Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

04
Dez16

Preito II

Jorge

 

A morte é uma letra a pagar em parte incerta.

 

Eu gosto de futebol desde garoto quando havia muita gente que decidia do meu futuro por mim e quando eu sofria muito com os relatos de futebol que davam na rádio se o clube do meu coração perdesse comia mal ao jantar dormia mal e depois rabujava com os meus vizinhos que não gostavam do clube do meu coração nessa altura e mesmo na minha adolescência e juventude e adultice preliminar sempre achei que o clube do meu coração era o maior da Terra que os dirigentes do meu clube faziam tudo certo e que os treinadores eram os mestres das estratégias e das táticas e que só eram corridos porque queriam ou se punham a jeito e que os atletas eram todos da elite que é bom um país ter elites.

Na minha juventude já via jogos na tevê e o panorama já tinha mudado já sabia que tinha de lutar pelo meu futuro e dos rebentos mas continuava a sofrer com as derrotas do clube do meu coração que aconteciam quase sempre por aselhice do árbitro por causa do estado do terreno ou devido ao azar e continuava a dizer cobras e lagartos dos clubes com os quais não ia à bola que tinham péssimos dirigentes piores jogadores e treinadores que não valiam um caracol mesmo que já tivessem treinado o clube do meu coração e não me cansava de denunciar tramações urdidas por outros dirigentes desportivos contra o clube do meu coração.

Um dia estava a ver um jogo de futebol bem à noitinha jogo esse transmitido a partir do Brasil só podia ser aquela hora ou então da Argentina já não sou propriamente um jovem conheço de cor o nome de clubes brasileiros tenho cá um pó a alguns deles que já tinham feito morder o pó ao clube do meu coração então pus-me a dar atenção à transmissão e de entrada vejo-me a perguntar «que clube é esse?» vai daí um meu irmão que sabe muito de futebol e da vida disse que era um clube que jogava há pouco tempo no campeonato principal do futebol do Brasil e eu fiquei-me a ver o jogo a minha simpatia pela Chapecoense penso que começou pela sonoridade do nome que me ficou a pairar nos lábios depois passou ao coração e passei a ter 2 clubes do coração a partir daí não perdia uma transmissão de jogos da Chapecoense deve ter sido atração à primeira vista vejam lá que até me convenci que ali estava o futuro campeão de futebol do Brasil que era o maior em tudo o coração tem razões que a Razão desconhece.

As notícias rezavam inicialmente que um avião tinha caído por terras de Colômbia e que nele seguiam dirigentes e jogadores da Chapecoense mau-mau querem lá ver! talvez um dia os aviões sejam seguros a 100% mas ainda não o são foi o pior que aconteceu depois é assim primeiro estranha-se mas depois não há remédio entranha-se a mágoa a morte deveria ser proibida de agir a seu bel-prazer outras notícias se seguiram que as causas terão sido estas mais aquelas que os causadores terão sido beltrano e sicrano para já não me tragam a listas dos inculpados a prestação de contas far-se-á em devido tempo respeitem os mortos que estão a prestar contas aos deuses que chamaram toda essa boa gente ligada a Chapecó.

Sei que todos os dias morrem muitas pessoas de morte natural sei que todos os dias termina a vida de muitos amantes de futebol sei que todos os dias partem muitas pessoas em guerras declaradas pela ganância humana mas não é de todos os dias que parte para outro mundo de crudelíssima forma e em simultâneo tanta gente assim prendada estando nesse número para além de atletas e dirigentes do clube pilotos pessoal de bordo jornalistas tudo pessoal na estima de muita gente poucas derrotas custam assim quando mereciam da vida um prolongamento que a vitória estava à mão de semear é por isso que uma partida destas dói sobretudo a quem gosta de futebol o que acontece com muita gente por esse mundo por isso as lágrimas e as homenagens são incontroláveis creiam vocês que partiram que deixam saudades e se um coração sente saudades é sinal que já cá não está quem muito se deseja sou eu que vos afianço eu nado e criado no país em que a saudade se materializou.

Requiescant in pace!

 

Só o Homem sabe que é mortal (...)

E é a certeza em que menos se acredita.

    Vergílio Ferreira in, Contra- Corrente 2

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2010
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2009
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub