Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

23
Set14

Destino

Jorge

Xumbergas era duro de coração e drudo pela ambição de trazer a paz e a prosperidade a todos, a qualquer preço. Nem dormia a pensar nisso.

Xumbergas batalhou no tope dos Himalaias, dos Andes, dos Alpes e teria ido ao imo da fossa das Marianas, se necessário fosse. Declarou muitas guerras - abertas, civis, relâmpago, avisadas, frias, mornas - das quais sempre se saiu airosamente. Deu mais que levou (safava-se bem na arte), tendo colecionado numerosos espólios e muita mortandade, que pouco lhe aguilhoavam a alma. Guerra necessária, passa por justa, aos olhos de quem a faz…

Xumbergas, alma de mecenas, fundiu ao cachação, num só país, 20 baronatos, 10 ducados, 5 principados e 2 monarquias e passou a inclui-lo no seu património. Depois, partiu a cumprir um sonho que tinha de menino: a aquisição de ultramares prenhes de recursos básicos de produção. Teve sucesso e sentiu que a ventura estava-lhe agarrada à pele.

Xumbergas tomou-lhe o gosto. Para não perder balanço, propôs-se a dar cumprimento a outro sonho, de adolescente: a conquista do globo. Não olhou a meios, só aos fins; nos seus avanços, envolveu populações inteiras nos seus propósitos. O sucesso voltou a bater-lhe à porta.

Um dia festejava uma importante vitória na praça central da terra, quando a ele se chega um mendigo maltrapilho:

- Quem era o mais forte de vocês os 2, tu ou o teu adversário de batalha? – dispara, poe entre os dentes escassos, o pelingrino.

- Eu, claro! – replica o apoderado.

- Então, por que festejas?!

Xumbergas embatocou, deu-lhe até para a prisão de ventre. Livrou-se do despropósito, por conta de uma guerra intestina. Já aliviado, pôs-se a pensar na morte da bezerra e de caminho reviu os seus feitios e feitos. Lavou as mãos - donde se soltou uma catrefada de sangueira -, decidido a não recorrer a mais carnagens, no cumprimento da sua espinhosa missão terrena que lhe fora outorgada pelas altas instâncias siderais, ao que era voz corrente.

 Xumbergas chegou a idear-se aos comandos de fights, de meets, de arrastões, até de raves. Afugentou o despropósito pífio, brandindo as manápulas (tão desajeitadamente que ficou de olhos à-Belenenses). Então distinguiu claramente que tinha vindo a trilhar maus caminhos, como o tinha feito, muito antes dele, a samaritana de Sicar.

Xumbergas afinou o seu sonho de adulto: a dominação efetiva da Terra. Fez abordagem às bolsas-fortes de Londres, Paris e Francfurte. Colheu altos réditos, sem sujar as mãos: impôs respeito e limpou o sarampo a muito lagalhé e a outros mais bem dotados. Já não quer outra coisa, senão abalançar-se ao domínio efetivo da Uólsetrite, o bastião apalaçado do mando terráqueo.

Xumbergas, a crer nos oráculos, terá concorrência feroz do Tea Party, maila nomenklatura sínica. Já só sonha em impor tributo a bancos, bolsas, congregações, conglomerados,tríades, maçonarias e dinastias.

Xumbergas continua a dormir que nem um justo.

 

 

Bem que vos entendo, mas os bárbaros fora-da-lei são essenciais à economia romana…

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub