Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

23
Jul15

Descoco

Jorge

(Durante 2 lustros o suserano tinha sofrido de aguerreação crónica. Num belo dia, após múltiplas tentativas, cura-se. Não perde tempo, fez saber de imediato nunca mais declararia uma guerra – eu seja cego surdo e mudo (lagarto, lagarto! -, fossem elas convencionais, fratricidas, de palavras, de nervos, frias, limitadas, abertas, financeiras, económicas ou de alecrim e manjerona.)

 

Aclara a voz, aproxima-se do micro, dá-lhe os 2 piparotes da praxe e bota discurso ao conclave, na sala das cortes solenes:

- Guerras há as que um homem quer. Eu tive a minha conta e nunca tive rebuço em dar o primeiro passo. Em todas dei o melhor e de todas sai ileso, graças aos deuses. Agora já não quero ampliar o meu palmarés, não sai mais qualquer guerra para a mesa do canto! Por isso e por muitas coisas mais, devolvo a tiara, a coroa, o cetro, as rédeas e o cavalo do poder. Entrego-as à sua autoridade, ilustre decano! Já não tenho estômago para atribuir medalhas às vítimas e glórias a possidentes. A partir de hoje, vou dedicar-me à pesca, na desportiva.

(El-rei nunca fora gago, embora parecesse. Perante ele, muitas bocas se abrem de espanto, pelo tom, descomunalmente desabrido. Terminada a intervenção, materializa, à sorrelfa, um pirete encarpado, seguido de manguito à retaguarda, ao som de uma imprecação estilosa, com uma mão a tapar movimento dos lábios. Safa-te, Jorge, do que me livrei!).

Os aspones e ministraços ali presentes – para cima de 2 centenas, bem contadas - nunca o tinham visto naqueles preparos. Tolhidos pela surpresa, ficam literalmente grudados às poltronas, babadinhos de todo, como se lhes tivessem interrompido - à má-fé - a degustação de saborosa baba-de-camelo. Vejam só esta, o rei quer pisgar-se à papo-seco e logo hoje, para daqui a pouco está marcado o começo de nova guerra, qui há mescambilha, pardês!...

Nisto, o suserano, lesto alcança o seu gabinete de trabalho (nos fundilhos dos aposentos pessoais, de homem solteirão, mas não virgem) e assina o decreto da própria demissão. Já os cortesãos tinham iniciado uma correria louca a todos os meios de comunicação mais à mão – sinais de fumo e estafetas inclusive –, para fazer chegar o seu pasmo aos gentis-homens de quem são avençados.

- O rei diz que já não está pelos ajustes, não quer mais guerras, sejam conflitos subacromiais, de interesses, intergeracionais, de classe, ou coisa no género. Mais, ele está de partida, a dar banho à minhoca, para o resto dos seus dias. Parece uma decisão irreversível, ditada, com toda a probabilidade por um quadro de neurastenia depressiva, radicado num procedimento de abulia sistémica.

(Numa primeira fase, os bichaços riem-se a todos a bom rir, por conta da irreversibilidade da coisa, um chão que tem proporcionado uvas úberes e cenas tristes. Numa segunda fase, desatam aos berros e a dizer cobras e lagartos do inhaça. Numa terceira fase juram-lhe pela pele: ele atreveu-se a decidir às escondidas, sem dar cavaco a ninguém, quem se julga ele?!)

Os argirocratas amesendados dão-se ares de virgem ofendida, mas mantêm o sangue-frio reservado a grandes ocasiões. Reúnem-se sem delongas na sede do clube mais privativo, rodeados de todos os confortos possíveis e imaginários, pois só assim sabem decidir:

- O monarca é livre de ir pastar para longe, já temos substituto para fazer a mesma figura de corpo presente. Antes, porém, nem que a vaca tussa, esse traidor da classe que põe os outros a operar vai pôr o preto no branco na declaração formal da próxima guerra prevista para ontem, damos a cara por isso! Não se brinca com o futuro coletivo, só porque o comandante-em-chefe das tropas lhe dá na veneta que quer a reforma antecipada e se deixa apaixonar por grelhados. Já temos generais, patrasanas, lateiros e magalas em número suficiente, à espera do preto-no-branco!

A mensagem chega rapidamente aos multimédia, os quais enformam que se dera uma remodelação calma e pacífica.

(Este marreco já arrastava as sapatorras, nem préstimo tinha em agarrar o cetro, não dava uma para a caixa em económicas e financeiras, só nas bagaceiras. Borrou-se todo, é o que é! Ele que ponha as barbas de molho, atira-te ao mar e diz que te empurrarem!...)

No dia seguinte, logo pela manhã, o suserano cofia primeiro as barbas e depois confia a tarefa de as cortar ao seu leal barbeiro de serviço. Deixou de propósito restou-lhe um passa-piolho, a ver se passaria desapercebido. Está já com um pé no estribo do monolugar à prova de bala, quando é intercetado por uma multidão de basbaques e turistas curiosos dos orientes, a tolher-lhe o passe e a disparar as câmaras.

Perante este rematado exemplo de fuga de informação e manifesta inconfidencialidade, o suserano ainda em funções faz meia-volta, dá corda aos sapatos e torna ao ponto de partida, furibundo, a escoicinhar e a soltar todo o vernáculo que lhe ia na alma. Um adjunto mais calmo põe-no a par da situação:

- Os notáveis acham que sim, que pode declinar as suas funções, e até leva a reforma por inteiro. Apenas exigem em troca que use pela derradeira vez o seu sinete e declare a guerra prevista para começar hoje, ao fim da tarde, não custa nada! Vá lá, é só mais uma!

(Já chegámos à Madeira, os gajos não me largam a mão, querem à viva força a minha assinatura. Eles querem guerra, pois vão tê-la! Eu tenho uma pequena surpresa para estes arrebata-punhadas de meia-tigela!)

O suserano aclara a voz, compõe o traje civil, démodé, por sinal, afina com aquela malta toda que se pôs a casquinar, mas fala em tom preclaro, na sala das sessões das cortes:

- Parem lá com as falinhas mansas e com paninhos quentes em que vosselências se especializaram, que a mim não me levam à certa, é tempo perdido! Se os terra-tenentes querem guerra, tê-la-ão. Tenho aqui na mão o diploma que lhes retira a posse de tarecos e tralhas, vai tudo raso, nacionalizado! Calha bem que a minha demissão ainda não saiu no códice oficial, em dois tempos ponho esses pimpões de pé-chato - que ficam em casa a roer as unhas, a pensar em pingues lucros, quando os canhões troam – a pão-e-água ou eu não me chame Tibério, palavra de rei não volta atrás!

(Aqui d’el rei que está bravo o bicho! A mocada que recebeu foi forte e a gente que o julgava apanhado de todo, mas assim talvez arranje lenha para se queimar!)

Um por um os coadjuvantes dos grotas enviam mensagens, por todos os meios e feitios, até por boca-a-boca e telegrama.

- Sua senhoria não transige, amarrou o burro, nada feito, está mais voltado para uma guerra de palavras... Para cúmulo, em caso de insistência, ameaça que vos retira as possessões e deixa-vos de mãos a abanar. O quadro anterior está a evoluir para sandice pura e dura.

 (Olha-me o gabiru, quer ver-nos nas lonas, o sacripanta! Que tire o cavalinho da chuva, ainda está por nascer quem nos derribe do poder, armado em revolucionário de meia-tigela, para o que lhe havia de dar, o tantã!)

Os fisiocratas indignados, homens de torcer antes de quebrar, apanhados de calças na mão, no clube privado, agarrados a bons nacos, pois só assim funcionam em plenitude as suas capacidades, mantêm-se inconcussos:

- Essa é forte, pensa que nos consegue arrebatar tudo e só nos deixar com a roupinha que trazemos vestida, mete-se o povoléu, os casuals e o tribunal plenário ao barulho e em 2 tempos, acaba-se a golpada. E logo eles, tão respeitadores do sagrado direito à propriedade! Mas, pelo-sim-pelo-não tentem saber se a gente deu a esse pascácio poderes assinar uma bodega dessas.

A mensagem chega rapidamente aos multimédia, os quais enformam que se dera uma tentativa de golpe de estado, suportada pelo anterior ocupante do palacete real.

Ciosos, os cortesãos partem à inquirição de sacerdotes do templo, leais conselheiros e jurisconsultos de verbo e ventre mais proeminentes.

(A coisa está feia, os cânones e codicilos por nós estudados e compulsados consideram crime de lesa-pátria a evicção da propriedade, SM só pode estar a reinar…)

- 1-2-3-4-5-6-7 com o direito à propriedade dos titulares ninguém se mete, caso contrário é o fim da picada, o caos mesmo!

(Bons conselhos da parte de quem está a precato de males e arrelias do quotidiano podem não ter substância, como corpo sem alma, mas importa que caiam para o lado certo.)

Os dignitários são informados dos pareceres.

- Deixemos o homem partir nas calmas, adiamos a guerra, até porque o substituto só pode ser abençoado pelo patriarca que está no leito a contas com doença ruim. Adiamos a guerra por tempo indeterminado, continuamos a faturar o mesmo, paciência, outros tempos melhores virão. Bebamos a isso, ipe, ipe hurra!

(Seguem-se brindes atrás de brindes, libações atrás de libações, atividades entre lençóis, fogo de artifício e até houve sessões de vermelhinha e de lerpa!)

Da primeira vez que lançou o anzol à água, o suserano filou um peixe opíparo, de se lhe tirar o chapéu, pesava para cima de vinte arrobas. Acondicionado o bicho em arcas frigoríficas, tem sido visto a dormir, regalado, à sombra da bananeira (ou será de um bambu?)

pov-baloocartoons-blogspot-com.jpg

(Tentem ver as coisas na minha perspetiva.)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub