais foi a festas privadas, nunca mais foi à missa, mas já protagonizou para cima de uma mão-cheia de casórios).

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub