Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

11
Jan17

Infausto passamento

Jorge

     Morreu o vizinho Serafim, jardineiro, há muito, estabelecido por conta própria. Soltou o último suspiro, no leito solitário. Estaria a dormir o sono dos justos, quando foi chamado a contas no Além.

     - Teve uma morte santa! – Assevera, o vizinho Ifigénio, que sempre conhecera Serafim são que nem pero, a transpirar saúde e que não arranja consolo para a viagem sem retorno do amigalhaço; vai custar muito a ultrapassar a mágoa.

     (Por vezes o sono é inimigo da morte, doutras não.)

      Foi a vizinha Felismina, viúva entradota que vivia 2 ruas abaixo, quem deu pela coisa. Todas as terças-feiras, ia a casa do senhor Serafim, um misógino e misantropo de longa data, a lavar umas roupas, a passajá-las e a compor a habitação acima de modesta.

      - O senhor Serafim não se ajeitava à lide da casa! – Acrescenta a vizinha Felismina que encontrou o Serafim inteiriçado, depois de ter metido a chave à porta e de não ter obtido a habitual interpelação - «esteja à vontade, vizinha!» - ao seu habitual chamamento. Apressa-se a esclarecer que Serafim nunca se dera a certas liberdades, nunca se deu a avanços, nem era homem para atirar piropos ou ditos soezes, nem a sugestões ronhosas, era um homem sério.

     (Quem a honra tem perdida, anda morto nesta vida, o que não é o caso.)

     O vizinho Tarcísio pôs-se a chorar que nem Madalena arrependida, aos pés da cruz, ao saber que Simão se tinha definhado: para aquele fim-de-tarde estava apalavrada uma cartada na casa do compadre Francisco. Como de costume. Serafim seria o seu parceiro, pois já lhe conhecia, há muito, ademanes e manhas da arte; assim que o conheceu, nunca qui outro compincha.

      - Reserva-me um lugar aí em cima, Serafim! – Pede encarecidamente o vizinho Tarcísio, enquanto se desfaz numa choradeira de cortar o coração, prevendo que nunca mais se atrevesse a jogar à sueca. Teve de reservar-se, pois, tinha sido acometido de um AVC; era o ganha-pão, há muito, da sua numerosa família.

      (Toda a vida não é senão a estrada da morte.)

     A vizinha Marta, uma amiga de longa data do falecido, essa não se cansava de repetir que ele tinha vocação e mãos maravilhosas para a jardinagem, pelo que sempre lhe confiou a manutenção do seu jardim que estava bonito, com era bom de ver.

     - Que a terra lhe seja leve, era uma santa alma! – Ajunta a vizinha Marta, tomada de singultos estrénuos. O Serafim fora sempre um cidadão impoluto, por exemplo, nunca se havia recusado a passar fatura com NIF, pela quantia exata, ato que a muitos outros causa engulhos, urticária, psoríase ou candidíase, mas não a um homem de bem homem de bem; a ele não, comprazia-se em ser justo.

     (Quem a honra tem perdida, anda morto nesta vida (não é o caso).

     Já o vizinho Adriano sempre entendeu que o Serafim era uma boa alma, amigo do seu amigo, inconcusso e indefenso no cumprimento dos seus deveres de cristão, raramente falhava um serviço litúrgico, chegasse cedo ou tarde, estava no templo a dizer «presente».

     - Que descanse em paz e deus o tenha! – Adiciona o vizinho Adriano, vertendo grossas lágrimas. O Serafim fora sempre um cidadão impoluto, nunca se havia recusado a colaborar com instituições sociais que se dedicam ao bem, sem olhar a quem, sem nunca fazer grande alarde; mas ele sabia, porque também alinhava na jogada.

     (A vida é um sonho de que a morte nos desperta.)

     Para o vizinho Militão, o Serafim era digno de todos os encómios, por exemplo, vejam que nunca falhou uma eleição, participava nas assembleias de freguesia e não falhava uma iniciativa cultural que houvesse nas redondezas, fosse cinema, fosse folclore, fosse bailação, fosse colóquio, etc...

     - Não se leva nada desta vida! - Filosofa o vizinho Militão, antes de ocultar umas lágrimas que, depois de penderem teimosas das pálpebras, tinham regado as lentes grossas dos seus óculos de míope. O Serafim fora um cidadão impoluto, sempre disposto a colaborar na manutenção e ampliação das áreas verdes das cercanias e a preservar a limpeza das paisagens.

     (Na morte e na boda verás quem te honra.)

     A vizinha Adozinda, cônjuge de um seu concorrente de negócios, afiançou, num fio de voz e depois numa voz sumida, que o de cujus era um adversário à altura do seu marido, ele também incapaz de recorrer a jogadas sujas para atrair a clientela alheia.

     - Olhe, sabe que mais?, somos todos pó e temos voltar a ele! – Sentencia a vizinha Adozinda, tomada de manifestações ptármicas. O Serafim fora sempre um cidadão exemplar, tinha um bocadinho de terra destinada à agricultura biológica; mais, fazia a separação e compostagem de lixos e mantinha a porta da sua casa a quem quisesse partilhar dos seus conhecimentos.

     (A morte despe-nos de bens, para nos vestir das obras feitas.)

O senhor Eufrázio destoou: recordou que o Serafim gostava da sua pinguita; quando mais se entregava nos braços de bebedice, gostava de compor quadras soltas de escárnio e maldizer, nada de especial. Tirante isso, era homem para dar a camisa, em qualquer circunstância.

     - Que descanse em paz, no domínio dos justos!» - Deseja o vizinho Eufrázio, levantando uma seu copo e propondo uma libação aos que o rodeiam, em memória dele. O Serafim fora sempre um cidadão exemplar, não se lhe conhece relingas com a vizinhança, nunca pagou multas e tinha os impostos em dia

     (A morte não poupa o fraco nem o forte.)

      O corpo frio do senhor Serafim esteve em velório e baixou a campa rasa, após missa de corpo presente. Compareceram às exéquias sobretudo queles amigos.

     O mundo soube da partida do Serafim, através do obituário, posto e pago no jornal local, por dois primos afastados, promitentes herdeiros.

     (Mortos ao chão, vivos ao pão.)

     

     Silêncio!

infausto.jpg

 (Põe-te bom depressa)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub