Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

oitentaeoitosim

02
Dez14

Efabulação

Jorge

    Um grupo de 4 compinchas tinha um pote bojudo prenhe de mel de que se serviam em momentos azados. Filino tinha sido o último a aderir e foi o primeiro a ceder à tentação: em dia aprazível e não aprazado, alçou-se até ao esconderijo do e foi-se ao pote. Chegado a casa, disse que o púcaro era seu, que lho tinha sido ofertado pelos seus bonitos olhos. Na casa estavam reunidas várias pessoas que provaram, comeram mel à ganância e disseram que era muito bonzinho.

   Foi tal o sucesso da aventura que se imaginou a: aprender a lidar com as abelhas, mandar construir colmeias topo de gama e chamar a si os terrenos das flores onde pousavam os insetos amigos. Meu dito, meu feito, deu um passo de cada vez e às tantas estava estabelecido em empórios de aquém e além-mar.

   Bastantes anos transcorridos, Filino lembra-se dos compinchas do pote de mel bojudo e enceta démarches no sentido de os localizar, queria-os a colaborar numa das suas variadas empresas que produziam mel e derivados. Nos tempos que correm, de informação global e eficiente, fácil se torna obter novas e mandados, pelo que lhes ficou no encalce num abrir-e-fechar de olhos, prouvera aos deuses que se alembrasse antes…

   Quem sabia confirmou que os 3 antigos compinchas tinham partido desta para melhor, tal o desgosto de terem perdido um amigo do peito que se atrevera a aplicar-lhes o golpe do baú.

   Filino ficou para morrer de estarrecido. Ocorreu-lhe mandar celebrar exéquias em sua memória, quando alguém lhe lembra que a vida tem de continuar. Era a sua preciosa coacher particular de momento, a alertá-los para um compromisso inadiável, já a seguir.

   Num ápice recuperou a compostura e o sangue frio costumeiros, ao mesmo tempo que compunha o fato-de-grilo. Acertado o porte de membro de pleno direito das elites, persignou-se, entrou na viatura à-prova-de-tudo e aprestou-se em comparecer na cerimónia de assinatura de um contrato de exportação de milhões de potes bojudos de mel para a Micronésia, Polinésia, Melanésia e Amnésia.

 

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub