Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

09
Jul18

Close-up 1 - Alzira

Jorge

Chora por mim ó minha infanta
Escorre sangue o céu e a terra
Ah pois por mais que seja santa
A guerra è a guerra

Fausto B. Dias

 

    Não anda com muito tempo, por acaso, dei atenção a certa notícia incluída no serviço informativo das 13 horas que vejo e ouço sistematicamente em diferido, à uma porque fujo às notícias desinteressantes, em segundo lugar, fujo à publicidade - quase sempre rasca -,porque detesto o conúbio entre notícias pungentemente patéticas com anúncios formalmente patetas.

   A voz da locutora, límpida e clara – por aí campeiam comunicadores que não investem muito numa dicção precisa – dá conta de mais uma impiedosa ação de guerra, no Iémen: junto a uma cidade portuária, 250 000 pessoas estariam cercadas por tropas da aliança saudita, um dos dois contendores da guerra dita civil que incendeia aquele país (conta com a colaboração insidiosa de potências estrangeiras e aliados extremistas).

   Mesmo em guerra,infelizmente,o Iémen recebe migrantes em trânsito, provindos doutras latitudes com conflitos; agora há mais iemenitas a juntar-se aqueles no trajeto seguinte.

   A voz da locutora, límpida e cristalina continua a debitar esclarecimentos: dum lado estão lutadores sunitas da coligação saudita, do outro, combatentes xiitas, gente temente ao mesmo deus, cada um à sua maneira.

  (Os conflitos bélicos eclodem após decisões de altas esferas, mas não tão altas que cheguem ao Céu...).

   Está dito, redito e comprovado que as proclamações de guerra se fazem por amor ao vil metal, logo, por mor da propriedade da liderança (quantas vezes os nacionalismos são malsãmente chamados à pedra!).

   A voz límpida e cristalina continua a dar conta de pormenores: a arremetida militar poderia estar a pôr em questão a assistência humanitária não apenas a 250 000 iemenitas civis, mas a um total de 8 milhões diretamente dependentes dos bens aportados  aquela cidade, ora sitiada.

 

   As guerras hodiernas têm uma componente bélica propriamente dita e outra humanitária; esta última cinge-se a rígidos códigos de conduta. A Cruz Vermelha, o Crescente Vermelho e outras organizações que ostentem um cristal vermelho oferecem os seus préstimos, de forma a minorar a crueldade

  (Do mesmo modo, organizações sociais, em tempos de paz, são apontadas à assistência aos derrotados da vida que bem existem, para contrastar com os heróis.)

    A guerra do Iémen, iniciada em 2015, segue de perto os regulamentos das convenções e protocolos de genebra, daí que, por um dos lados no mínimo, esteja submetida a avaliação, monitorização e até prestação de contas, sobre atropelos e sevícias infligidas.

   (A guerra, justa ou injusta, é uma púrpura debaixo da qual se ocultam homicídios.)

   A Organização das Nações Unidas – um arremedo de governo mundial - faz o que pode e pode pouco; sempre que se proporciona a ocasião, apresenta uma moção de censura do conflito,na sua sede,mas há sempre um vencedor da 2ª GM disposto a vetar o texto, porque lhe serve o contexto.

    Na disputa iemenita, a ONU tem no terreno uma Missão de Observação - é o melhor que se pode arranjar - que dá conta dos desatinos cometidos, das epidemias em desenvolvimento, das falhas de socorro, sempre na esperança que o conflito se extinga amanhã. 

   A ONU também não se importa de gerir zonas neutras, potenciais ou efetivas. Mas, às vezes também se oferece para gerir as chamadas zonas neutras. A soberania dos países exige respeito e contenção nas palavras, atos e obras.

   (Quem tudo abarca, pouco ata.)

    Conflito terminado, será tempo de discursos em Nova Iorque e noutras capitais do mundo, por parte do vencedor, se a democracia intramuros seja instaurada, bem entendido...

   Por aí se diz que quem compra terras, compra guerras.

 

   Eu vi-te, Alzira, naquela reportagem, enquanto a voz, límpida, cristalina continua a denunciar, galhardamente. Ao colo de tua mãe, decidida a pôr-se dali-para-fora, tu choravas copiosamente,angustiada talvez porque pressentisses que te aguardava o desconhecido, a contragosto. Lia-se no semblante da tua procriadora determinação em dar o fora, duma vez por todas, mesmo que isso implicasse deixar para trás entes queridos, objetos estimados e uma terra prezada. A tua mãe,face ao alvoroço,estendia-te um manto protetor.

   (Dói muito, mas o que tem de ser tem muita força!).

   Só consigo imaginar a aflição superveniente à fuga empreendida, para fora do alcance de tiros, de bombas e do barulho ensurdecedor dos carros de combate e aviões - provavelmente apenas com a roupinha sobre o corpo -, rumo a desejado porto seguro, onde seja possível acreditar que amanhã terá de ser outro dia. A esperança, sempre a esperança que a sobrevivência se faça com dignidade. Por aqui se dizia muito que ninguém foge ao seu destino, mas isso era a canção do velho bandido...

    (As guerras modernas são sempre comandadas à distância, onde corre o leite e o mel; é sempre a arraia-miúda que vai mais para o maneta e para pouco conta no momento de afirmar heroísmos.)

    De pouco vale dizer-te que lamento a tua sorte, mas digo-o e quando o digo fico tomado de impotência. Esta sensação que a maioria nasce para ser joguete nas mãos de poucos não me larga!

    Em nome das vítimas efetivas (tão pouco se lhes dá importância, a não ser às grandes patentes!) e colaterais, maldirei sempre, a plenos pulmões, a guerra, quem a faz e apoia, seja ela civil, aberta, fria, intestina ou santa, de pouco me importam!  

    (A medicina ensina a curar os doentes, a arte da guerra a matar os sãos.)

    Oxalá encontres arrimo e coragem suficientes, até ao dia em que te possas valer a ti própria. E não me saiu mais nada, lamento!

 

    Calada a voz clara e nítida, cai um anúncio não-institucional na pantalha, enquanto ainda matutava na tua desventura, miúda. Estive vai-não-vai para atirar ao plasma o livro volumoso que estava ao alcance da minha mão, mas recuei o braço a tempo, que os afetos não se exibem, sentem-se.

    (O Sr. Júlio Dinis escreveu que há aparências de dureza que ocultam tesouros de sensibilidade e afeto,mas também há afetos que se prestam a subjugar.)

    Sabes, Alzira, que, viver num país livre de operações militares geoestratégicas, económica e financeiramente desenrascado e avonde de boas consciências, facilita a sobrevivência... Desculpa lá qualquer coisinha!

 

Alzira.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub