Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

17
Set19

Noa

Jorge

Aos 11 anos, fora vítima de assédio sexual.

Aos 14 anos, fora vítima de estupro.

Aos 17 anos, é uma jovem atormentada, perseguida por fantasmas: todos os dias perpassavam pela sua mente cenas horripilantes daquelas intromissões violentas do seu corpo e da impotência para escorraçar os agressores.

O pânico instalara-se na sua vida: fosse dia, noite, tarde ou manhã, estivesse a dormir, ou acordada, em casa ou fora dela, o medo acompanhava-a, fosse para onde fosse.

Sobreviera ao pânico apatia, indecisão falta de motivação, insegurança, sensação de vazio, irritabilidade e perda de apetite.

Radica-se nela a convicção que está a mais nesta Terra, considera-se assim a modos de um peso morto para quem lhe quere e continua a fazer bem.

Aos poucos, na sua mente aloja-se, insidiosa, a perspetiva que nunca mais escaparia às malhas que o pânico engendra, até à hora da sua morte.

Decide que escapar à Vida é a decisão certa!

Evita alimentar-se; todavia, não lhe consente tal (des)propósito os mais chegados.

Tenta (outras) formas de suicídio, diversas vezes, mas sem sucesso, graças à intervenção rápida de quem ousava atentar nos seus passos...

«Ó moça, põe isto nessa cabecinha: és tão nova, podes recuperar, há tratamento para os teus problemas, há que fazer fé em soluções mais fiáveis, de futuro, tens a vida toda por diante!»  

Ela, a contragosto, toma pastilhas, mas não se rende do seu propósito.

(Há remédios que não curam os males das almas sensiveis.)

Tenta a eutanásia que está posta em letra de Lei do seu país.

Que não, está fora de questão, derivado à sua idade tenra.

Os dias sucedem-se em sofrimentos, para ambos os lados.

Até que os pais se rendem e consentem que não se alimente nunca mais.

Ficam a seu lado, até ao momento em que ela parte, céu fora!

Antes, deixa escrito:

«Depois de anos de dificuldades e luta, acabou. Depois de muitas conversas e avaliações, foi decidido que serei libertada, pois o meu sofrimento é insuportável. Acabou. Na verdade, há muito que não estou viva, sobrevivo, mas não é real. Respiro, mas já não vivo».

Onde pairas, esgotou-se a dor, Noa?

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub