Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

oitentaeoitosim

20
Fev14

Ouvi ou li (VI)

Jorge

Prós e contras

Milhares e milhares de vítimas, heróis, heroínas e mártires tinha criado aquela guerra. Vai-se a ver e descobre-se que também tinham sido usadas armas químicas para esse efeito. É preciso eliminá-las! Meu dito, meu feito, as armas químicas usadas naquele morticínio tanaz foram para o maneta (as outras vendem-se que nem pãezinhos quentes) e postas a ferros nos fundilhos de um mar por apurar. A continuação das hostilidades promete mais e mais vítimas, heróis, heroínas e mártires.

Tudo vai bem no reino da Dinamarca, portanto!

 

Parecem bandos de pardais…

Aquela foi uma manifestação e peras. Putos com menos de 15 anos a mandar vir com e a crescer para a polícia, só na América Latina. Terá havido mosquitos por cordas, umas cargas policiais de criar-bicho, correspondendo aos arrufos. Putos armados aos cucos, a arremeter contra polícias de choque não é notícia de todos os dias. Que se passou, afinal? Os danadinhos pretendiam convencer o parlamento do país da bondade dos seus propósitos, que deixasse cair uma lei que proibia o acesso de adolescentes de idades inferiores a 15 anos ao mercado de trabalho. Bastaria a aquiescência dos interessados, dada de viva voz ou assinadas por punho próprio (sim sou menor, mas trabalho de livre vontade).

Para bom mestre, o patrono certo…

 

Com a verdade me enganas!

A senhora diretora, mulher dos 4 costados e muito poderosa na cena internacional, adora, por isso mesmo, mandar palpites, deixar uns bitaites a esmo, fazer soundbytes aos molhos e torpedear nas entrelinhas. Do poder instalado tudo se pode esperar, como pôr de trela curta os incautos infratores - individuais ou coletivos -  dos sãos princípios do crescimento e desenvolvimento económicos instalados, uma especialidade que não surpreende nos tempos que correm.

Com toda a autoridade deste mundo e arredores, acaba de afirmar que a crise não acabará, enquanto houver 20 milhões de desempregados.

Então, quantos mais são precisos?

 

Dor de alma

O pastor de almas estava contente, via-se na face e media-se no perfil: as ovelhas do seu aprisco engrossavam a olhos vistos. Em tempos de borrasca procura-se um abrigo, quem lucra é deus. Por falar nisso, lá está o pastor à bica das caixas das esmolas que são inspecionadas com fervor e inopinadamente fica com um grande melão. Os óbolos tinham diminuído a olhos vistos.

Falou sem blandícia aos seus seguidores e disse que quem dá aos pobres a deus ajuda. Que passaria a prescindir do ordenado de pastor e das alcavalas todas, começando pela isenção de impostos, se a caixa das esmolas ficassem atafulhadas naquele dia. Um a um, os crentes, no dealbar do ofício passam ordeiramente pelo sítio das caixas das esmolas que ficam repletas.

O pastor de almas ia caindo para o lado, assim que se dá conta da marosca, as caixas estavam cheias de medalhas. Em má hora tinha falado…

 Com grande cachola ficaram igualmente os larápios que, a horas mortas, se lembraram de assaltar o presbitério.

 

Com essa me lixaste!

Era mais um cidadão candidato militante da causa da ascensão social, fosse a pulso, às custas, ou às costas de outrem. Aos ocupantes dos primeiros degraus, os céus permitem – entre outras tantas benesses – desfrutar de vida estadão, com mulheres capazes de pôr os olhos em bico e dar a volta ao miolo a um gajo, carros à-jogador-de-futebol-no-ativo, casas inteligentes e muita pasta. Teve muito sucesso, em altas elucubrações da bolsa e da banca e nadava em dinheiro. Integrou o restrito Clube dos 85, que só aceita inscrições num máximo de 85 indivíduos, capazes de perfazer, em qualquer momento, a fortuna da metade da humanidade mais vitimizada pela acumulação primitiva. Levou uma vida à grande e à francesa, em abastança, em paz, sossego e ar digno de ser respirado.

No dia em que completava o propósito de se rodear de mulheres de todas as latitudes e de todos os tipos de beleza, lembrou-se que era semíviro.

Tornou-se guarda de harém.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub