Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

17
Abr15

Contos de fados (X)

Jorge

Zé Antôino fumava cigarros de tabaco com filtro, a um ritmo impressionante, chegava a despachar diariamente 2 maços, um pacote de 5 em 5 dias. Cigarrava por gosto, gostava de saborear o fumo nas profundas da alma. O corpo pedia, a cabeça pedia e ele cedia à tentação. Apreciava a vertigem do primeiro paivante do dia, dava-lhe a volta, prazer até, o rais-parta do fumo, não fora isso e talvez cedesse aos nervos, à má catadura, ao mau temperamento. Se podia excomungar o estresse assim, com aqueles movimentados compassados do braço, a levar à labiadura o cigarro em fase minguante, mas sem boquilhas, bem dispensava as passeatas, as pírulas, as compaixões…

Zé Antôino achava anelante a cena do cigarrito a consumir-se à frente dos olhos, também fumava por mor disso. Depois, gostava de atirar beatas ao chão, evitando os cinzeiros estrategicamente dispostos em todas as esquinas, aquilo dava fulgor à sua faceta anticlerical, o seu desafio à ordem estabelecida.

Zé Antôino não conseguia encaixar o anátema diatribe do sistema que repelia os fumadores ao estilo dos leprosos de épocas medievais, coitados parecem doidinhos, sempre prontos a engolir e a deitar fora baforadas... Ao invés, as empresas que se prestam a pôr cá fora os maços e os pacotes essas são toleradas. Dão largo contributo ao peditório dos impostos, é isso! Os carros também matam e besuntam o ar, mas nem por isso são proibidos, antes pelo contrário, os cidadãos automobilizados têm a cidade a seus pés, um país, 2 sistemas, ora abóboras!...

Zé Antôino teme pelo dia em que os fumadores sejam atirados às masmorras ou às catacumbas, oxalá fosse no dia do Juízo Final, assim poupava-se esforços. Para já aturam palavras-de-ordem macabras nos maços, é para bem deles… Enquanto não forem tratados como terroristas!... As doenças matam, os transportes matam, as armas matam, mas ninguém as erradica, estão voltados para ali os cruzados! E isto acontece nos países do 1º e 2º mundos, que nos outros mundos, o 3º e o 4º nomeadamente, o tabagismo não faz mal algum, não risca…

Zé Antôino fumava do que viesse à rede, deixou-se de esquisitices, há muito, tudo o que fosse cigarro capaz de ser queimado à frente dos olhos servia. Era assim a modos do género de quem, perguntado sobre a marca de vinho preferido, sempre respondia que gostava muito. Mas tinha catarro, pieira e roncava como deus manda.

Zé Antôino mantém-se fiel ao cigarrinho, nada de cigarros de palha, de charutos, de cigarrilhas, de cachimbos ou narguilés. Punha-se a deitar fumo pelos olhos, quando lhe falavam em cigarros de enrolar, ficava lívido, tinha nascido com uma fobia a mortalhas. Tivesse ele nascido mais para trás e talvez mascasse tabaco, como os cobóis insolentes, ou talvez optasse pelo rapé.

Zé Antôino sabe que tem os pulmões inquinados, a circulação destrambelhada, já foi avisado por médicos e médicas que se tem amor à vida que se deixe de cenas e figuras tristes, que ponha a cigarreira e os isqueiros de parte. Que sim, um dia…

Ultimamente não tem sido visto a deitar fumo pela boca, a não ser nos dias frios. Desempregado, com poucos copeques nos bolsos, deixou-se arrastar para debaixo de uma ponte.

Diz-se que morreu de privação.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D