Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

13
Set14

Nunca falta rei que nos governe, nem papa que nos excomungue

Jorge

Johano é um ínclito mestre de economês e até há quem o chame de IETI - Inve(n)tivo Ecónomo de Tangas Interinas  –, pelo ao seu modus faciendi e pela fauteza das suas posições anatómicas, financeiras, sociais e outras que tais. Detentor de personalidade vibrátil e mofosa, acha que mais vale ter graça que ser engraçado, daí o dar-se ao gozo com o pagode.

Johano, césar do que lhe aparece pela frente, adora lendas, fábulas dos bons costumes, estórias de encantar e lá vai cantando e rindo. Quando o tiram do sério, costuma sair-se com respostas deblaterantes, o que se destina a manter as tropas em sentido ou de atalaia.

Johano, de perenes neves acumuladas na fronte, não mora nos Himalaias, nas Américas, ou noutras partes da Ásia, vive - e bem! - numa das postas mais ocidentais do continente ao qual foi confiado o nome da mãe de Minos.

Johano, num destes dias, abriu o coração ao «i» e produziu estas pérolas:

A -  «A troica passou-nos em todas as avaliações quando nós, de facto, não cumprimos em nenhuma o que tínhamos prometido.»

(A caridade não tem pátria!)

Andamos a produzir muito vinho é o que é…O vinho em excesso serve as exportações, mas não ajuda a  cumprir promessas e a guardar segredos...

B - «Em Portugal, se toda a gente tivesse admitido que ia cortar, sobretudo, se os mais poderosos tivessem também feito o seu papel, tinha sido mais fácil para todos.»

(Os poderosos preferem dar de comer e mandar calar!)

Ai fizeram o seu papel, lá isso, fizeram: puseram-se de parte, minudências passam-lhes ao lado. A responsabilidade social deles é amealhar, está na cara! Mas isto é ensinar o padre-nosso ao vigário…

C - «Só há uma maneira de resolver isto: é não haver dinheiro.»

(Não se chama a isto brincar com coisas sérias?)

Respeitinho pelos totens, esqueça essas costelas de carbonário e de adepto ferrenho de futebóis! Bem sabe que os proprietários não embarcam nesse balão…

D - «No BES temos investimentos mal conduzidos e haverá certamente fraude envolvida…»

(Não me parece que tenha trabalhado no BES.)

O que é fraudulento na atividade bancária? Faça aí uma lista, sff…

E - «A base do sistema financeiro é a confiança…»

(A boca fala do que o coração está cheio!)

Deste proforma podem ser dispensados trabalhadores, funcionários públicos e reformados…

F - «Estou convencido que de que os bandidos não mandam e vai ser feita justiça.»

(Chama-se a isto falar com o coração ao pé da boca!)

O meu velho preferia dizer que Justiça tem sete mangas e cada manga sete manhas… E até ser feita justiça, quem arrota com os emolumentos e os juros de mora?

G - «Se levássemos a sério o que dizem, a alternativa era ir para Marrocos…»

(Não me parece que trabalhe para o MNE.)

Fui de visita a minha tia a Marrocos, girofle, giroflá…

H - «Só que o lado privado apertou o cinto por ele e pelo público, e conseguiu equilibrar a situação.»

(Deixemo-nos de meias palavras, assim é que é falar!)

Ou seja, os trabalhadores da privada estão a ser mais apertados, só falta adestrar os malandros do público e os reformados…

I - «Em Portugal, ninguém está interessado em ter um Estado que consiga pagar.»

(Cada um fala, consoante a bota lhe pisa.)

‘pere aí, mas não é o Estado que paga tudo? Paga e não bufa, aos privados, sobretudo, não é? A fazer contas de subtrair morreu o fariseu…

J - «É evidente que a melhor maneira de proteger a língua portuguesa é não se falar».

(Será isto que chamam falar de papo? Ou falar de coração?)

Só por isso ficou por dizer que a criação de emprego passa pela desproteção do salário mínimo. E lembrar que Frei Tomás, grande partidário da desregulamentação, dizia que pela boca morre o peixe e que é preciso baralhar, para ficar tudo na mesma...

  

 (Assim se vai comportando a economia…)

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub