Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

27
Set14

A bom santo te encomendaste!

Jorge

(Sobre os acontecimentos vividos no último «Debate Quinzenal» - que mais pareceu uma «Conversa em Família» - e factos subsequentes.)

 

 

Ao senhor Bonzinho não chega doar a camisa, dá as calças, os polos, as calças, as botas e até as trusses por uma boa causa. De uma vez ficou em pêlo.

O senhor Bonzinho gosta de colaborar na recuperação do património, na manutenção das reservas, na recuperação das florestas, no apoio aos sem-abrigo e na salvação das almas danadas e correlatos. É homem de causas.

Ao senhor Bonzinho basta uma palavra só, um credo só, uma ideologia só, uma cara só e uma casa só. Não leva uma vida de estadão e é mais de arriscar em rifas, em raspadinhas e no euromilhões.  É remediado.

O senhor Bonzinho continua a sobreviver com um só ordenado que é destilado do suor do seu rosto e paga sempre as faturas comunicadas eletronicamente. Ele sabe avaliar quanto custa a vida.  

Tirante isso, ao senhor Bonzinho deu jeito uns subsídios que se puseram a jeito de compor o seu remendado pé-de-meia.

O senhor Bonzinho não vai à bola com quem se faz ao bife a retribuições, avenças, prémios, gorjetas, gratificações e outras alcavalas: gosta de oneguês que, coitadinhas, passam o tempo a lutar pelo paz, pelo pão e pela liberdade, pelo mundo fora. Faz o bem, não olhes a quem…

Ao senhor Bonzinho já tinha cabido a suprema dita de cirandar mundo fora, ao serviço de uma oneguê que inclui no seu cardápio a implementação de universidades e a abertura de portas a oportunidades novas. Vai daí chegou a reunir muito, mas só nos fins de tarde, nos fins-de-semana ou pela madrugada dentro. A lei obriga e ele é um seu devoto servidor.

O senhor Bonzinho adorava (ainda adora) reunir em Bruxelas, cidade que tem umas couves de trás da orelha; delambia-se a fazer as honras ao pitéu. Só cobrava (já não) o que gastava. Está aqui uma faturazinha de 1000 - com o nº de contribuinte e tudo -, passem para cá 1000 e até à próxima, se não for antes… Aqui me vou e contem sempre comigo!

Ao senhor Bonzinho faz espécie que se ponha familiares a abrir contas e empresas em benefício dos mandantes. Sempre detestou sessões de strip tease de contas por serem do mais rasca que há. Então, quando lhe falam na violação da exclusividade, passa-se dos carretos. Quando lhe falam em levantar o sigilo bancário, ele amanda-se ao ar, isso é segredo de confissão. Que o façam outros, até que nem é mal pensado…

O senhor Bonzinho abomina falsas declarações de impostos, nunca foge ao cumprimento das suas obrigações. Agora, se não é obrigado a declarar as gorjetas às finanças (por acaso, uma situação a rever), não se arma aos cágados. «Não sou mais nem menos que os outros…» - acrescenta.

(Eu seja ceguinho, se fugi aos impostos, já pedi que a procuradoria analisasse, porque ando com falta de memória e a tomar centrum.)

Quando era menino, ao senhor Bonzinho ocorreu soltar uma mentirinha para arranjar a vida. Levou semelhante pantufada de um seu superior, que ficou a ver estrelas, durante 20 horas seguidas. Nesse dia só lhe foi permitido comer salsichas – lembram-se bem os amigos de gebreira. Nem pão, nem água, nada!

Anteontem alguém notou que do corpo do senhor Bonzinho se desprendia um halo de santidade e emanava uma aura de beatitude. «Temos entre nós, um bem-aventurado!» - diz uma chusma de seguidores a quem ele abona e não abandona.

Aberto um peditório nacional online, ficou comprado, em tempo recorde um andor e um altar, onde se espera que o senhor Bonzinho venha alternar. Contam lavar-lhe os pés, depositar flores e acender velas, todos os dias.

(Uns maus de antanho diziam que «em santo de carne, pau nele». Nem tanto ao mar, nem tanto à terra!)

A felicidade suprema tem o seu custo

 

- De certeza que não posso entrar com isto? Aqui está o seu quinhão das despesas de representação…

     - Para que estava eu guardado!...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub