Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

14
Fev18

Diálogos de outono 16

Jorge

(A propósito de continência sexual)

 

Na noite de núpcias:

- Amor, vamos à deita.

- Não te apresses, doçura.

- Como não?! Já não sobra nenhum convidado, amor...

- Há sempre Alguém que nos vê, doçura.

- Como assim, já te disse que só estamos os dois, amor...

- Deus vê-nos, doçura.

- Que eu saiba Ele não é voyeur, amor...

- Não fales assim que é pecado, doçura!

- A mim sempre me pareceu que Deus fica feliz, quando nos vê a colher prazer das coisas pequenas e grandes da vida, amor...

- Já pareces a serpente do Éden... Não te enerves e não te precipites, doçura!

- Bem sabes que esta não é a minha primeira vez, já fui casado de igreja, amor...

- Mas, vamos fazer tudo segundo os cânones, está bem, doçura?!

- A continência que me impuseste antes da boda foi muito penosa para mim, amor...

- Pois sim, portaste-te à altura, doçura!

- Olha que não te levei a bem não teres cedido à tentação, ficas a saber, amor...

- Agora me lembro, ainda não pediste escusa canónica, doçura!

- Assim é, mas já tivemos tantas despesas com o casamento e essa pode esperar, amor...

- Olha que não, sem a dispensa do teu primeiro casamento, não há nada para ninguém!

- Olha-me esta, agora, que raio de bicho te mordeu?!

- Nenhum, eu serei sempre fiel aos princípios que orientaram a minha vida, adquiridos no berço, não quero viver de futuro a acumular remorsos!

- Ora bolas, mas tu até aceitaste casar apenas pelo civil!

- Esse pecado já confessei e obtive indulto por antecipação, mas logo o cura me avisou que, em favor da minha salvação, não me convém abrir outras frentes de pecado!

- Ora bolas, Deus sabe que casámos para o que-desse-e-viesse!

- Estás porventura decidido a ir malhar ao caldeirão de Pêro Botelho, tás?! Eu não quero corre tal risco!

- Pois sim, mas olha que é muito triste chegar às portas de Roma e por aí se quedar, sem ver o ver o papa!

- É um risco que corremos, caso não tenhamos na nossa posse o documento que te libera do teu anterior casamento!

- Nem quero pôr-me essa hipótese! Tu sempre foste muito dada a greves sobretudo as selvagens, julgava que tinhas mudado!

- Portanto, ou pagas a desobriga, ou ficas a chuchar no dedo! Das minhas palavras, qual a parte que ainda não entendeste?!

- Suplico-te, abre uma exceção, uma que seja, que a tua lista de pecados é curta, a minha é mais grandita, vá lá mor!

-Que assim seja, mas será uma vez sem exemplo, que deus me perdoe! Mas, não vai haver nada mais para ninguém, sem que antes venha a desobriga, doçura.

- Fica combinado, a gente recasa na ermida mais próxima, logo a seguir, mor!

- Ora, assim é que é falar! Suporto melhor a continência da luxúria que a dos sacramentos, mas desta vez passas, doçura!

- Verás que vai valer a pena, mor!

- Um bom malandro me saíste tu! O que te vale é que te quero muito, mas deus é minha testemunha que não perdes pela demora disso mesmo, doçura!

(E foram fazer pela vida, mas só daquela vez. No dia seguinte, foram à igreja de casamento tratar de papeladas. A desobriga de casamento chegaria por via postal. Depois de largos anos de espera - e de reformulação dos serviços postais -, continuam de esperanças, mas já se desconfia que terá havido sonegação de correspondência...)

Diálogos de outono 16.gif

«Comunicação sem fios não é novidade para mim. Há 75 anos que não me canso de rezar»

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub