Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

18
Set14

Cenas do País Tetragonal (XXVII)

Jorge

A senhora ministra achou que a geografia dos tribunais estava mal feita e decidiu mudar. Num mapa mental, redesenhou a distribuição dos tribunais, juntou uns pós de perlimpimpim, pôs tudo ao fumeiro e apodou de reforma a coisa. Estava completa uma peça-chave da sua missão da governação, a partir daí só podia rolar sob esferas a máquina justiceira. Não é de hoje, não é de ontem que se sabe que de boas intenções está o inferno cheio.

A senhora ministra teimou em levar a reforma avante, na data assente e encomendou-se às alminhas. Imitando dona Justiça que é uma senhora formosa, de olhos tapados, espada desembainhada e dona de uma balança fora de moda, não cedeu um milímetro ao espírito da coisa, cunhas com ela, só para rachar lenha.

Ora parece que a plataforma eletrónica que deveria arcar com toda a documentação pifou ou não aguentou a pedalada. Num repente ficou com a cabeça a prémio, salvo seja. Porém, que culpa tem ela, a senhora deve ter tirado tão só um curso de computadores na lógica do utilizador, tenham dó! Foram os entendidos que meteram a pata na poça, topa-se à légua! Já não se pode depositar cúnfia nos subalternos? Um deles meteu a pata na poça…

Os profissionais do ramo disseram cobras e lagartos da reforma visionada pela senhora ministra, que se caminhava de cavalo para burro. A senhora ministra acusou o toque, mas não assumiu a maternidade da dita plataforma, uma serpente que tinha num dos seus ovos o germe do estado de sítio.

A senhora ministra, farta de levar pancada, dá uma conferência e obriga um seu subalterno a meter a cabeça no cepo. Ecce homo, atirai os tomates, as pedras, as bisnagas de água e de tinta a este fulano.

Temeu-se que estivesse montado um linchamento público.

(Teme-se que a encenação não fique por aqui; sacudir a água do capote nunca deixou de estar na moda.)

É assim, esta governança não dá ponto sem nó, competência tem-na para lavar e durar e faz o que não lembra ao dianho e ainda lhe sobra tempo para manter o pessoal num colete de forças.  Os mauzinhos acham que deveria desaparecer duma vez por todas, que não acerta uma. Os assim-assim, acham que deveria ir à bruxa.

A senhora ministra, não perdeu as estribeiras, não assumiu a culpa, mas pediu desculpa. Fica-lhe bem, num país de brandos costumes tudo se perdoa. Mais, a história far-lhe-á justiça. A sua reforma ombreará com a do Mouzinho da Silveira e os seus atos com Martim ou Egas Moniz. Mais comezinho, desconfia-se que não lhe farão a desfeita de a compararem ao ministro que apresentou a demissão, por conta de um acidente que ceifou vidas, numa ponte de âmbito seu.

Azarada esteve uma ministra antiga e os compinchas da Face Oculta, os quais não puderam usufruir da bondade desta autêntica salsifrada justicialista montada num país fadado a ser governado por gentes de fábula.

 

Não vejo mal nenhum, desculpem lá!…

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub