Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

14
Abr18

Cenas do país tetragonal (XXXVI)

Jorge

    Os pirralhos de seis anos da santa terrinha são obrigados a ir à escola do primeiro ciclo do ensino básico depois mudam-se para uma turma de segundo ciclo do ensino básico mais tarde passam a uma escola do terceiro ciclo do ensino básico e acabam o percurso obrigatório numa turma dum estabelecimento de ensino secundário caso não haja nenhum chumbo terminam a escolarização aos dezoito anos e até podem frequentar todos os anos no mesmo estabelecimento de ensino só que em secções distintas caso os pais ou quem por eles façam a vez se furtam salvo seja a enviar para a escola os seus rebentos são quase sempre chamados à pedra e levam que contar bem-feitas as contas são doze aninhos de aprendizagens para um dia dar o corpinho ao manifesto sem trabalho não se fica bem no retrato não se é bom pater-familias e não se sobrevive à maneira.

     Acontece que nestas escolas básicas e secundárias ninguém paga propinas as refeições são baratuchas e até os manuais pelo andar da carroça serão todos à borla quem faz questão de pagar propinas perdão matrículas inscreve os seus rebentos num externato ou num colégio privado que se enchem de betinhos que não gostam de misturas e onde se diz que a ensinança é mais esmerada e recatada o que geralmente produz melhores resultados e impõem os colégios e externatos no topo do ranking das escolas básicas e secundárias às vezes a coisa não é assim tão linear porque os colégios aceitam alunos por favor porque não há no horizonte local escolas oficiais e por conta disso as escolas privadas recebem fortes apoios do ministro da pasta certo-certo é que os governantes da santa terrinha gastam cada vez mais dobrões a contratar professores que cada vez menos gastam cada vez maiores boladas a contratar funcionários auxiliares que são cada vez menos para ensinar alunos que são cada vez menos porque a natalidade já não é o que era dantes.

     Nos politécnicos e nas universidades da santa terrinha a coisa pia mais fino aí cobra-se propinas altas aos jovens e às jovens que se atrevem a frequentar o ensino superior mesmo nos politécnicos e nas universidades oficiais se calhar por isso mesmo alguma malta que acabou o ensino secundário fica pelo caminho a verdade é que nem toda a gente pode ser dótor caso contrário não tínhamos gente que ocupasse postos de emprego vitaliciamente mais modestos em paga mas na santa terrinha também há politécnicos privados e universidades privadas para satisfação das necessidades dos universitários que não gostam de misturas e que apontam a cargos de topo que não empregos onde se tomam as decisões que guiam os agentes económicos e regra geral esses politécnicos privados e essas universidades privadas que ocupam os lugares de topo do ranking das instituições de ensino superior da santa terrinha e algumas até figuram em bons lugares do ranking das instituições universitárias estrangeiras e parece que a tendência é continuar a empregar mais profes que se fazem por geração espontânea ao que parece dando razão ao ditame que toda a gente sabe ensinar bem por acaso cada vez se gasta mais em profes que são cada vez mais cada vez se gasta mais em funcionários auxiliares para dar apoio a cada vez maior número de alunos que a baixa da natalidade não tem feito mossa no ensino superior até ver.

    Na santa terrinha as criancinhas de idade inferior a seis anos já chegam às escolas básicas do primeiro ciclo a dominar os rudimentos da leitura e da escritura da língua mátria e pátria antes andaram em creches infantários ou jardins-de-infância onde aprendem sobretudo a socializar e não só a ver televisão mas a verdade seja dita os governantes da santa terrinha não morrem de amores para o ensino pré-primário não constroem muitas creches infantários e jardins-de-infância isso é sobretudo negócio para os empresários privados do ramos e para as ipss que muito enformam os petizes e as petizas de qualquer forma os governantes da santa terrinha são uns mãos largas em apoios e subsídios ora sabe-se que os pais muitas vezes passam por grandes ralações para arranjar uma creche um infantário ou um jardim-de-infância para os filhos ou filhas eu acho que os governantes da santa terrinha não apostam muito no ensino pré-primário porque não é ainda a idade certa para o Estado intervir primeiro que tratem outros de burilar as mentes tenras caso contrário para apostar na preparação para a vida que é dignificada pelo trabalho aliás isso mesmo recomendam as correntes mais esclarecidas da pedagogia e da didática.

      Na santa terrinha a maioria dos anciãos e as anciãs são reformado(a)s ou pensionistas que já não tem de alinhar com a lancheira às costas com o estresse peculiar das jornadas de trabalho e com as viagens de ida e volta para as velhotas e os velhotes retirados do ativo e a alinhar no passivo é mais sopas e descanso pois já deram o que tinham a dar talvez por isso os governantes da santa terrinha não apostem muito na construção de lares de terceira idade ou de casas de repouso deixam isso mais a cargo de empresários privados do ramos e para as ipss tal e qual como agem em relação à infância primeira de qualquer forma os governantes da santa terrinha dão lautos apoios e subsídios às pessoas e instituições que criam e mantêm lares de terceira idade e casas de repouso mas mesmo assim é penoso às vezes arranjar sítio onde as velhotas e os velhotes possam exercer finalmente um descanso merecido pois bem se dignificaram a trabalhar sendo que merecem agora estar na sossega ou deambular pela santa terrinha e pelo mundo fora caso as reformas e pensões suportem tais ambições e não sejam consumidas a tapar buracos dos descendentes a comprar comidinha e a tratar dos achaques gerontológicos que são fatais como o destino.

tartaruga.jpg

«Podes discordar de mim, filho, mas quando tiveres 500 anos, verás que tenho razão.»

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub