Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

07
Jul15

Cavalo de madeira

Jorge

Aquele era mais uma negociação decisiva, a derradeira hipótese se se chegar a um acordo.

A disputa ocorria entre os representantes dos credores que sempre se haviam sentado acintosamente do lado direito da mesa de negociações.

(A dívida era medonha.)

O lado esquerdo da mesa de negociações era ocupado religiosamente pelos representantes do país que tinha um a dívida impagável, há muito. Aquele país tinha-se esforçado por pagar essa conta calada, tintim-por-tintim, em tempo escasso, sem sucesso.

(A dívida seria impagável.)

Pela conta mais corrente, a fornada de negociações decisivas já tinha ultrapassado a barreira da dúzia, em meia-dúzia de meses. O processo das negociações não atava, nem desatava, estava-se num impasse

(Mas que dívida medonha!)

As negociações vinham-se a arrastar, indolentemente, à espera que o interveniente naquele braço-de-ferro caísse para o lado. Os do lado direito tinham a faca e o queijo e não estava ali para ceder, a última palavra seria deles.

(Constava que a dívida seria impagável!)

Os comunicados finais, ditados por quem de direito, falavam invariavelmente na busca de uma solução consensual que ficava para a próxima ronda. Talvez para as calendas gregas.

Outras negociações decisivas estariam a caminho.

Tendo-se-lhes esgotado o músculo e a verve, os negociadores da banda esquerda pedem um desconto de tempo à mesa, uma paragem técnica: precisavam de consultar o fiel povo das berças, a ver se ainda podiam contar com o seu apoio para novas refregas decisivas.

Que sim, era-lhes concedido pelo lado mais forte o direito ao referendo, junto dos patrocinadores.

(Parece que nunca fora vista dívida tão medonha!)

Feita a consulta, o lado mais fraco da mesa das negociações decisivas recebeu um apoio à sua estratégia, que não cedessem, que mantivessem a cabeça levantada e a posição altaneira.

(Parece que a dívida seria impagável por séculos afora!)

A vitória – moral e dilatória – foi comemorada sem grandes entusiasmos, ao que se crê, nas ruas do país que precisava de dinheiro como de pão para a boca.

(Já alguma vez viste uma dívida tão medonha?)

Um ou dois agentes da autoridade dos senhores credores, do lado direito da mesa de negociações decisivas, fizeram saber que querem o deles de volta, todinho e contra isso, batatas! Que não há pai para eles.

(Já alguma vez foi fabricada uma despesa assim tão impagável?)

As vitórias de Pirro sabem a pouco e os donos disto tudo - em poses de Zeus - sabem que não podem dispensar os Sísifos à mão de semear, tão pouco abrir mão dos bem elaborados suplícios de Tântalo.

Vêm por aí mais negociações decisivas para o futuro (onde estacionaste o cavalo de madeira, Ulisses?)

Kipper-Williams-Eurozone--005.jpg(Não me peçam que resolva a crise do euro!!!)

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub