Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

oitentaeoitosim

09
Abr15

Ladinices 9

Jorge

- Zé, vai à janela e diz-me que vês.

- Pouca gente nas ruas, chefe…

- É um bom sinal dos tempos, Zé! O pessoal está ocupado, boa!

- Lá fora está um griso do camandro, chefe, com sua licença. E o frio toca consoante a roupa, mas mais a quem tem pouca…

- Cuida dessa linguagem, Zé, quem não te conhece como eu de ginjeira, dás ar de quem aderiu às forças de bloqueio.

- Longe de mim tal tentação, chefe, quero continuar a contribuir para que a sua mensagem chegue cristalina a todos os nossos concidadãos coevos. Toda a gente já sabe que a confraria e os padres são pobres, que é a dar ao serrote que o país endireita…

- Tal e qual, digo-te à puridade, Zé, uma vida de sacrifícios é o cume supremo da arte!

- Mas, quem pena espera pela merecida compensação, a lei da oferta e da procura obriga, chefe…

- Chegas a confundir-me, Zé, mais uma vez a dar uma no cravo e outra na ferradura! A verdade é só uma: este país tinha dado à casca; eu tomei disposições e deus dispôs a contento. Nenhum parto se faz sem dor.

- Olhe que não, olhe que não, chefe! Mas, claro que todas as ajudas são bem-vindas, em busca do fim perseguido…

- É que não duvides, Zé! Vou fazer-te uma confidência, não fosse eu um devoto aturado de Sta. Edwiges e Sto. Expedito e não sei se teria alento para tanto…

- Até o frio tem dado a sua colaboração, chefe, é que apetece afanar, para a gelividade evitar! E depois, quem vai às compras com este briol? que seja bem-vindo!

- E tu a dares-lhe, Zé! Já ouviste esta verdade vezes sem conta da minha boca: o país precisa de temperaturas altas para a época, só assim podermos transacionar sol, areia, mar à fartazana e empresas ao desbarato, o resto é cantigas!

- Aí está, quando os seus contraditores insinuam que o chefe sofre de anosmia e analgesia social, são de uma crueldade obscena…

- É preciso sermos compreensivos, com esses pobres de espírito. Essa cambada deveria beijar o terreno que piso. Vejamos, Zé, qual o órgão mais sensível do corpo humano? O bolso naturalmente!... Eu fui direto ao bolso da patuleia, sem falsos pruridos, cortei a bom cortar, assim se eliminam tumores sobretudo os malignos. Viver acima das capacidades intrínsecas fere a idiossincrasia do nosso povo que se compraz em ser pobretanas, ser rico é só para quem sabe ganhar vantagens, felizmente poucos, ou tínhamos o caldo entornado...

- Na mouche! Já para não falar na dinâmica conferida pelas políticas do chefe a novas atividades, como aquela modalidade social nova, um misto de turismo e footing, em que o pessoal é posto a cirandar sem destino nos centros comerciais, ou essoutra dita chapa-ganha-chapa-gasta…

- Zé, quem sabe, sabe, conhece bem, com é gostoso gostar de alguém (cantam ambos)! Como bem sabes sou um sentimentalão…

- Todos os dias brindo ao êxito das suas reformas que mudaram a face da terra, chefe. Há dias até abusei e apanhei cá um pifo que nem lhe digo, nem lhe conto!

- Não caçoes com coisas sérias, Zé! Agora, mexe-te a compor a cábula que costumas produzir sempre que vou a debates quinzenais e vê se lá pões tudo, não gosto de ser mofado pela malta do contra sempre que não estou a par de um pormenor, por mais ínfimo que seja. A propósito, desvenda-me essa intriga toda da lista vipe e o sketch dos cofres cheios.

- Vou esmerar-me, mas negue sempre, como o fez no caso do jeco à Caixa, do qual se saiu tão airosamente. E ria muito na cara dos infiéis, é remédio santo!

- Assim será, dou-te a minha palavra de honra pós-eleitoral, Zé.

- Ora aí está, os patrícios passavam a vida a coçar teimosamente as partes pudendas, na boa-vai-ela, armados em marqueses, como se o mundo estivesse a seus pés. O chefe teve que lhes cortar as vazas, claro, foi preciso rasgar compromissos dantes assumidos, para bem de todos. Aí o povo viu de que massa é feito o novo marquês de Pombal (ao outro que deus o tenha!).

- Palavras sábias, sabes apurar o meu ego, Zé, bendita a hora em que te escolhi para assessor! Está decidido, hoje tens direito a rancho melhorado: em vez das sandes baratuchas, vais ali ao tasco da esquina onde o prato do dia é cozido à portuguesa, de comer e desejar por mais. De caminho, chama o Serapião.

- Ele também vai alinhar no cozido, chefe?

- Não está autorizado, quero ter com ele uma sabatina sobre o jantar a que vou logo em homenagem à embaixadora da Cochinchina.

- O chefe tem tido uns dias muitos cansativos ainda ontem homenageou o ministro plenipotenciário do Cosovo…

- Zé, a vida é 2 dias!... Desconfio que lagosta au champagne, caviar de esturjão pálido, carpaccio de bacalhau, lombinhos de cherne au azeite de oliva, trufas pretas, cordeiro assado com cogumelos e supremos de galinha, por exemplo, não vá sobrar para além dos anos de poleiro.

- Pessoalmente, chefe, não nada substitui uma boa chanfana, umas boas tripas à moda do Porto, um bom arroz de cabidela, umas gambas à Guilho, uma feijoada que não se recomenda à sua função.

- Umas calças rotas e sujas não têm cabimento num carro de luxo… Vai lá enfartar-te, logo voltas amanhã ao teu posto aqui a meu lado, uma vez cumprida a digestão, passar bem!

(O chefe sai solto, com bonomia e logo se põe a trautear a berceuse a que a ama o habituara, ia com uns anitos. A caminho da sua secretária de estimação, vem-lhe à memória o comunicado da rapaziada dum governo regional, aquando do falecimento do bardo maior dos últimos tempos e retorce-se todo, numa tentativa de suster o xixi no seu devido lugar, tal a necessidade de arreganhar a pregagem. Com todo o gosto, atira-se a umas papas de sarrabulho, ali deixadas como-quem-não-quer-a-coisa pela atenta assistente Lausinira que tão bem lhe conhecia o hábito de descarregar frustrações com pratos (à conta disso estava a ficar calvo!).

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D