Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

21
Nov16

O Dias

Jorge

Não basta fugir, é necessário fugir para o lado mais conveniente – Charles Ramuz

 

Pedro João é tipo de meia-idade, alto (e altaneiro), espadaúdo, bem-parecido e sem traços de ter passado mal, em qualquer momento da sua vida. Empresário agrícola e pecuário, ganhou um gostinho especial por andar aos tiros à bicharada, ao ar livre, em caçadas e seus derivados. Em situações de aperto – confessou, há pouco -, sobrevive à custa de nozes e castanhas e da manducação do que lhe vem à rede ou à mão que pode ser peixe.

Diz-me o pouco que comes, dir-te-ei por onde tens andado.

Um dia estava ele nas imediações dum estaleiro dum novo hotel, à noitinha, quando foi abordado por 2 agentes da GNR (Guarda Nacional Republicana). Dá-se uma cena canalha, de tiros à mistura, em que morre um agente e o outro fica muito mal tratado, desafortunadamente.

Pedro João faz-se ao largo, durante 4 semanas, período durante o qual ver-se-á envolvido em vários episódios escabrosos, durante os quais morre ainda outra pessoa e cinco ficam feridas, infaustamente, dando de barato episódios de gamanço a que o seu nome está associado.

Muito corre quem bem corre, mas mais corre quem bem foge, em tempo de paz, quando se  tem por intolerável a subtração de vidas humanas.

Por conta da fuga, Pedro João passa ao rol dos assassinos potenciais e dos orates de quem é preciso evitar as vistas e/ou denunciar o paradeiro. Ele confessou, há pouco, que fugiu para não ser abatido à má fila.

O temor sempre suspeita o pior.

Concidadãos do Pedro João, sobretudo os das vizinhanças mais batidas, vivem com o credo na boca e sem pregar olho, jornadas a fio. Eu confesso que temi e não passou uma hora em que não tenha pensado no que fazer caso ele vagueasse pela minha porta. Avisaria a PSP (Polícia de Segurança Pública) e que o engazupassem.

Posso ser acusado de falta de sensibilidade social, mas confesso que fiquei mais aliviado, quando constou que o homem teria sido visto, pouco tempo depois de iniciada a fuga, no norte do reino de Portugal, em Castela e talvez por Franças e Araganças.

Do suspeitoso não muito perto, só muito longe...

Os órgãos de comunicação social andaram-lhe no encalce, com reportagens, diretos, telejornais feitos em locais supostamente frequentados pelo fugitivo. Andaram à cata de vizinhos e amigos do rapaz e quase todos afiançavam que ele era um paz de alma; ao invés, os familiares, amigos e vizinhos das vítimas diziam dele o piorio.

 É inumano calar a dor.

Uma amiga do Pedro João diz pôr as mãos no lume por ele, portanto que se entregue de mãos a abanar. Um médico amigo da sua família, uma das mais estimadas dos arredores, jura e trejura que o rapaz é um Portugal-velho. Mas, que venha a terreiro a pôr as coisas em pratos limpos, que se renda.

A culpa atribuída a quem se ama dói mais, mas perdoa-se mais depressa.

Estava-se nessa fase, em que a maioria da população acharia que o Pedro João merecesse um lugar à sombra, que não passava dum sacripanta, dum crápula, dum estrupicento, dum estabanado estoira-vergas, dum estúrdio dado ao palmanço, etc...

Em simultâneo, os órgãos de comunicação também andaram no encalce de jornalistas, advogados, psicólogos, psiquiatras, sociólogos, especialistas em linguagem propriamente dita e linguagem corporal, gente que não conhecia o Pedro João de lado algum, por isso mais capaz de juízos independentes.

Quanto sabes, quanto vales.

Os videntes são postos de lado, porque estavam todos em contacto com o além, quando foram abordados. Bombeiros, batedores e exploradores de trilhos lá da terra, invocaram problemas de comunicação, para não serem ouvidos.

A fome que tu sabes já dela me esqueci...

Mas, seria o Pedro João culpado? Já depois daquela cena de o saber bem longe do meu posto de reportagem, confesso que vacilei. Cheguei a acreditar que sim, que aquela bisarma de homem estaria implicado, mas a dúvida metódica veio ao de cima. Tanto tempo a dar à sola, só se fosse protegido de um deus, sim os deuses não costumam proteger safados assim...

Para pôr os pontos nos is e os traços nos tês, o homem desistiu do jogo do gato e do rato, há pouco. Lá combinou a coisa com arte. Primeiro vai ter a casa de uma amigalhaça, depois convoca causídicos que falam diretamente com o chefe da PJ (polícia Judiciária), por sua vez, convocam jornalistas que naturalmente fazem o seu papel com a emoção contida ou coisa que o valha.

Ouvi-lhe dizer na entrevista que bateu os shares todos das audiências televisivas, dada, há pouco, que era inocente. Logo se vê. Agora, não gostei que tenha insinuado que comeu as papas na cabeça dos gendarmes. Fica mal, à uma, por fazer dos polícias más reses, sempre de arma nervosamente engatilhada, pronta a despachar uns balázios na sua direção. Às duas, rebaixa os agentes, porque tantos não foram capazes de apanhar um. Não contente, como quem não faz mal a um escaravelho, às três, ainda se atreve a insinuar que os terroristas por cá fariam o que é habitual fazerem as raposas em vinhas vindimadas.

A vingança é, muitas vezes, o deleite de almas despiciendas.

Já agora, há boa gente que anda para aí a insinuar que o Pedro João se rendeu, porque andava de calças na mão, com o credo na boca e farto da ração e das vistas.

Mas, agora que está posto em sossego, há pouco, vá ordenando as suas notas e surpreenda-nos com um livro de memórias. Seria mias uma prova que tem bom jogo de cintura.

Sabe que ganhou pontos a seu favor o seu ar cordato que pôs, com o qual aceitou, sem protesto, o par de pulseiras que uns humildes agentes da PJ lhe colocaram? 

Diz-se que tempo não come o lobo, oxalá não fosse tanto assim...

Isto lhe garanto: eu não era capaz de andar foragido tanto tempo, borrava-me todo, ou encafuava-me na toca mais próxima, até me encontrarem, por minha incompetência. E não queria cenas filmadas ou gravadas, sou assim, que se lhe há de fazer... Não é para me gabar, mas até sou bastante conhecido cá no burgo...

Tenciono liderar uma campanha para que os futuros homiziados disfrutem dos apoios que o Pedro João teve. Se alguma vez estiver de mãos livres, apareça, Sr. Dias, já seríamos dois a fazer força!

Só no amor quem foge é o vencedor.

O Dias.jpg

 «Greg pôs-se ao fresco, com um sofisticado disfarce.»

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub