Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

11
Mai17

Em Batatívia 25

Jorge

    Um rapaz de 24 anos passeava um cão de companhia (potencialmente) perigoso sem carranca e sem açaimo como não manda a sapatilha e sem estar especificamente habilitado a lidar com um encorpado rotteweiler aliás não era a primeira vez que desafiava a sorte fora já visto dantes a passear esse animal senciente naqueles preparos num misto que se crê de desrespeito ostensivo das normas que regulam a sã convivência entre aquele tipo de animais irracionais com os racionais mas não tinha cadastro constituído (raramente se é repreendido por não ter o cão bem preso).

    Naquele dia o rapaz de 24 anos fora já advertido para a inconveniência de passear o bicharoco sem os preparos exigidos por Lei uma coisa é flanar despreocupadamente com um inofensivo salsicha fraldiqueiro outra bem é exibir um cãozarrão a trouxe-mouxe (o proibido é sempre desejado) tais considerações ouvidas en passant tiveram o condão de o indispor pelo que responsou e se desfez de uma torrente de inconveniências e imprecações na cara de admoestadores.

    (Ocorre-me aqui falar daquela cena de um cidadão automobilizado que ao ser alertado para a inconveniência de postar o seu popó sobre o passeio fronteiro ao café a que se dirigia perdeu as estribeiras regurgitou uma ladainha de imprecações e ainda ameaçou a implicante com 2 taponas caso fosse a sua legítima.)

    Como ninguém fosse capaz de demovê-lo dos seus intentos o rapaz de 24 anos prosseguiu na sua caminhada impávida acompanhado do canídeo nervino sem mais delongas só a posteriori se soube que um transeunte que se cruzara com o duo fora encontrado todo encharcadinho em suor e noutros fluidos num recanto duma praceta a persignar-se repetidas vezes por convencimento de ter escapado de boa por graça alcançada junto de S. Margarida de Cortona de quem era devoto mas o que mais contribuiu para que ficasse borrado foi antes a visão do rapaz de 24 anos a apichar o mastodonte às suas canelas varicosas o que a ter acontecido não haveria santinho que lhe valesse.

    Mais à frente um casal com uma filhota de 4 anos assistia ao velório dum quando o pai foi instado pela filhota a ir lá fora fazer não se sabe bem o quê mas presume-se que a Natureza puxa pela gente mesmo nas horas mais inconvenientes ora ambos saíram precisamente na altura que o moço por ali passava com o bicho fero sem aprestos e temeu-se o pior o desprevenido bicharoco atacou a desprevenida criança ferrou-lhe o dente tendo provocado ferimentos no couro cabeludo num ombro e numa mão depois também se lançou à solícita mãe esta também contemplada com umas quantas dentadas só o pai escapou ao abocanhamento mas não se livrou das diatribes e ameaças de porrada lançadas pelo dono do cachorro que se pôs na alheta mailo seu bicho de estimação não fosse o látego da ira divina recair sobre os costados deles.

    (Ocorre-me aqui falar daquele puto que se pôs em grande correria passeio abaixo e foi abordado inopinadamente por um cão resmoninhador de dentes afiados pronto a atacar saído duma locanda o petiz nunca mais suportou um cucho ou um ganido por perto no caso ver mas nada mais lhe sucedeu.)

    Depois de catrafilado o rapaz de 24 anos foi presente ao Ministério Público pelo que é bem provável que venha a ter de desembolsar farta maquia dando de barato a multa derivada da circunstância de não ser portador de saco para recolha dos dejetos do molosso que segundo testemunhas se fartou de distribuir presentes em espaços públicos e de ter feito vista grossa a 2 mijas do bicharoco num jardim privado nestas ocasiões de pouco vale argumentar que a esmagadora maioria dos cães da santa terrinha andem de tripa forra por espaços comunitário uma prática tolerada embora vedada por decretos reais.

    Na sequência deste infausto acontecimento associações de proteção de animais confessaram-se escandalizadas pela receção de telefonemas aos molhos de donos de bichos feros que pretendiam fazer doação deles a refúgios alternativos a canis a quintas ou a outros apartamentos caso contrário juravam que os abandonariam ao relento ou em última instância que os mandariam abater é preciso ter lata que se saiba as associações não obrigam ninguém a ser proprietário de animais mais as ditas agremiações não podem acorrer a todos os fogos ainda não chegámos à Suécia à Noruega ou à Finlândia em que os humanos aflitos têm a papinha toda feita!

    Uma senhora duma associação protetora contestou o rótulo «potencialmente perigoso» aposto a certos animais isso é obra de legislador disse quando muito todos os animais são potencialmente perigosos o que me fez lembrar aquela tirada dum psicólogo ou psiquiatra amigo dum senhor acusado de ser psicopata e de ter eliminado várias pessoas ora esse psicólogo ou psiquiatra disse que todos os indivíduos têm a sua pontinha de psicopatas aliás o Sr. Lobo Antunes e o Sr. Freud parecem estar de acordo por acaso ainda não notei nada disso na vizinhança não é habitual ouvir-se espelhos a serem partidos o pessoal daqui não costuma fazer mal a uma mosca situação que pode alterar-se com a atenção votada a número crescente de indivíduos defensores do recurso à força bruta.

    (Olhem por causa das comichões pus de parte o projeto de aquisição dum aquário com peixinhos vermelhos e outros dourados com receio que os ditos cujos possam apresentar instintos dissimulados de piranha livra ainda me distraía e lá ficava sem uma unha livra!)

    Eu não sabia que existia na santa terrinha uma associação de cães de raça rotteweiler vejam lá a minha ignorância pois o presidente dessa associação desfez no rapaz de 24 anos que passeava o cão das 2 uma ou ele não tinha perfil para o cargo ou tinha pouca experiência de treino pelo que sugeria a frequência dum curso numa escola especializada das muitas que há na santa terrinha (confesso o meu desconhecimento) que o habilitasse ao cargo mais acrescentou o senhor que em países mais decentes que a santa terrinha cão e dono são obrigados a cada 2 anos à prestação de provas (é por isso que a santa terrinha não passa de nível) mais aproveitou a oportunidade para zurzir nos agentes da autoridade que se furtam (salvo seja) a autuar donos de bichos fora de esquadria e logo ali alguém acrescentou que uma boa dose de civismo (não é medo dos outros Sr. Fernando Pessoa!) bastaria para que a santa terrinha passa-se ao patamar seguinte dos países decentes.     Já que estamos em maré de sugestões proponho de minha lavra que deveriam ser criados subsídios especiais para que as pessoas com cães possam adquirir os equipamentos e adereços necessários que lhes permitam dar banho ao cão no conforto do lar é que a prática de os levar a banhos públicos poderá afetar gravosamente a saúde dos bichos tal a quantidade de escórias largadas nos cursos de água e mares.    Consta que o cão protagonista da estória acima ficará em quarentena até ser avaliado pelo veterinário do município em que vive depois um juiz decidirá se vai desta para melhor mas já há muita gente contra que deveria ser o acompanhante a pagar pelo sucedido não que seja abatido a lei da pena de morte está bem abolida na santa terrinha e recomenda-se.    Por mim tenciono frequentar um curso de autodefesa contra ataques inopinados de animais domesticados que não vão à bola comigo pois sempre me senti desconfortável ao confrontar-me com caracóis lagartixas tartarugas gatos quanto mais com cães aliás como eu há muitas pessoas como esta falha de formação assim haja escolas para o efeito que candidatos não faltam e ajudava à economia da santa terrinha.

    Com a mesma franqueza que confesso não querer prescindir das estórias do Snoopy do Scooby Doo do Droopy do Ideafix da Lassie do Hector do Spike e sobretudo do Muttley declaro que me sinto molesto por não ter subscrito as intervenções e moções incontáveis a propor reparação por mágoas e danos sofridos pele petiza de 4 anos da próxima e perante ocorrência similar corrigirei a minha trajetória de insensibilidade fica a promessa e eu não sou de prometer muito.  

Em Batatívia XXXI.jpeg

Olha-me p'ra ele a abanar a cauda... Ele engraçou consigo!

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub