Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

05
Jun18

Diletantismo dois

Jorge

«Vive como se fosses uma alface do Lidl» - assim, sem tirar, nem pôr.

O alvitre votivo está assente num folheto aparentemente anódino - dos muitos que caem, todos os dias, em todas as caixas de correio deste país -, a marcar o arranque de mais uma campanha de descontos.

(A poupança no papel ainda não incomoda grandemente as grandes redes de distribuição alimentar do país. Parte de mim acha bem, que a distribuição de tanta papelagem garante a ganha-pão a alguns respeitáveis cidadãos.)

Nas tevês generalistas (sempre predispostas a cavalgar a onda) também passa publicidade afim. Mas, para mim, propaganda só no papel...

À primeira achei que o pregão não tinha ponta por onde se pegasse e não liguei meia.

Mais, até fiquei de pé atrás: querem lá ver que houve engano na mensagem, uma publicidade capaz não se atreveria a fazer votos de vida curta!

(Decididamente não me pareceu uma ideia forte, daquelas que muita gente adota, estilo «tou xim, é para mim!»).

Pus nariz de palmo e meio, eu que me tenho na conta de cliente fiel da sobredita rede que, dispôs, a 2 passos de casa, uma loja catita (não tenho popó às ordens, pelo que tenho de alombar com os sacos de compras).

Pensei de mim para mim: aqui há gralha, ou então o autor da gracinha estaria descompensado, grosso, ou pirado, quando a pariu... Também há a hipótese remota de se ter deixado tentar por outras alfaces, as do dianho, por exemplo!

(Um senhor famoso, Henry Ford de sua graça, terá dito isto: «Sei que metade da publicidade que faço é inútil, mas desconheço qual seja a metade inútil». Ou seja, às vezes, ideias peregrinas funcionam, certo?)

Só um pouco mais tarde, achei alguma piada ao dichote, havia ali um misto de nonsense e de mensagem subliminar capciosa...

(Atração fatal?)

Faço questão de proclamar que me incluo no número de pessoas que acham que um crescimento humano sustentado passa pelo consumo de alfaces, verduras e hortaliças, em geral.

Faço questão de deixar claro que me incluo no número de indivíduos que sabem ser a alface fonte de vitamina C e outros microminerais, que ajuda a prevenir cancro de pulmão e da boca, que retarda a queda de cabelo, que uma infusão de alface ajuda a dormir melhor e por-aí-fora. Há muito que uso e abuso da hortaliça verde em apreço.

Mas, também me incluo nas pessoas que sabem que uma alface é criada, na varanda, em hortas, ou em estufas e que ele se faz num abrir e fechar de olhos; que será comercializada rapidamente, depois de colhida, numa frutaria, num lugar, numa barraca, num super, ou num híper próximo; que aí fica submetida às apreciações dos curiosos, um dos quais acabará por lhe lançar a mão e por ela pagar por ela modesta franquia; que, já em casa do novo legítimo proprietário, na devida altura, será lavada e deglutida, em 2 tempos, desaparecendo do mapa, em 2 compassos.

Curiosamente, até à data, nunca experimentara alfaces do Lidl. Verduras e frutas só as compro nos mercados, mas, por que não experimentar?

 

Assesto os óculos do perto no papelucho e continuo a ler: «Para elas (sim, no plural) não há amanhã».

Aqui chegado, ainda permaneço de pé atrás: uma alface dura pouco e quanto a viver intensamente, estamos conversados, está para ali posta em sossego, com o pé de molho, sossegadinha da Silva...

Mas, a música já é outra, já se fala no plural, em alfaces, quanto mais comer, mais fortunas acumularei, certo?

Pelo-sim-pelo-não, no dia seguinte dirijo os meus passos à loja do costume e, num impulso, encho 2 sacos com alfaces, junto quantidade à qualidade, vamos lá tirar a coisa a limpo!

Em casa, cumulo as alfaces de todas as atenções, depois debulho 2-3 delas, acrescento-lhe tomate, pepino e pimento verde e aí está uma ótima salada, a acompanhar o bife da casa, ao almoço e um picadinho à janta.

À hora da sesta, dou-me a escutar uma voz interior que me desafia a ir surfar as ondas gigantescas de Peniche. Olha lá, nunca, até agora, uma voz interior foi capaz de me desafiar assim, a deixar o meu círculo de conforto e viver uma experiência louca, isto promete!

Na madrugada seguinte, acordo cheio de pica e ponho-me a escutar a mesma voz interior que me desafia, desta feita, a integrar-me no próximo Nepal Trekking que se realiza ali para as bandas de Katmandu.

Nessa manhã, volto às compras e de lá saio com mais 4 sacos de alfaces, não vão elas esgotar-se. Preparo nova saldada, mais substancial, desta feita, a acompanhar umas favas com entrecosto, ao almoço e um peixe feito na chapa, ao jantar.

À sesta e durante o sono noturno habitual, a vozinha impõe-se, com novas sugestões

Nos dias seguintes, atirei-me a um fartote de terrines, tortas, focaccias, pestos, galettes e muffins de alface, do Lidl, naturalmente!

E aquela voz a desafiar-me para novas aventuras e eu a sugerir-lhe que aguentasse os cavalos.

(De momento, todas as minhas refeições incluem daquelas alfaces da marca e seus derivados. Estou na esteira de uma vida emérita, longa e esfusiante, quase não tenho dúvidas...).

 

Dou uma última espreitadela ao citado panfleto, com os óculos do perto: «Os nossos frescos são repostos todos os dias».

Antes assim, a malta apreciadora de alfaces proactivas agradece (dando de barato que alguns frescos sejam renitentes e gostem de se exibir mais que os outros, uma exceção a uma regra bonita)!

Já agora, para que conste, decidi abandonar o regime omnívoro, a comida de plástico (ao regime gourmet nunca me habilitei). Tenho agora para mim que o regime ovo-lacto (mas sobretudo) vegetariano é o melhor para mim e que seria bom para todos os cidadãos do mundo interessados em paz e amor.

Conselhos de amigo são aviso do Céu...

(Entretanto, tenciono buscar panaceia para esta soltura travessa que me acometeu e que faz questão de fazer-se notar, mesmo em horas desencontradas. Como se percebe, só depois de restabelecido, estarei habilitado a seguir à risca as instruções da tal vozinha. Estas alfaces têm, de facto, um potencial diabólico!).

 

 

Diletantismo 2.jpg

- Tens um pedacinho de alface metido nos dentes.

                                                                               - Obrigado!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub