Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

01
Mai18

Escravismos d’agora

Jorge

 

Da dor todos somos escravos.

Aforismo

 

I - A revista «Sábado», no seu nº 693 (10-16 de agosto de 2017, como o tempo passa!), pela pena da jornalista Catarina Guerreiro, apresenta 3 denúncias de escravaria, em Portugal, perante os quais muita gente sentiu muita pena:

. Na Vidigueira, foi denunciado que imigrantes do leste da Europa faziam trabalho escravo na apanha da azeitona: mais de 80 ficavam numa oficina, outros 30 num apartamento, com homens e mulheres misturados

. M.A. cuidou de um casal e do filho deficiente, tratou da horta e dos animais, fazia as refeições, arrumava, limpava e quase não saía de casa. O filho e o marido morreram e ficou a cuidar da dona de casa (uma senhora à moda antiga), falecida aos 99 anos de idade. Nos últimos 20 anos, trabalhando nestas condições e sem folgas, recebia cerca de 150 euros por mês.

. Numa embaixada, R. era insultado, tinha de trabalhar sem limite de horas e sem tempo de descanso. Não tinha autorização para sair, na maioria dos fins-de-semana inclusive (casos similares ocorrem em várias embaixadas e missões diplomáticas.

   A senhora merecia que os abusos e outros similares tivessem conhecido um fim.

 

II - No mesmo nº da revista «Sábado», no mesmo artigo, a mesma jornalista, Catarina Guerreiro, dá a conhecer, com a força de dados, muitas outras situações que apontam ao mundo, perante os quais muita gente sente muita pena:

. Na Índia – as castas tornam a injustiça uma coisa divina, segundo Arundhati Roy - o pó de mica, mineral que dá brilho a maquilhagem e tintas de carros é extraído por 20 mil crianças, na Índia, um país de castas (,) e com 18 (ou 14?) milhões de escravos.

. Na R. D. Congo, 873 mil escravos são, sobretudo na extração de tântalo, muito usado no fabrico de computadores, leitores de DVD e telemóveis que nós consumimos na maior (são ameaçados por militares armados de facas e pistolas).

. Na China, 3,3 milhões de escravos chegam a trabalhar 300 horas por mês, na produção de roupa, flores artificiais, calçado e produtos eletrónicos.

. No Uganda, 244 mil escravos labutam na composição do carvão usado em grelhados, noutros países. Alguns estão ligados ao cultivo de chá, café, tabaco e arroz.

. Costa do Marfim e Gana controlam a produção de chocolate – 70% é feito por escravos.

. No Bangladesh, 15 mil crianças escravas enrolam cigarros à mão.

. Na Mauritânia o problema põe-se com mais gravidade (4% de população vive em regime de escravidão).

    A senhora não merecia a desfeita de saber que muitos destes abusos e outros similares (a bem do negócio) se mantêm.

 

 III – Não anda com muito tempo, uma notícia deva conta que muitas pessoas em fuga da Líbia eram feitas escravas por traficantes e aí muita gente sentiu pena.

       Na ocasião, um jogador de futebol, o senhor Geoffrey Kondogbia, nascido na República Centro Africana e a jogar por um clube de Espanha, no fim de um jogo em que marcara 2 golos, exibe numa camisola interior este dizer: «eu não estou à venda». No Twitter, o centrocampista reforçaria a denúncia: «A rebelião está em movimento. Apoio as pessoas exploradas na Líbia».

        (Sabe-se que a mensagem expressa na camisola interior, completa, rezava assim: «Fora do futebol, não estou à venda».)

       Mal-amanhada, a denúncia foi feita; o senhor merecia ter tido muitos mais seguidores, por mim falo. De mãos atadas, mais facilmente nos invade a dor, ou o estoicismo...

slavery_ndex.jpg

A escravatura (ainda) é uma triste realidade nestes países.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub