Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

oitentaeoitosim

03
Jun17

Zelos IX

Jorge

  O atual presidente da mais importante democracia do mundo prometeu amuralhar a fronteira que fica a jusante do país; pelos vistos, por ali, passam desvairadas mercadorias e gentes a salto, o que interfere negativamente com o nível de vida, com a qualidade de vida e com a pegada ecológica da população do seu país que é mais próspero da Terra. Durante a campanha eleitoral, ele comprometeu-se em reforçar aqueles indicadores (desconfia-se que a expensas doutros países, alguns dos quais pouco democráticos, convenhamos), um desiderato perfeitamente legítimo à luz de todos os catecismos que mandam não abrir mão das conquistas alcançadas.

  O atual presidente da mais elogiada democracia do globo jamais prometeu plantar um muro na fronteira que fica a montante do país mais dotado na economia global, separador raramente atravessado por mercadorias suspeitas e por gentes insuspeitas. Do lado de lá, vivem pessoas abastadas (um pouco menos, é certo) cujo governo até se senta à mesa das confabulações globais com o presidente de democracia mais renomada do globo, aquando das reuniões, ora dos G7, ora dos G8. Os habitantes do lado de lá da fronteira setentrional não são dados  a especiais frémitos, quando ultrapassam a divisória dos 2 campos, tal a força do hábito que os leva a visitar amigos e centros comerciais confinantes, na paz de Deus. À sua maneira contribuem para melhorar o nível de vida, a qualidade de vida e a própria pegada ecológica da vizinhança.

  Tivessem bom aspeto os homenzinhos e as mulherzinhas que se apinham na raia a jusante da nação mais badalada da democracia do globo e outro galo cantaria. Nos tempos que correm convém que se esteja bem arriado, com bastante dinheiro no bolso e com a autorização de entrada no outro. Só assim pode haver garantias que o candidato a migrante irá contribuir para a melhoria do nível de vida, da qualidade de vida e da pegada ecológica. Que ninguém se arrogue do direito de se aboletar na casa de vizinho acontioso, se chega à fronteira com uma mão à frente e outra atrás. Nestes preparos, quando muito arranja-se permissão para ser refugiado, não fosse dar-se o caso da inexistência de campos habilitados (dão mau aspeto). A entrada clandestina - embora vantajosa para ambos os lados - infringe as regras da sã competição, nada a que um muro não obste.

  As fronteiras do quadrante oriental e do ocidental essas não levantam preocupações ao presidente da mais afortunada democracia do mundo: aquilo é só mar, sempre belo e calmo, quando se vive em terra. Também é verdade que dificilmente o mar se deixa convencer a ser entaipado, embora se saiba que por aí grassam tecnologias que não dão hipóteses ao impossível. Já agora, cercar o mar para quê? O mar não escalda ninguém: só quem manobra inadvertidamente, nas suas margens, se pode chamuscar. Se o presidente da república mais importante do mundo não se dispôs a circundar o mar ao seu alcance, é também porque, a oriente e a ocidente não se nota movimentos intensos de desvairadas gentes que ameacem o nível de vida, a qualidade de vida e a pegada ecológica do líder mundial dos países da Terra país, até ver.

  Em verdade, em verdade digo que todo o homem e toda a mulher tem direito a proteger os seus domínios e condomínios, seja com muros, seja com valas, seja com arame farpado, seja com arame eletrificado, seja com guardas armados, seja com sistemas de vigilância, seja com recurso a armamento, ou o diabo a 4. O direito de conquista é garantia de legalidade dos limites, não esquecendo naturalmente as escrituras lavradas nos registos de propriedade; nada a opor, é o que a casa gasta! Por mais que se diga que a posse seja a sepultura do desejo, não é por uma mentira ser repetida muitas vezes que se converte em verdade, sabe-o bem o presidente da pátria mais afortunada da Terra...

  Naturalmente que se poderá argumentar que a construção de muros, a separar fortunas diferentes, surge ao arrepio ou em contraciclo de eventos libertadores da História recente: o muro mais conhecido, mais famoso e mais badalado – o de Berlim, naturalmente - veio abaixo e foi um alívio e muita gente gabou o gesto. Curiosamente quem mais festejou aquela queda, põe renovadas expetativas na ereção atual de novos muros, mas de estilo mais up-to-date (haverá provavelmente concurso público), ao que parece. Cada vez mais me convenço que o atual presidente do país mais marcante da presente economia global deve contar-se entre os apreciadores da queda do muro de Berlim e muito provavelmente terá nas suas mansões valiosas amostras daquela muralha. Vai uma aposta?

  Será que, uma vez mais, quem desdenha quer comprar?

PS: O atual presidente republicano do país mais abastado do mundo parece não ter ainda desistido da ideia de pôr o México a pagar a ereção do muro sulista provavelmente o mais alto, o mais extenso, o mais modernaço e o mais catita do globo. Tanto lhe bastará contratar ou subcontratar temporariamente operários nos mercados laborais da região, a abarrotar de mão-de-obra habituada a ruim pago...

Saltar muro.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub