Sexta-feira, 23 de Outubro de 2015

Funcionário solícito para cliente frequente (de carro cheio):

-Aqui tem a sua fatura com o número de contribuinte.

Cliente frequente para funcionário solícito.

- Muito obrigado, José, ora deixa-me tirar a prova dos 9, é só um momento (gasta 2 minutos).

Funcionário que é solícito e sorridente para o cliente que é frequente:

- Olhe lá, já devia saber que a máquina faz tudo certinho…

Cliente que é frequente para funcionário que é solícito e sorridente:

- Nunca se sabe, José, as contas batem certo, mas podes ter metido a unha…

Funcionário muito solícito e ainda mais sorridente para cliente frequente e também sorridente:

- É tudo?

Cliente frequente e também sorridente para funcionário muito solícito e ainda mais contente:

- Agora, terás de me fazer o desconto disto (dispêndio de 1 minuto e picos).

O funcionário não se faz rogado e mantém a postura solícita e sorridente:

- Certo, ora deixe-me lá ver… Feito! Mais alguma coisa?

O cliente frequente não se faz rogado e mantém a postura sorridente:

- Vou levar aqui a mascote da casa que vocês oferecem a bom preço. Ora deixa-me lá ver onde pus os cupões de desconto (1 minuto)… A qui estão!

O funcionário afadigado mantém postura solícita e sorridente:

- Já trato disso, é só um minutinho (foram 3)!

Voz off:

- Ora, tanta demora, pelo amor à santa, tenho uma pessoa acamada em casa à minha espera e vocês aí a empatar feitos molengas!!!

Cliente frequente para a funcionária sorridente da caixa do lado:

- Ó Cecília, já me viste isto, eu a engonhar, só visto! Por acaso até levo pastéis, mas não sou pastel! Bem sabes que gosto de ser atendido com todos os matadores e por acaso até hoje não tenho tido motivos de queixa de nenhum de vocês! Portanto, não sei de que se queixa aquela senhora (foi a senhora que falou, não foi?).

A senhora visada enrubesce, logo confirma.

A funcionária solícita e já menos sorridente (arreganha a taxa):

- Aqui não temos caixas prioritárias, mas damos prioridade a idosos, grávidas e pessoas com deficiência; de momento não vejo ninguém nessas condições à minha frente. 

 Cliente frequente e menos sorridente para funcionária já menos solícita e sorridente:

- Sabes que mais, vocês deviam abrir um serviço de urgências como nos hospitais, mas com taxa moderadora, pá (ambos arreganham a taxa amareladamente)!

Segunda voz off vinda das profundezas de uma das 3 filas a perder de vista:

- Então, por-que-raio o patrão não emprega mais gente?!

(O funcionário solícito e a funcionária sorridente voltaram a alimentar a caixa registadora, macambúzios. O cliente frequente meteu o rabo entre pernas e foi à vida: por uma boa causa dava tudo, para conversa mole não contassem com ele...)

 

download.jpe

- Está tudo vazio!

- Bem, pus-me a petiscar, enquanto aguardava na fila!

 

 



publicado por Jorge às 19:02
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Outubro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
16
17

18
19
20
22
24

25
26
27
28
29
30
31


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO