Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

23
Jan14

Apostilha 12

Jorge

Senhores deputados e senhoras deputadas da maioria compunham um modo compungido sempre que se lhes oferecia a oportunidade de dissertar a propósito dos sacrifícios impingidos, há um ror de tempo. Tinham uma fezada que as doses reforçadas de óleo de fígado-de-bacalhau, impingidas a contragosto (claro), seriam contrabalançadas pelas melhorias do país doentinho. Juravam e trejuravam que tinham ponderado alternativas até à exaustão, mas o que tem de ser tem muita força: não encontraram outra porta que tornasse acessível a fuga à crise induzida. Por vontade expressa dos protetores (de santos nada têm), uns estoura-vergas da globalização mal aparelhada ainda, isto vai ou racha. E os senhores deputados e as senhoras deputadas que nunca tiveram oportunidade de apreender a sagacidade da raposa perante o corvo de queijo no bico (as novas oportunidades são coisa recente) fizeram passar a mensagem às vítimas escolhidas a dedo, toca a enfardar.

Aliás, a mescambilha não só foi montada por esses protetores reinadios (felizmente vão pôr-se a milhas, quando o relógio da torre da Pândega exibir o último suspiro), mas também por antecedentes reinantes - safados e malvados - que fugiram com o rabo à seringa. Hoje por hoje, não há forma de fazer escapar à rapina os pobres de espírito e de carteira, antes emagrecer na honra, que engordar na infâmia. Cumpridores honestos fazem orelhas moucas ao desatino e é isso que o destino reserva a quem tem apenas uma linha de rendimentos garantida.

(Os eleitos da salvação da pátria quedaram-se de cara amarrada, um bocado murchos, é verdade, até lhes deu para ver navios, ranger (os poucos) dentes, lamber feridas, beber lágrimas vertidas, mas isso já lhes passa.)

Agora, não dá para perceber, a razão pelo qual, as excelências se quedaram de cara à banda, quando os togados do Tribunal Constitucional, obrigados a lavrar uma palavra de rei que-não-volta atrás, deram cabo do arranjinho arquitetado para retirar mais umas postas às pensões, no entretanto. Quando se pensava que o alívio da carga dos inculpados deixasse as senhoras deputadas e os senhores deputados do arco-da-governação, ou coisa-que-o-valha, com cara de Páscoa, nada disso, antes puseram cara de caso, de funeral mesmo. Continuam a dizer que não há volta a dar, os pais-de-velhacos…

 Da próxima vez que falarem de sacrifícios, senhores deputados e senhoras deputadas, digam, sem peias, que querem salvar a pele dos privilegiados (e a vossa, de caminho), ponham o ar zombeteiro da indiferença perante a dor (que nem sabem anestesiar), ar esse que vos vai a matar. Ou não digam nada, o que tem de ser tem muita força (ou coisa que o valha). E poupem-nos ao despudor dessa cena da equanimidade, fica-vos mal alinhar numa cruzada onde muita boa gente vai deixar a pele, gente que deveria merecer um mínimo de respeito que vosselências exilaram.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub